sábado, 22 de julho de 2017

NOSSA RIQUEZA EM CRISTO — 044 — EXORTAÇÃO, CONSOLAÇÃO DE AMOR, COMUNHÃO, AFETOS E MISERICÓRDIAS EM CRISTO


Esse artigo é parte da série "Em Cristo" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa série, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará um link para o estudo posterior

44. Filipenses 2:1 - Se há, pois, alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há entranhados afetos e misericórdias.

Se há, pois, alguma exortação em Cristo — A palavra grega παράκλησις paráklisis — possui um significado tão complexo que traduzi-la por “exortação” não faz jus ao que o apóstolo Paulo pretendia dizer. De acordo com o Dicionário Aurélio Século XXI o verbete “exortação” significa:

1. Ato de exortar, animar, estimular.

2. Conselho, advertência, admoestação.

Agora vejamos como o Dicionário do Grego do Novo Testamento de H. Strong define a palavra παράκλησις paráklisis:

1) Convocação, aproximação, especialmente para ajuda.

2) Importunação, súplica, solicitação.

3) Exortação, admoestação, encorajamento.

4) Consolação, conforto, aquilo que proporciona conforto e descanso.

4a) Aquilo que é pertinente à salvação messiânica. Era por este motivo que os rabinos denominavam o Messias de: o Consolador e Confortador. 

5) Discurso persuasivo, palestra estimulante.

5a) Discurso exortativo poderoso, instrutivo, repreensivo, conciliatório.

Certamente toda essa riqueza de significado estava presente na mente de Paulo quando escreveu aos Filipenses. Existe alguma exortação, convocação para nos aproximarmos, para sermos ajudados, consolação, algum encorajamento, conforto e descanso em Cristo? Toda a extensão desse estudo corresponde a um retumbante “SIM” a essa última pergunta que fizemos. No caso de Paulo ele não está perguntado e sim pedindo para seus leitores considerarem o fato de que, sim, em Cristo, nós vamos encontrar uma παράκλησις paráklisis permanente.

Paulo deseja chamar a atenção de seus leitores para considerarem o Senhor Jesus. O contexto imediato nos fala da condição de prisioneiro em que Paulo se encontrava —

Filipenses 1:12—14

12 Quero ainda, irmãos, cientificar-vos de que as coisas que me aconteceram têm, antes, contribuído para o progresso do evangelho;

13 de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a guarda pretoriana e de todos os demais;

14 e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a palavra de Deus.

Nos fala também das difíceis condições enfrentadas pelos destinatários dessa carta —

Filipenses 1:29—30

29 Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele,

30 pois tendes o mesmo combate que vistes em mim e, ainda agora, ouvis que é o meu.

Diante deste quadro de enormes necessidades, Paulo insiste com seus leitores para que vivam de modo digno do evangelho de Cristo —

Filipenses 1:27

Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica;

Ademais Paulo insiste para que considerem Jesus e Seu exemplo. Essa lembrança devia conduzi-los a buscar e receber o consolo e o conforto que somente Jesus pode nos oferecer. Jesus pode nos consolar, confortar, ajudar, encorajar e etc. E Ele é capaz de fazer todas estas coisas, especialmente porque Ele experimentou a vida humana exatamente como nós a experimentamos, com sangue, suor e lágrimas, com exceção do pecado. A idéia de Paulo é que os Filipenses e, por extensão, todos nós, voltemos nossos olhos sempre para o Senhor, para encontrarmos consolação, conforto e uma palavra de incentivo e desafio nas horas de angústia. Jesus deve ser nosso modelo e exemplo. Jesus deve ser o exemplo, diante do qual devemos sempre parar e considerar. O autor da Epístola aos Hebreus nos ensina de maneira muito apropriada estas verdades —

Hebreus 2:10 — 3:1

10 Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles.

11 Pois, tanto o que santifica como os que são santificados, todos vêm de um só. Por isso, é que ele não se envergonha de lhes chamar irmãos,

12 dizendo: A meus irmãos declararei o teu nome, cantar-te-ei louvores no meio da congregação.

