domingo, 17 de setembro de 2017

Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade - Estudo 014 C


Imagem relacionada

Essa é uma série cujo propósito é estudar os conceitos bíblicos de vida, morte, estado intermediário e eternidade. No final de cada estudo você irá encontrar links para outros estudos. A Série tem o título Geral de: Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade.  

CONTINUAÇÃO...

UM CONCEITO UNIVERSAL: A CRENÇA NA VIDA DEPOIS DA MORTE

Nessa discussão nós também precisamos destacar que os materialistas precisam se manifestar não apenas com uma sólida evidência contra a vida consciente após a morte, mas que eles também precisam dar uma explanação plausível do como e do porque tal crença é tanto antropologicamente quanto geograficamente falando, universal. Até hoje nenhuma explicação ou teorias plausíveis foram apresentadas.

Quando nos voltamos para a história da filosofia — com uma quantidade de compêndios e coleções cada vez mais numerosas — para descobrirmos o que as melhores mentes humanas têm descoberto, nós nos damos conta que desde os filósofos gregos clássicos a te os dias de hoje, a imortalidade da alma tem sido aceita como razoável e, virtualmente, autoevidente. A lista desses filósofos inclui desde Sócrates até os maiores expoentes do tempo presente. O mesmo pode ser afirmado acerca dos grandes cientistas do passado e do presente acerca da crença na imortalidade. Nesse caso a lista se estende de Aristóteles até os cientistas dos nossos dias. É claro que, como acontece em qualquer áreas, sempre existirão exceções ao padrão geral.

Também estamos cientes que essa linha de argumentação pode ser considerada como uma forma de apelo às chamadas autoridades. Também estamos cientes que muitos mestres de lógica consideram qualquer apelo à autoridade como algo inválido. Todavia, quando questionamos em que base eles se recusam a aceitar o apelo às autoridades, de modo surpreendente, eles apelam para sua própria autoridade ou mesmo para a autoridade de terceiros! Hipocrisia explícita maior ainda está para ser observada. Esse é o motivo porque nos recusamos a nos deixar convencer por esses clichês ridículos. Autoridade e fé encontram-se na base de todo tipo de conhecimento, porque todos os sistemas têm início com suposições baseadas em algum tipo de autoridade. Filosofia e ciência estritamente empíricas existem apenas em livros de tória. A realidade é algo distinto.

Ainda assim é comum ouvirmos bobagens do tipo:

1. Apenas pessoas ignorantes e sem estudo suficiente acreditam na vida depois da morte.

2. A ciência já provou que não existe vida depois da morte.

3. Filósofo não podem jamais aceitar o conceito de vida depois da morte.

Será que devemos mesmo acreditar que todos os filósofos e cientistas que acreditavam na vida depois da morte eram pessoas ignorantes e incultas? Será que esses homens e mulheres aceitariam um conceito acerca do qual não existisse nenhuma evidência? Será que os materialistas dos nossos dias são mais inteligentes do que toda a humanidade que os antecedeu? Em que base eles desprezam algo que tem sido crido pela humanidade por milênios?

Estudiosos da história da Igreja, como C. S. Lewis e outros, têm ensinado que: os documentos cristãos mais antigos indicam com clareza a crença que a parte não material dos seres humanos sobrevive à morte do corpo.

É impossível negar que nos últimos dois mil anos da nossa história, com algumas exceções é claro, os cristãos têm crido na imortalidade da alma. Teólogos clássicos tanto da Europa quanto das Américas têm defendido esse conceito bíblico. Católicos e protestantes não têm apenas defendido tal ensinamento, mas o mesmo tem sido proclamado dos mais diversos púlpitos ao redor do mundo.

As coisas mudaram de fato quando os materialistas assumiram o controle da educação e isso fez com que, lamentavelmente, alguns teólogos adotassem o discurso em voga para não darem a impressão que estavam querendo nadar contra a maré.

