sexta-feira, 31 de outubro de 2014

AS 95 TESES DE LUTERO — PARA AJUDAR A ENTENDER A REFORMA PROTESTANTE


O ato simples de afixar 95 Teses na porta da catedral do castelo de Wittenberg, convidando as pessoas para um debate público acerca das mesmas, pelo então monge agostiniano Martinho Lutero marcaram o início do que seria a Reforma Protestante. A data foi 31 de Outubro de 1517 e, portanto, está completando hoje, 497 anos.

Os antecedentes

Cobrança de indulgências

No início do século XVI, a Igreja Católica adotava certas ações muito abusivas e que tinham como único intuito satisfazer o interesse de alguns clérigos, e principalmente do papa, interessado em levantar fundos para a obra monumental representada pela construção da basílica dedicada a Pedro. Uma dessas práticas impróprias realizadas por tais católicos era a venda de indulgências. As indulgências são uma invenção da Igreja Católica Romana que possibilita que os fieis paguem por seus próprios pecados através de penitências, mas o que estava acontecendo era a pura e simples venda de bênçãos, algo que continua até os dias de hoje e que também está largamente adotado pelas igrejas chamadas evangélicas. Desse modo, as pessoas são levadas a fazer contribuições financeiras, seja para obter o perdão dos pecados, seja para alcançar alguma bênção desejada.

Martinho Lutero

Entre os anos de 1516 e 1517, Marinho Lutero pregou três sermões atacando a prática da venda das indulgências. Mas, sua reação contrário a tal prática, culminou com seu singelo gesto de afixar noventa e cinco teses contrárias a tal prática e convocar todos para um debate público acerca das mesmas. Isso foi feito no dia 31 de Outubro de 1517 nas portas catedral que era parte do complexo do castelo de Wittenberg, na Alemanha. Além das indulgências as teses tratavam também de outras questões relacionadas ao papado, às penitências bem como à salvação eterna das almas.


Para Lutero a cobrança pelas indulgências era uma prática comparada com práticas pagãs e que expunham a ganância de certas autoridades da Igreja Romana.  

Em apenas duas semanas as teses já estavam traduzidas para outras línguas e cópias das mesmas alcançaram grande circulação. Bastaram dois meses para que as mesmas já estivessem em circulação por toda a Europa. A reação da Igreja Romana, como já se esperava foi dura e arrogante. Lutero foi acusado de ser apenas um monge beberão e que não tinha noção do que escrevia. A batalha entre Lutero e a Igreja Romana culminou com sua excomunhão em 1521. Como Roma fazia parte do Sacro Império Romano Germânico, o Imperado Carlos I também passou a considerar Lutero como alguém fora da lei.

Esse simples gesto, de pregar 95 teses na porta da igreja e ver as mesmas atingirem toda a Europa em apenas dois meses, foi o elemento chave usado pelo próprio Deus para dar início a um profundo movimento de  reforma no seio da Igreja Romana que ficou conhecido como a REFORMA PROTESTANTE DO SÉCULO XVII


Abaixo apresentamos uma cópia em português das 95 teses de Lutero, muito faladas, mas pouco lidas tanto pelos reformados quanto por outros grupos chamados cristãos.

O material abaixo foi publicado pelo Igreja Evangélica da Confissão Luterana no Brasil

Debate para o Esclarecimento do Valor das Indulgências pelo Doutor

Martinho Lutero

31 de outubro de 1517

Por amor à verdade e no empenho de elucidá-la, discutir-se-á o seguinte em
Wittenberg, sob a presidência do Reverendo Padre Martinho Lutero, mestre de
Artes e de Santa Teologia e professor catedrático desta última, naquela
localidade. Por esta razão, ele solicita que os que não puderem estar presentes e
debater conosco oralmente o façam por escrito.

Em nome do nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

1. Ao dizer: "Fazei penitência", etc. [Mt 4.17], o nosso Senhor e Mestre Jesus
Cristo quis que toda a vida dos fiéis fosse penitência.

2. Esta penitência não pode ser entendida como penitência sacramental, isto é,
da confissão e satisfação celebrada pelo ministério dos sacerdotes.

3. No entanto, ela não se refere apenas a uma penitência interior; sim, a
penitência interior seria nula, se, externamente, não produzisse toda sorte de
mortificação da carne.

4. Por conseqüência, a pena perdura enquanto persiste o ódio de si mesmo (isto
é a verdadeira penitência interior), ou seja, até a entrada do reino dos céus.