13 E outra vez: Eu porei nele a minha confiança. E ainda: Eis aqui estou eu e os filhos que Deus me deu.

14 Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo,

15 e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida.

16 Pois ele, evidentemente, não socorre anjos, mas socorre a descendência de Abraão.

17 Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo.

18 Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados.

1 Por isso, santos irmãos, que participais da vocação celestial, considerai atentamente o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus.

Em outra passagem, ainda no livro de Hebreus, nós somos novamente incentivados tanto a viver uma vida digna do evangelho, como a olhar firmemente para Jesus que é simultaneamente o Autor ou iniciador e o Consumador da fé. Para alcançar esta posição tão elevada, Jesus suportou a cruz e todos os sofrimentos que estavam agregados à morte por crucificação, incluído a enorme desonra e infâmia —

Hebreus 12:1—4

1 Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta,

2 olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.

3 Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.

4 Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue

Dificuldades, sofrimentos, angústias e tribulações são o lote comum a todos nós. Mas o apóstolo Paulo nos incentiva dizendo que precisamos nos voltar para Jesus. E o autor da Epístola aos Hebreus insiste dizendo: Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma – Hebreus 12:3. E para que ninguém cometa o erro de achar que já sofreu ou passou por angustias demasiadas arremata: Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue — Hebreus 12:4.


Outros Estudos da Série “em Cristo”:
O estudo introdutório dessa série, número 000, pode ser encontrado aqui:
O estudo número 001 dessa série — Justificação Gratuita — pode ser encontrado aqui:
O estudo 002 dessa série — Nossa Identidade com Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 003 dessa séria — Mortos para o Pecado, Mas Vivos para Deus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 004 dessa série — O Salário do Pecado X o Dom Gratuito de Deus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 005 dessa série — Nenhuma Condenação em Cristo Jesus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 006 dessa série — Nada Pode nos Separar do Amor de Deus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 007 — Somos Membros uns dos Outros em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 008 — Santificados em Cristo Jesus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 009 — A Graça de Deus em Cristo Jesus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 010 — Somos de Deus em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 011 — Somos Espirituais em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 012 — Somos Loucos, Fracos e Desprezíveis Porque Estamos em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 013 — Somos Gerados em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 014 — Nossa Esperança em Cristo Não se Limita a Essa Vida Apenas — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 015 — Todos Serão Vivificados em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 016 — Todos São Amados em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 17 — Somos Todos Ungidos em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 18 — Não Mercadejamos a Palavra de Deus — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 19 — O Véu é Removido em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 20 — Somos Novas Criaturas em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 21 — Deus Estava em Cristo Reconciliando Consigo o Mundo — poderá ser encontrado aqui:
Os estudos 22 e 23 — Sendo Conhecido em Cristo — poderão ser encontrados aqui:
O estudo 24 — Nossa Liberdade em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 25 — Justificação Pela fé em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 26 — Filhos de Deus em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 27 — Revestidos em Cristo — poderá ser encontrado aqui:
O estudo 28A — Nossa Unidade em Cristo — PARTE 001 poderá ser encontrado aqui:
O estudo 28B — Nossa Unidade em Cristo — PARTE 002 poderá ser encontrado aqui:
O estudo 029 — Somente a Fé Que Atua Pelo Amor Tem Valor em Cristo
O estudo 030A — A Bênção com Que Somos Abençoados em Cristo – Parte 001
O estudo 030B — A Bênção com Que Somos Abençoados em Cristo – Parte 002
O estudo 030C — A Bênção com Que Somos Abençoados em Cristo – Parte 003 — E a Chamada Visão de Hermes
O estudo 030D — A Bênção com Que Somos Abençoados em Cristo – Parte 004 — O Ensinamento Bíblico Acerca do Céu
O estudo 031 — Desvendando-nos o Mistério da Sua Vontade Em Cristo