Desejosos de ganharem a aprovação geral no meio acadêmico, teólogos modernistas adotaram o materialismo como método de analisar as escrituras e como isso, se viram forçados a negar qualquer manifestação sobrenatural, primeiro na Bíblia — negando os milagres — e depois nos seres humanos — negando a imortalidade dos mesmos. Dessa forma, a Bíblia foi reduzida a ser apenas um livro em muitos outros, enquanto os seres humanos foram reduzidos a serem apenas animais no meio de muitos outros animais.

O que podemos dizer desses teólogos modernos? Seguem algumas sugestões:

1. Primeiro, o relacionamento entre a religião e o materialismo não é possível, porque o materialismo não pode nuca gerar princípios morais, valores ou significados, que são essenciais para qualquer religião. Para os materialistas somos apenas animais.

2. É necessário que os mesmos parem de alegar que encontram fontes para o materialismo dentro da própria Bíblia. Em vez disso, eles deveriam deixar que os autores bíblicos falem por si mesmos.

3. Em terceiro lugar é importante que sejam honestos. Sem o elemento sobrenatural tanto a Bíblia quanto os seres humanos perdem seu significado.

4. Depois, eles não deveriam usar linguagem religiosa para manipular as pessoas. Imitando os rabinos de todas as épocas, os teólogos modernistas adoram redefinir as palavras para fazê-las dizerem exatamente o contrário do que tem sido o entendimento das mesmas.


OUTROS ARTIGOS ACERCA DE VIDA, MORTE, ESTADO INTERMEDIÁRIO E ETERNIDADE
Estudo 001 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Introdução à Hermenêutica ou Interpretação das Escrituras Sagradas
Estudo 002 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Introdução à Hermenêutica ou Interpretação das Escrituras Sagradas — Parte 002
Estudo 003 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Introdução à Hermenêutica ou Interpretação das Escrituras Sagradas — Parte 003
Estudo 004 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — O Ser Humano Como Criatura de Deus — Parte 001
Estudo 005 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — O Ser Humano Como Criatura de Deus — Parte 002
Estudo 006 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — O Ser Humano Como Criatura de Deus — Parte 003
Estudo 007 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Unidade e Diversidade nos Seres Humanos — Parte 001
Estudo 008 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Termos Usados no Antigo Testamento — Parte 001
Estudo 009 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Termos Usados no Antigo Testamento — Parte 002
Estudo 010 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Termos Usados no Antigo Testamento — Parte 003
Estudo 011 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Termos Usados no Novo Testamento — Parte 001 — ψυχή — Psiché
Estudo 012 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Termos Usados no Novo Testamento — Parte 002 — πνεῦμα — pneûma — espírito, καρδίᾳ — Kardía — Coração, διανοίᾳ — dianoíaφρόνημα — frónemaνοήμα — noémaνοῦς  nous — Mente.
Estudo 013 — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — Termos Usados no Novo Testamento — Parte 003 — ἔσω ἄνθρωπον — éso ánthropon = homem interior; νεφρόι — Nefroi = rins
Estudo 014 A — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — A Crença na Imortalidade como algo Universal — Parte 001

Estudo 014 B — Vida, Morte, Estado Intermediário e Eternidade — A Crença na Imortalidade como algo Universal — Parte 002

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:
Desde já agradecemos a todos. 
Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

sábado, 16 de setembro de 2017

JOÃO 15 - SERMÃO 004 — PRODUZINDO FRUTOS — João 15:4—5


Resultado de imagem para PRODUZINDO FRUTO

Esse artigo é parte da série onde expomos o Salmo 86 e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nesse Salmo, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará um link para os outros estudos.

PERMANECENDO EM CRISTO

Uma Exposição Bíblica e Teológica de João 15

Introdução:

A. Jesus é a “Videira Verdadeira”. O Pai de Jesus, que é Deus, é o “Agricultor”. VERSO 1.

B. Nós somos os ramos da videira e somos objetos da atenção especial do Agricultor que 15:2.

C. Parte desse cuidado envolve:

1. αἴρει aírei — cortar fora ou afastar o que está ligado a algo.