5. O papa não quer nem pode dispensar de quaisquer penas senão daquelas que
impôs por decisão própria ou dos cânones.

6. O papa não pode remitir culpa alguma senão declarando e confirmando que ela
foi perdoada por Deus, ou, sem dúvida, remitindo-a nos casos reservados para si;
se estes forem desprezados, a culpa permanecerá por inteiro.

7. Deus não perdoa a culpa de qualquer pessoa sem, ao mesmo tempo, sujeitá-la,
em tudo humilhada, ao sacerdote, seu vigário.

8. Os cânones penitenciais são impostos apenas aos vivos; segundo os mesmos
cânones, nada deve ser imposto aos moribundos.

9. Por isso, o Espírito Santo nos beneficia através do papa quando este, em seus
decretos, sempre exclui a circunstância da morte e da necessidade.

10. Agem mal e sem conhecimento de causa aqueles sacerdotes que reservam
aos moribundos penitências canônicas para o purgatório.

11. Essa erva daninha de transformar a pena canônica em pena do purgatório
parece ter sido semeada enquanto os bispos certamente dormiam.

12. Antigamente se impunham as penas canônicas não depois, mas antes da
absolvição, como verificação da verdadeira contrição.

13. Através da morte, os moribundos pagam tudo e já estão mortos para as leis
canônicas, tendo, por direito, isenção das mesmas.

14. Saúde ou amor imperfeito no moribundo necessariamente traz consigo
grande temor, e tanto mais, quanto menor for o amor.

15. Este temor e horror por si sós já bastam (para não falar de outras coisas)
para produzir a pena do purgatório, uma vez que estão próximos do horror do
desespero.

16. Inferno, purgatório e céu parecem diferir da mesma forma que o desespero, o
semidesespero e a segurança.

17. Parece desnecessário, para as almas no purgatório, que o horror diminua na
medida em que cresce o amor.

18. Parece não ter sido provado, nem por meio de argumentos racionais nem da
Escritura, que elas se encontram fora do estado de mérito ou de crescimento no
amor.

19. Também parece não ter sido provado que as almas no purgatório estejam
certas de sua bem-aventurança, ao menos não todas, mesmo que nós, de nossa
parte, tenhamos plena certeza.

20. Portanto, sob remissão plena de todas as penas, o papa não entende
simplesmente todas, mas somente aquelas que ele mesmo impôs.

21. Erram, portanto, os pregadores de indulgências que afirmam que a pessoa é
absolvida de toda pena e salva pelas indulgências do papa.

22. Com efeito, ele não dispensa as almas no purgatório de uma única pena que,
segundo os cânones, elas deveriam ter pago nesta vida.

23. Se é que se pode dar algum perdão de todas as penas a alguém, ele,
certamente, só é dado aos mais perfeitos, isto é, pouquíssimos.

24. Por isso, a maior parte do povo está sendo necessariamente ludibriada por
essa magnífica e indistinta promessa de absolvição da pena.

25. O mesmo poder que o papa tem sobre o purgatório de modo geral, qualquer
bispo e cura tem em sua diocese e paróquia em particular.

26. O papa faz muito bem ao dar remissão às almas não pelo poder das chaves
(que ele não tem), mas por meio de intercessão.

27. Pregam doutrina humana os que dizem que, tão logo tilintar a moeda lançada
na caixa, a alma sairá voando [do purgatório para o céu].

28. Certo é que, ao tilintar a moeda na caixa, podem aumentar o lucro e a
cobiça; a intercessão da Igreja, porém, depende apenas da vontade de Deus.

29. E quem é que sabe se todas as almas no purgatório querem ser resgatadas?
Dizem que este não foi o caso com S. Severino e S. Pascoal.

30. Ninguém tem certeza da veracidade de sua contrição, muito menos de haver
conseguido plena remissão.

31. Tão raro como quem é penitente de verdade é quem adquire autenticamente
as indulgências, ou seja, é raríssimo.

32. Serão condenados em eternidade, juntamente com seus mestres, aqueles
que se julgam seguros de sua salvação através de carta de indulgência.

33. Deve-se ter muita cautela com aqueles que dizem serem as indulgências do
papa aquela inestimável dádiva de Deus através da qual a pessoa é reconciliada
com Deus.

34. Pois aquelas graças das indulgências se referem somente às penas de
satisfação sacramental, determinadas por seres humanos.

35. Não pregam de forma cristã os que ensinam não ser necessária a contrição
àqueles que querem resgatar ou adquirir breves confessionais.