O estudo 032 — Para o Louvor da Glória de Deus em Cristo
O estudo 033 — Ressuscitados em Cristo e Assentados nos Lugares Celestiais
O estudo 034 — Mostra a Suprema Riqueza da Sua Graça em Bondade para conosco em Cristo.
O estudo 035 — Mostra como somos salvos em Cristo para a prática de boas obras manifestadas por meio de uma vida de santidade.
O Estudo 036 — Nos Fala de Como Somos Aproximados de Deus Porque Estamos em Cristo.
O Estudo 037 — Nos Fala de Como Somos Co-herdeiros, Co-participantes e Membros dum mesmo Corpo
O Estudo 038A — Nos Fala das Insondáveis Riquezas de Cristo — Parte 001 — Cristo o Mistério Revelado de Deus
O Estudo 038B — Nos Fala das Insondáveis Riquezas de Cristo — Parte 002 — A Igreja Edificada Sobre Cristo

O Estudo 038C — Nos Fala das Insondáveis Riquezas de Cristo — Parte 003 — O Que é a Verdadeira Igreja de Cristo
O Estudo 038D — Nos Fala das Insondáveis Riquezas de Cristo — Parte 004 — O Que é a Verdadeira Igreja de Cristo — O Corpo de Cristo
O Estudo 038E — Nos Fala das Insondáveis Riquezas de Cristo — Parte 005 — O Que é a Verdadeira Igreja de Cristo — A Plenitude de Cristo
O Estudo 038F — Nos Fala das Insondáveis Riquezas de Cristo — Parte 006 — O Que é a Verdadeira Igreja de Cristo — Os Eleitos Por Deus em Cristo
O Estudo 039 — Nos Fala De Como Devemos Glorificar a Deus Porque Estamos em Cristo — Jesus e a Glória de Deus
O Estudo 040 — Nos Fala De Como Deus Nos Perdoou em Cristo
O Estudo 041 — Nos Fala de Sermos Ousados em Cristo Para Falar
O Estudo 042/043 — Nos fala de nos gloriarmos ou alegrarmos em Cristo
O Estudo 044 — Nos fala de: exortação, Consolação de Amor, Comunhão, Afetos e Misericórdias em Cristo

Que Deus abençoe a todos com ousadia no falar EM CRISTO.


Alexandros Meimaridis


PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:

Desde já agradecemos a todos.
Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

JOSÉ COMO TIPO DE CRISTO — ESTUDOS 046 — O SÁBIO CONSELHO DE JOSÉ A FARAÓ


Joseph bowing before Pharaoh in the court of the royal palace

Essa é uma série cujo propósito é estudar, com profundidade, a vida de José como um Tipo do Senhor Jesus Cristo. No final de cada estudo você irá encontrar links para outros estudos. A Série tem o título Geral de: José como Tipo de Cristo.


46. O Conselho de José o Recomendou ao Faraó e à Sua Corte.

Gênesis 41:37—39
O conselho foi agradável a Faraó e a todos os seus oficiais. Disse Faraó aos seus oficiais: Acharíamos, porventura, homem como este, em quem há o Espírito de Deus? Depois, disse Faraó a José: Visto que Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão ajuizado e sábio como tu.

O grande Faraó do Egito não teve muita dificuldade em perceber que a sabedoria manifestada pelo condenado escravo hebreu não tinha sua fonte em práticas de magia nem de feitiçaria. O próprio Faraó reconhece que a origem de tal sabedoria só pode ser uma apenas: o Espírito de Deus. As palavras de José, como tudo mais nas Escrituras, soaram nos ouvidos do Faraó com uma grande discrição e uma sabedoria que era muito diferente de tudo o que ele estava acostumado a ouvir dos sábios e filósofos da sua corte. Em resumo, não se tratava de sabedoria humana, mas de sabedoria divina, reconhecida pelo próprio Faraó.
Jesus também foi admirado em seus ensinamentos conforme podemos ler em:
Mateus 7:28—29
Quando Jesus acabou de proferir estas palavras, estavam as multidões maravilhadas da sua doutrina; porque ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.
Mateus 13:54
E, chegando à sua terra, ensinava-os na sinagoga, de tal sorte que se maravilhavam e diziam: Donde lhe vêm esta sabedoria e estes poderes miraculosos?