2. καθαίρει  — kathaírei — limpar sujeira e impurezas. Podar uma videira de ramos desnecessários. Metaforicamente, expiar ou pagar pela culpa.  

D. E foi exatamente para isso que Deus enviou Seu Filho ao mundo, para que ele pudesse expiar ou receber o justo castigo que nossos pecados mereciam. A Bíblia diz o seguinte:

Romanos 6:23

Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

E. Nós merecíamos morrer eternamente — ser separados de Deus por toda a eternidade — mas Jesus veio, tomou o nosso lugar e recebeu, Ele mesmo, o justo castigo que nossos pecados mereciam —

1 Pedro 2:24

Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados.

F. Uma vez perdoados por Jesus e plenamente reconciliados com Deus é necessário PERMANECER EM CRISTO, porque somente dessa maneira iremos produzir o fruto necessário para alimentarmos outras pessoas, conforme vimos que é necessário, na mensagem anterior.

G. Hoje queremos concentrar nossa atenção nesse fruto que todos devemos estar sempre produzido para:


1. A Glória de Deus!


2. O Engrandecimento do Nome do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.


PRODUZINDO FRUTO COMO VERDADEIROS DISCÍPULOS


I. Permanecendo em Cristo Para Produzir Fruto, Muito Fruto.

A. Para podermos produzir fruto é necessário PERMANECER em Cristo — VERSO 4.

B. Qual é o significado dessa expressão: PERMANECER?  A expressão grega é μείνατε meínate — significa: permanecer, ficar, continuar presente.

C. Isso que dizer o seguinte: para permanecer precisamos deixar de ser superficiais. Temos que nos fixar de um modo que sejamos verdadeiros.

D. Se permanecermos mesmo em Cristo, nós temos que dar evidências claras de que temos um compromisso sério com o Senhor. Não podemos ter um relacionamento superficial com Jesus e achar que tudo irá acabar bem.

E. Permanecer firmes em Cristo é a única prova concreta de que verdadeiramente estamos unidos com Ele.

F. Jesus nos adverte com as seguintes palavras:

Lucas 8:14

A que caiu entre espinhos são os que ouviram e, no decorrer dos dias, foram sufocados com os cuidados (ansiedade), riquezas e deleites (prazeres) da vida; os seus frutos não chegam a amadurecer.

G. Quando permanecemos num relacionamento profundo com Cristo, Ele nos promete o seguinte: permanecei em mim, e eu permanecerei em vós.

H. Somente o verdadeiro crente, aquele que habita em Cristo pode fazer esse tipo de afirmação: Jesus permanece em mim!

II. Alguns Frutos Espirituais Mencionados na Bíblia.

A. Nós produzimos fruto quando compartilhamos o evangelho com outros e os ajudamos a se aproximarem de e se reconciliarem com Deus:

Romanos 1:13 —16

13 Porque não quero, irmãos, que ignoreis que, muitas vezes, me propus ir ter convosco (no que tenho sido, até agora, impedido), para conseguir igualmente entre vós algum fruto, como também entre os outros gentios.

14 Pois sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes;

15 por isso, quanto está em mim, estou pronto a anunciar o evangelho também a vós outros, em Roma.

16 Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego.


B. Nós produzimos fruto quando nos tornamos ceifeiros nos campos do Senhor:

João 4:35—38

35 Não dizeis vós que ainda há quatro meses até à ceifa? Eu, porém, vos digo: erguei os olhos e vede os campos, pois já branquejam para a ceifa.

36 O ceifeiro recebe desde já a recompensa e entesoura o seu fruto para a vida eterna; e, dessarte, se alegram tanto o semeador como o ceifeiro.