36. Qualquer cristão verdadeiramente arrependido tem direito à remissão pela de
pena e culpa, mesmo sem carta de indulgência.

37. Qualquer cristão verdadeiro, seja vivo, seja morto, tem participação em todos
os bens de Cristo e da Igreja, por dádiva de Deus, mesmo sem carta de
indulgência.

38. Mesmo assim, a remissão e participação do papa de forma alguma devem ser
desprezadas, porque (como disse) constituem declaração do perdão divino.

39. Até mesmo para os mais doutos teólogos é dificílimo exaltar perante o povo
ao mesmo tempo, a liberdade das indulgências e a verdadeira contrição.

40. A verdadeira contrição procura e ama as penas, ao passo que a abundância
das indulgências as afrouxa e faz odiá-las, pelo menos dando ocasião para tanto.

41. Deve-se pregar com muita cautela sobre as indulgências apostólicas, para
que o povo não as julgue erroneamente como preferíveis às demais boas obras
do amor.

42. Deve-se ensinar aos cristãos que não é pensamento do papa que a compra
de indulgências possa, de alguma forma, ser comparada com as obras de
misericórdia.

43. Deve-se ensinar aos cristãos que, dando ao pobre ou emprestando ao
necessitado, procedem melhor do que se comprassem indulgências.

44. Ocorre que através da obra de amor cresce o amor e a pessoa se torna
melhor, ao passo que com as indulgências ela não se torna melhor, mas apenas
mais livre da pena.

45. Deve-se ensinar aos cristãos que quem vê um carente e o negligencia para
gastar com indulgências obtém para si não as indulgências do papa, mas a ira de
Deus.

46. Deve-se ensinar aos cristãos que, se não tiverem bens em abundância,
devem conservar o que é necessário para sua casa e de forma alguma
desperdiçar dinheiro com indulgência.

47. Deve-se ensinar aos cristãos que a compra de indulgências é livre e não
constitui obrigação.

48. Deve-se ensinar aos cristãos que, ao conceder indulgências, o papa, assim
como mais necessita, da mesma forma mais deseja uma oração devota a seu
favor do que o dinheiro que se está pronto a pagar.

49. Deve-se ensinar aos cristãos que as indulgências do papa são úteis se não
depositam sua confiança nelas, porém, extremamente prejudiciais se perdem o
temor de Deus por causa delas.

50. Deve-se ensinar aos cristãos que, se o papa soubesse das exações dos
pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a
edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.

51. Deve-se ensinar aos cristãos que o papa estaria disposto - como é seu dever
- a dar do seu dinheiro àqueles muitos de quem alguns pregadores de
indulgências extraem ardilosamente o dinheiro, mesmo que para isto fosse
necessário vender a Basílica de S. Pedro.

52. Vã é a confiança na salvação por meio de cartas de indulgências, mesmo que
o comissário ou até mesmo o próprio papa desse sua alma como garantia pelas
mesmas.

53. São inimigos de Cristo e do papa aqueles que, por causa da pregação de
indulgências, fazem calar por inteiro a palavra de Deus nas demais igrejas.

54. Ofende-se a palavra de Deus quando, em um mesmo sermão, se dedica tanto
ou mais tempo às indulgências do que a ela.

55. A atitude do papa é necessariamente esta: se as indulgências (que são o
menos importante) são celebradas com um toque de sino, uma procissão e uma
cerimônia, o Evangelho (que é o mais importante) deve ser anunciado com uma
centena de sinos, procissões e cerimônias.

56. Os tesouros da Igreja, dos quais o papa concede as indulgências, não são
suficientemente mencionados nem conhecidos entre o povo de Cristo.

57. É evidente que eles, certamente, não são de natureza temporal, visto que
muitos pregadores não os distribuem tão facilmente, mas apenas os ajuntam.

58. Eles tampouco são os méritos de Cristo e dos santos, pois estes sempre
operam, sem o papa, a graça do ser humano interior e a cruz, a morte e o inferno
do ser humano exterior.

59. S. Lourenço disse que os pobres da Igreja são os tesouros da mesma,
empregando, no entanto, a palavra como era usada em sua época.

60. É sem temeridade que dizemos que as chaves da Igreja, que lhe foram
proporcionadas pelo mérito de Cristo, constituem este tesouro.