Da mesma forma como o Faraó e sua corte ficaram impressionados com a sabedoria de José, assim também, os ouvintes de Jesus reconheceram sua singularidade e exclusividade ao afirmarem:
João 7:45—46
Voltaram, pois, os guardas à presença dos principais sacerdotes e fariseus, e estes lhes perguntaram: Por que não o trouxestes? Responderam eles: Jamais alguém falou como este homem.

A ordem para prender a Cristo foi dada em João 7:32. Mas os guardas, ao ouvirem os ensinamentos de Jesus ficaram completamente desorientados e abandonaram sua incumbência, e voltaram para aqueles que os haviam enviado. É óbvio que a liderança do templo queria saber por que a instrução dada não foi obedecida. A explicação dos guardas foi categórica: Jamais alguém falou como este homem.
Nós temos que entender que aqueles guardas do templo não eram um bando de malfeitores, ou capangas mercenários dispostos a tudo para obter o lucro esperado. Esse era o maior problema deles, pois eram homens da tribo de Levi — levitas — homens religiosos e treinados nas Escrituras e podiam sentir-se quebrantados, no mais íntimo do ser pelos mesmos atos e palavras que Jesus estava repartindo com o povo em geral. Evidências tanto para a sabedoria quanto para a autoridade incomparáveis que Jesus manifestou nesse discurso, não são difíceis de encontrar em outras passagens do Novo Testamento:
Marcos 1:22
Maravilhavam-se da sua doutrina, porque os ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.
Marcos 12:17
Disse-lhes, então, Jesus: Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. E muito se admiraram dele.
Marcos 12:32—34
32 Disse-lhe o escriba: Muito bem, Mestre, e com verdade disseste que ele é o único, e não há outro senão ele,
33 e que amar a Deus de todo o coração e de todo o entendimento e de toda a força, e amar ao próximo como a si mesmo excede a todos os holocaustos e sacrifícios.
34 Vendo Jesus que ele havia respondido sabiamente, declarou-lhe: Não estás longe do reino de Deus. E já ninguém mais ousava interrogá-lo.
Marcos 12:35—37
35 Jesus, ensinando no templo, perguntou: Como dizem os escribas que o Cristo é filho de Davi?
36 O próprio Davi falou, pelo Espírito Santo: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.
37 O mesmo Davi chama-lhe Senhor; como, pois, é ele seu filho? E a grande multidão o ouvia com prazer.
Deve ser evidente que o testemunho dos guardas não era fruto de uma fé genuína em Cristo, mas João tem a intenção que seus leitores percebam que os guardas acabaram falando mais do que, realmente, sabiam. As palavras dos guardas, literalmente traduzidas, dizem: “Ninguém — i.e. nenhum outro ser humano — jamais falou da maneira como esse homem fala”. É óbvio que os leitores de João sabiam o verdadeiro motivo porque Jesus falava daquela forma única e exclusiva: Jesus era o próprio Deus. Mas aqueles guardas, apesar de confusos e admirados não tinham consciência dessa realidade. Jesus não era apenas um ser humano. Ele era o Verbo eterno de Deus que havia assumido a forma humana:
João 1:1
No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
João 1:14
E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.
Cada ato e cada palavra de Jesus correspondiam, exatamente, aos atos e palavras do próprio Deus Pai.
João 5:19—30
Então, lhes falou Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz. Porque o Pai ama ao Filho, e lhe mostra tudo o que faz, e maiores obras do que estas lhe mostrará, para que vos maravilheis. Pois assim como o Pai ressuscita e vivifica os mortos, assim também o Filho vivifica aqueles a quem quer. E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento, a fim de que todos honrem o Filho do modo por que honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou. Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão. Porque assim como o Pai tem vida em si mesmo, também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo. E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do Homem.
Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo. Eu nada posso fazer de mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O meu juízo é justo, porque não procuro a minha própria vontade, e sim a daquele que me enviou.
João 8:28—29
Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do Homem, então, sabereis que EU SOU e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou. E aquele que me enviou está comigo, não me deixou só, porque eu faço sempre o que lhe agrada.