37 Pois, no caso, é verdadeiro o ditado: Um é o semeador, e outro é o ceifeiro.

38 Eu vos enviei para ceifar o que não semeastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho.

C. Nós produzimos fruto quando crescemos em santidade e obediência aos mandamentos do Senhor:

Romanos 6:22

Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna.

D. Nós produzimos fruto quando contribuímos financeiramente para ajudar na obra de Deus:

Romanos 15:28 na Nova Tradução na Linguagem de Hoje

Depois que eu terminar esse trabalho e que entregar toda a oferta que foi recolhida para eles, viajarei para a Espanha e no caminho visitarei vocês — NTLH.

E. Nós produzimos fruto quando manifestamos um caráter controlado pelo Espírito Santo que demonstra o FRUTO DO ESPÌRITO, em Sua plenitude:

Gálatas 5:22—23

22 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,

23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.

F. Nós produzimos fruto quando louvamos a Deus:

Hebreus 13:15

Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome.

III. Uma Advertência Solene.

A. Muitas dessas coisas podem ser falsificadas por nossa própria carne pecaminosa, mas o engano dura pouco, porque o fruto falso não tem em si a semente para continuar se reproduzindo.

B. Quando a obra é humana ela não continua — esse é o motivo porque muitas igrejas precisam inventar novidades e todos os dias elas têm que ter alguma coisa nova, algum atrativo para continuar fazendo as pessoas virem aos seus programas.

C. O fruto produzido pelo Espírito tem, em si mesmo, a semente para continuar se multiplicando!

D. Procure se assegurar que você está em Cristo, PERMANECENDO nEle e que seus frutos serão duradouros e se multiplicarão também. 

Conclusão

A. Quantas e quantas pessoas, cada um de nós conhece que já passaram por essa e por outras igrejas verdadeiras, mas nunca mais voltaram. Aqueles que mantêm um relacionamento superficial com Jesus vão e não voltam nunca mais. COMO ESTÁ TEU RELACIONAMENTO COM JESUS? É superficial ou e real e verdadeiro?

1 João 2:24

Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós no Filho e no Pai.

B. As palavras de Jesus prometendo permanecer em nós devem nos servir de grande consolo, porque Jesus é o Pão da Vida e a Água da Vida. Ou seja, ele é tudo que precisamos. Ele, e somente Ele pode satisfazer todas as nossas necessidade mais profundas. Esse é o motivo porque ele nos diz o seguinte em —

João 15:5

Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.

C. Não confunda conhecer Jesus pessoalmente e manter comunhão e um profundo relacionamento com ele com frequentar uma igreja. Qualquer igreja. Nenhuma igreja pode servir de verdadeiro substituto para o ato de permanecer em Cristo e ter Cristo permanecendo em nós.

D. Nós precisamos abrir nossas vidas inteiramente para Deus e receber de Jesus, a videira verdadeira, todo o alimento ou tudo o que precisamos para viver a vida cristã em sua plenitude, pois ele mesmo disse: SEM MIM NADA PODEIS FAZER.

E. Que tenhamos a humildade para depender integralmente de Jesus e não confiramos, de nenhuma forma, em nossas próprias habilidades e capacidade para satisfazer nossas necessidades mais profundas.

OUTRAS MENSAGENS DA SÉRIE PERMANECENDO EM CRISTO

SERMÃO 001 — A VIDEIRA VERDADEIRA — João 15:1
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2016/11/joao-15-sermao-001-videira.html

SERMÃO 002 — O AGRICULTOR — João 15:1

SERMÃO 003 — OS RAMOS – João 15:2—3

Que Deus abençoe a todos

Alexandros Meimaridis


PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

ASSÉDIO VIRTUAL E O SUICÍDIO


 (photo: (Foto: BBC/Thinkstock))

O artigo abaixo foi publicado no site 247 Saúde e é da autoria de Helena Martins.

CRESCIMENTO DE ATAQUES VIRTUAIS ACENDE ALERTA SOBRE SUICÍDIO

Helena Martins – Repórter da Agência Brasil

Apesar de ser um grave problema de saúde pública, com tendência de crescimento nos próximos anos, pois acompanha a expansão de doenças como a depressão, o suicídio ainda é um tabu no Brasil. Dificuldade de obter dados, preconceito e medo de estimular a prática ao falar sobre ela são fatores que dificultam a discussão e o desenvolvimento de políticas públicas, segundo estudos e especialistas consultados pela Agência Brasil.

Neste ano, o silêncio que ronda o tema foi quebrado com a divulgação do Baleia Azul, o jogo virtual que envolveria o estímulo às mutilações corporais de jovens e até ao suicídio. O game virou tema de novela e mesmo de operação da Polícia Federal, que prendeu acusados de aliciar crianças e adolescentes por meio do Baleia Azul.

O fato trouxe à tona uma realidade comum: a ocorrência do assédio virtual, também chamado de cyberbullying. O debate sobre o delicado tema é estimulado este mês, no âmbito do Setembro Amarelo, para sensibilizar a sociedade para a prevenção ao suicídio.

Além do jogo, casos como o do jovem americano Tyler Clementi, de 18 anos, que se suicidou após ter fotos íntimas divulgadas pelo colega de dormitório, e da britânica Hannah Smith, de 14 anos, que se matou após receber ofensas na rede, têm chamado a atenção de pesquisadores e instituições públicas.

Segundo o integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (GEPeSP), Pablo Nunes, não há estudos confiáveis que comprovem a ligação direta entre crescimento do número de suicídios e ataques nas redes sociais. No entanto, indícios dessa relação pedem atenção ao ambiente online.

“O fato é que a popularização da internet tem propiciado a circulação de informações sobre métodos de se suicidar e a proliferação de grupos de pessoas em sofrimento. Nesses grupos, os participantes discutem meios, lugares e 'encorajam' uns aos outros. No caso da automutilação, são centenas as páginas e grupos dedicados. Em muitas escolas o fenômeno já virou problema sério”, explica Pablo Nunes.

Além disso, o pesquisador destaca que o anonimato faz das mídias sociais um ambiente favorável para ataques.

Segundo o Safernet, organização não governamental (ONG) que recebe denúncias sobre crimes que ocorrem na internet, em 2016, 39,4 mil páginas da internet foram denunciadas por violações de direitos humanos, que incluem conteúdos racistas, de incitação à violência, que contém pornografia infantil, etc.

A ONG, que também oferece apoio às vítimas de crimes que ocorrem na internet, registrou no ano passado 312 pedidos de orientação e auxílio relacionados à intimidação ou discriminação na rede. A mesma quantidade de solicitações de apoio às vítimas do vazamento de fotos e vídeos íntimos, prática conhecida como sexting, foi registrada. Foi a primeira vez que o cyberbullying ocupou o primeiro lugar no ranking dos motivos que levaram a pedidos de ajuda. Já 128 casos relataram sofrimento devido a conteúdos de ódio e violência.

Ataques virtuais

A consultora em políticas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) e Direitos Humanos Evelyn Silva, de 43 anos, foi diagnosticada com depressão severa há mais de dez anos. Desde julho, a situação piorou depois que sofreu uma série de ataques na rede. Colunista de um site feminista, ela escreveu um texto sobre problemas recorrentes em relações entre lésbicas e bissexuais. A repercussão do texto veio junto a diversas mensagens violentas.

“O tema é polêmico, mas foi muito mais do que isso. Eu recebi mensagens de violência muito complicadas, de pessoas que eu não conheço, a maior parte da mensagem tinha cunho lesbofóbico. Chegaram a ameaçar a revista porque ela estaria dando guarida para uma 'bifóbica'”, relata a militante de direitos LGBT, que já havia sofrido ameaças de morte e “estupro corretivo” nas redes vindas dos chamados haters, pessoas que postam comentários de ódio na internet.