OUTROS ESTUDOS ACERCA DE JOSÉ COMO TIPO DE CRISTO
Estudo 001 — José como Tipo De Cristo — Introdução
Estudo 002 — José como Tipo De Cristo — A Infância de José
Estudo 003 — José como Tipo De Cristo — Os Irmãos e Os Nomes de José
Estudo 004 — José como Tipo De Cristo — José Como Pastor dos Seus Irmãos
Estudo 005 — José com Tipo De Cristo — José Como o Filho Amado de Seu Pai
Estudo 006 — José com Tipo De Cristo — Jesus, o Filho e Deus Pai
Estudo 007 — José com Tipo De Cristo — José e a Túnica Talar de Distinção
Estudo 008 — José com Tipo De Cristo — O Ódio que os Irmãos de José Tinham Dele
Estudo 009 — José com Tipo De Cristo — José era Odiado por Causa de Suas Palavras
Estudo 010 — José com Tipo De Cristo — José Estava Destinado a Um Futuro Extraordinário
Estudo 011 — José com Tipo De Cristo — José Antecipa Sua Glória Futura
Estudos 012 e 013 — José como Tipo de Cristo — José Sofre nas Mãos de Seus Irmãos e Vai a Busca Deles a Pedido de Jacó
Estudos 014 e 015 — José como Tipo de Cristo — José Busca Fazer o Bem a Seus Irmãos, e É Enviado De Hebrom Para a Região de Siquém
Estudo 016 — José como Tipo de Cristo — José Vai Até a Região de Siquém
Estudos 017 e 018 — José como Tipo de Cristo — José se Torna um Viajante Errante Nos Campos e Campinas da Palestina
Estudos 019 — José como Tipo de Cristo — A Conspiração contra José
Estudos 020 — José como Tipo de Cristo — As palavras de José são Desacreditadas
Estudos 021 e 022 — José como Tipo de Cristo — José é Insultado e Humilhado e José é Lançado num Poço
Estudos 023 e 024 — José como Tipo de Cristo — José é Retirado Vivo do Poço e Os Irmãos de José Misturam Ódio com Hipocrisia
Estudos 025 e 026A — José como Tipo de Cristo — José é Vendido por Seus Irmãos e o Sangue de José é Derramado
Estudos 026B — José como Tipo de Cristo — O Futuro de Israel Profetizado em Gênesis 38
Estudos 027 e 028 — José se Torna um Servo — Jose se Torna Próspero
Estudos 029 — O Senhor de José Estava Muito Feliz com Ele
Estudos 030 — José Como Servo Foi Uma Bênção Para os Outros
Estudos 031 — José Era Uma  Pessoa Consagrada aos Outros
Estudos 032 — José Foi Duramente Tentado, Mas Resistiu à Tentação
Estudos 033 — José Foi Acusado Falsamente
Estudos 034 — José Não Tentou Se Defender das Falsas Acusações
Estudos 035 — José Sofreu nas Mãos dos Gentios
Estudo 036 e 37 — José Ganha o Reconhecimento do Carcereiro e José Foi Numerado com outros Transgressores.
Estudo 038 — José Como Instrumento de Bênção e de Condenação.
Estudo 039 — José Dá Evidências De Seu Conhecimento Quanto Ao Futuro.
Estudo 040 — As Predições de Jose se Tornam Realidades.
Estudo 041A — José Gostaria de Ser Lembrado
Estudo 041B — José Gostaria de Ser Lembrado
Estudo 042 — José Foi Libertado na Hora Certa
Estudo 043 — José Como Revelador dos Mistérios de Deus
Estudo 044 — José Faz Advertências Contra o Perigo Futuro
Estudo 045 — José Se Revela como Maravilhoso Conselheiro
Estudo 046 — O Conselho de José para o Faraó

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.   

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.