“É ódio puro. As pessoas não têm a menor ideia de quem você é, mas elas estão ali colocando para fora uma opinião que elas nunca expressariam pessoalmente”.

Muitas mensagens evidenciavam que as pessoas não haviam lido o texto, pois faziam referência a temas não abordados nele. Evelyn também foi alvo de uma série de pedidos de bloqueio no Facebook, que acabou suspendendo sua conta por 24 horas e, depois, por 72 horas. Apesar de ter buscado explicar a situação à empresa, não obteve nenhuma resposta.

Depois dos ataques, Evelyn decidiu se afastar das redes sociais, o que não impediu, entretanto, que ela enfrentasse crises de transtorno de ansiedade e pânico, o que dificultaram atividades básicas como trabalhar e sair de casa. “Bati no fundo do poço”, afirma.

Monitoramento dos parentes

Evelyn revela que outros problemas ajudaram a reforçar o quadro de doenças e que ela chegou a pensar em cometer suicídio. Para evitá-lo, ela passa por um tratamento com monitoramento, uma técnica que envolve a presença constante e acolhedora de uma rede de amigos e parentes.

A consultora acredita que falar e expor a situação é importante para quebrar o tabu sobre o tema. A opinião é compartilhada por Pablo Nunes. “Preferir manter o suicídio no desconhecimento auxilia na manutenção do tabu, sendo mais difícil traçar ações de prevenção e sensibilização”.

O pesquisador explica que uma cobertura responsável da mídia, em vez de produzir o temido efeito de contágio, é considerada importante pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que oferece manuais e treinamento para jornalistas sobre como reportar casos.

Ao falar sobre suicídio, é preciso que também sejam apontados mecanismos de prevenção.

No ambiente da rede, isso começa com a adoção de mecanismos de proteção, como uso de aplicativos seguros para compartilhamento de fotos íntimas para pessoas conhecidas; cuidados com senhas; denúncias de agressores; busca de delegacias especializadas, quando necessário, e, principalmente, informação.

“Um adolescente que sabe como funciona determinado aplicativo, que entende as questões relacionadas ao anonimato e enxergue os potenciais prejuízos de um vazamento de informações pessoais possa ter, será um indivíduo que certamente prevenirá que situações como essas aconteçam”, defende o pesquisador.

O Artigo original poderá ser acessado por meio do link abaixo:


Que Deus abençoa e todos,
Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

O DISCIPULADO CRISTÃO - SERMÃO 003/004 – COMUNHÃO E INTERDEPENDÊNCIA


Imagem relacionada

Nossa série acerca do Discipulado Cristão irá apresentar os elementos fundamentais para uma vida cristã que agrada a Deus e que realmente vale a pena ser vivida. Infelizmente, o discipulado cristão tem sido esquecido e completamente abandonado pela vasta maioria do povo chamado cristão, que prefere trocar o seguir a Cristo por frequentar cultos de cura, de libertação e de prosperidade e também cultos que não passam de verdadeiro entretenimento puro e simples. Precisamos retornar, com urgência, ao verdadeiro chamado do que significa ser um verdadeiro seguidor de Jesus Cristo. Que Deus abençoe a todos à medida que acompanham e compartilham esses estudos uns com os outros.


VIVENDO A VIDA COMUM DOS SANTOS DE DEUS

Texto: Romanos 12:5.  
Introdução.

A. Nosso propósito nesta série é incentivar a comunidade a deixar de ser um grupo de seguidores ocasionais do Senhor Jesus até nos tornarmos em um corpo de verdadeiros discípulos de Jesus nos moldes do chamado feito por Jesus em —
Marcos 8:34—35
Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salvá-la-á.
B. Temos que nos lembrar, todavia, que nesta caminhada não estamos sós, Jesus nos prometeu:
Mateus 28:20
Eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.
C. Além do mais, Jesus também nos deixou na companhia uns dos outros e nos ordenou dizendo que:
João 13:34
Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros.
D. Aqui está a única maneira que existe para provarmos ao mundo e para as pessoas ao nosso redor que somo verdadeiros discípulos de Jesus: amor, verdadeiro amor de uns aos outros. Foi o próprio Senhor quem disse:
João 13:35
Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.
E. Para entendermos as implicações contidas no mandamento que Jesus nos deu que devemos amar uns aos outros, nós precisamos entender aquilo que o Novo Testamento ensina acerca de

COMUNHÃO e INTERDEPENDÊNCIA
Introdução.
A. Quando aceitamos a Jesus como nosso Senhor e Salvador nós somos unidos ao Senhor pela ação do Espírito Santo e passamos a fazer parte daquilo que o Novo Testamento chama de Corpo de Cristo que Sua Igreja:
1 Coríntios 12:13
Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito.
1 Coríntios 12:27
Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.
B. Mas além de nos unir com Jesus, a ação do Espírito Santo também nos une uns aos outros:
Romanos 12:5
Assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros.
C. Essa nossa união com Cristo e uns com os outros é, como dissemos, fruto da ação do Espírito Santo.
D. Mas é nossa obrigação cuidarmos para que esta união espiritual seja preservada —
Efésios 4:3
Esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz.
E. Para melhor compreender nossa responsabilidade nessa questão, envolvendo a união que temos, porque estamos todos em Cristo, nós precisamos entender o significado Bíblico da “Comunhão Cristã”.
I. A Primeira Grande Implicação de Estarmos Unidos com Cristo e Unidos Uns aos Outros é: Comunhão.
A. A Palavra grega usada para se referir a comunhão é κοινωνία koinonía.
B. Mas qual é o significado do termo grego que é traduzido por comunhão em português?
C. É mais fácil exemplificar do que definir o significado da expressão κοινωνία koinonía.
1. No Novo Testamento:
A etimologia da Palavra é: Qualidade daquilo que é comum, daquilo que pode ser compartilhado e, em que todas as pessoas envolvidas podem participar.
2. Partindo desta compreensão, o Novo Testamento usa Comunhão para descrever três coisas a saber:
Comunhão Implica Nas Seguintes Verdades.

a. Compartilhar e repartir bens materiais e, até mesmo dinheiro, visando satisfazer as necessidades de outras pessoas; uma doação ou oferta.

Romanos 15:26

2 Coríntios 8:4

2 Coríntios 9:13

Hebreus 13:6

b. Uma associação íntima e pessoal entre os crentes e Deus e, entre crentes e crentes.

1 Coríntios 1:9

2 Coríntios 13:13

Gálatas 2:9

Filipenses 2:1

1 João 1:3, 6 - 7

c. União na participação ou compartilhar no serviço de pregação do evangelho, no sofrimento e em diversas outras atividades comuns ao povo de Deus.

Atos 2:42

1 Coríntios 10:16(2x)

2 Coríntios 6:14

Filipenses 1:5

Filipenses 3:10

Filemon 6

II. A Segunda Grande Implicação de Estarmos Unidos com Cristo e Unidos Uns aos Outros é: Interdependência.

Não Existe Vida Cristã Independente da Convivência com Outros Irmãos.

A. Dependemos uns dos outros, porque precisamos dos talentos que Deus mesmo tem concedido a todo o Seu povo.

B. Todo cristão possui pelo menos um dom e este dom precisa ser exercitado em benefício de todo o corpo de Cristo — a igreja local onde o crente participa —

1 Pedro 4:10

Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.

C. O texto de 1 Pedro 4:10 possui duas implicações importantes:

1. Em primeiro lugar, o dom concedido por Deus precisa ser exercitado em SERVIÇO a favor dos outros crentes. Seremos uma comunidade eternamente capenga enquanto dependermos de uma meia dúzia de irmãos e irmãs para fazerem todo o serviço, enquanto a grande maioria não passa de meros expectadores.

2. Em segundo lugar nós temos a obrigação de agir como bons despenseiros da graça de Deus. Essas palavras de Pedro fazem referência ao ensinamento do Senhor Jesus relativo à parábola dos talentos – ver Mateus 25:13—30. Como é que você tem administrado o talento ou talentos que recebeu de Deus? Como servo bom e fiel ou como servo mau e negligente. Note que o servo mau e negligente da parábola contada por Jesus não perdeu o talento recebido. Ele foi caracterizado como:

a. Πονηρὲ ponirè — mau. Essa é a mesma palavra que é usada em outros lugares do Novo Testamento para fazer referência ao próprio diabo que é a personificação do mal — João 17:15.

b. ὀκνηρέ okniré — negligente no sentido de lento ou indolente. Descreve uma pessoa que “anda para trás”.

A Importância da Glória de Deus ou da Glorificação de Deus.

A. O alvo supremo da vida do cristão, individualmente e, da comunidade cristã como coletividade, é somente um e o mesmo: produzir ou causar a Glorificação da Pessoa e do nome de Deus.

B. Deus é glorificado quando a Igreja manifesta:

1. Genuíno amor corporativo —

João 13:34—35

34 Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros.

35 Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.

2. Unidade entre os crentes —

João 17:20—23

20 Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra;

21 a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste.

22 Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos;

23 eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim.

3. Aumento constante na capacidade de imitar ou se parecer cada vez mais com o próprio Senhor Jesus —

2 Coríntios 3:17—18

17 Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.

18 E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.

Efésios 4:11—14

11 E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres,

12 com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo,

13 Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo,

14 para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro.

4. Capacidade efetiva de ministrar tanto para a própria Igreja—edificação espiritual—quanto para o mundo—evangelismo. A Igreja se reúne para se edificar e, a Igreja se espalha para evangelizar — ver Mateus 28:18—20 e Efésios 4:11—16.

Mateus 28:18—20

18 Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.

19 Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;

20 ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.

5. Adoração e Louvor produzidos por pessoas unidas de verdade —

Romanos 15:5—6

5 Ora, o Deus da paciência e da consolação vos conceda o mesmo sentir de uns para com os outros, segundo Cristo Jesus,


6 para que concordemente e a uma voz glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.

Conclusão:

A. Temos chamado essa série presente de mensagens de: “Discipulado Cristão”.

B. Quanto lemos o Novo Testamento percebemos que existem duas idéias fundamentais que devem nortear o povo de Deus. Elas são:

1. Comunhão. Esta palavra implica:

a. Compartilhar e repartir bens materiais e mesmo dinheiro visando satisfazer as necessidades de outras pessoas.

b. Uma associação íntima e pessoal entre os crentes e Deus e entre crentes e crentes.

c. União na participação ou compartilhar no serviço de pregação do evangelho, no sofrimento e em diversas outras atividades comuns ao povo de Deus.

2. Interdependência — Precisamos e dependemos uns dos outros se queremos ser, de verdade, aquilo que Deus mesmo deseja que sejamos: Igreja ou Corpo de Cristo.

3. São estes conceitos de comunhão e interdependência que produzem a atmosfera de amor que é tão essencial para tornar efetivo tudo o que a Igreja faz.

4. São eles também que nos facultam a oportunidade de participarmos de forma efetiva no ministério corporativo da Igreja. Cada crente deve fazer sua parte, tanto na edificação do Corpo de Cristo, quanto na evangelização dos perdidos.

Que Deus assim nos ajude a bem viver a vida comum que nos tem concedido. Amém.

OUTROS ESTUDOS ACERCA DA SÉRIE “O DISCIPULADO CRISTÃO”

ESTUDO 001 — O CUSTO DO DISCIPULADO

ESTUDO 002 — UMA PROPOSTA DE VIDA
Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.