61. Pois está claro que, para a remissão das penas e dos casos, o poder do papa
por si só é suficiente.

62. O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da glória e da graça
de Deus.

63. Este tesouro, entretanto, é o mais odiado, e com razão, porque faz com que
os primeiros sejam os últimos.

64. Em contrapartida, o tesouro das indulgências é o mais benquisto, e com
razão, pois faz dos últimos os primeiros.

65. Por esta razão, os tesouros do Evangelho são as redes com que outrora se
pescavam homens possuidores de riquezas.

66. Os tesouros das indulgências, por sua vez, são as redes com que hoje se
pesca a riqueza dos homens.

67. As indulgências apregoadas pelos seus vendedores como as maiores graças
realmente podem ser entendidas como tal, na medida em que dão boa renda.

68. Entretanto, na verdade, elas são as graças mais ínfimas em comparação com
a graça de Deus e a piedade na cruz.

69. Os bispos e curas têm a obrigação de admitir com toda a reverência os
comissários de indulgências apostólicas.

70. Têm, porém, a obrigação ainda maior de observar com os dois olhos e atentar
com ambos os ouvidos para que esses comissários não preguem os seus próprios
sonhos em lugar do que lhes foi incumbido pelo papa.

71. Seja excomungado e maldito quem falar contra a verdade das indulgências
apostólicas.

72. Seja bendito, porém, quem ficar alerta contra a devassidão e licenciosidade
das palavras de um pregador de indulgências.

73. Assim como o papa, com razão, fulmina aqueles que, de qualquer forma,
procuram defraudar o comércio de indulgências,

74. Muito mais deseja fulminar aqueles que, a pretexto das indulgências,
procuram defraudar a santa caridade e verdade.

75. A opinião de que as indulgências papais são tão eficazes ao ponto de poderem
absolver um homem mesmo que tivesse violentado a mãe de Deus, caso isso
fosse possível, é loucura.

76. Afirmamos, pelo contrário, que as indulgências papais não podem anular
sequer o menor dos pecados veniais no que se refere à sua culpa.

77. A afirmação de que nem mesmo S. Pedro, caso fosse o papa atualmente,
poderia conceder maiores graças é blasfêmia contra São Pedro e o papa.

78. Afirmamos, ao contrário, que também este, assim como qualquer papa, tem
graças maiores, quais sejam, o Evangelho, os poderes, os dons de curar, etc.,
como está escrito em 1 Co 12.

79. É blasfêmia dizer que a cruz com as armas do papa, insignemente erguida,
equivale à cruz de Cristo.

80. Terão que prestar contas os bispos, curas e teólogos que permitem que
semelhantes conversas sejam difundidas entre o povo.

81. Essa licenciosa pregação de indulgências faz com que não seja fácil, nem para
os homens doutos, defender a dignidade do papa contra calúnias ou perguntas,
sem dúvida argutas, dos leigos.

82. Por exemplo: por que o papa não evacua o purgatório por causa do
santíssimo amor e da extrema necessidade das almas - o que seria a mais justa
de todas as causas -, se redime um número infinito de almas por causa do
funestíssimo dinheiro para a construção da basílica - que é uma causa tão
insignificante?

83. Do mesmo modo: por que se mantêm as exéquias e os aniversários dos
falecidos e por que ele não restitui ou permite que se recebam de volta as
doações efetuadas em favor deles, visto que já não é justo orar pelos redimidos?

84. Do mesmo modo: que nova piedade de Deus e do papa é essa: por causa do
dinheiro, permitem ao ímpio e inimigo redimir uma alma piedosa e amiga de
Deus, porém não a redimem por causa da necessidade da mesma alma piedosa e
dileta, por amor gratuito?

85. Do mesmo modo: por que os cânones penitenciais - de fato e por desuso já
há muito revogados e mortos - ainda assim são redimidos com dinheiro, pela
concessão de indulgências, como se ainda estivessem em pleno vigor?

86. Do mesmo modo: por que o papa, cuja fortuna hoje é maior do que a dos
mais ricos Crassos, não constrói com seu próprio dinheiro ao menos esta uma
basílica de São Pedro, ao invés de fazê-lo com o dinheiro dos pobres fiéis?

87. Do mesmo modo: o que é que o papa perdoa e concede àqueles que, pela
contrição perfeita, têm direito à remissão e participação plenária?

88. Do mesmo modo: que benefício maior se poderia proporcionar à Igreja do
que se o papa, assim como agora o faz uma vez, da mesma forma concedesse
essas remissões e participações 100 vezes ao dia a qualquer dos fiéis?

89. Já que, com as indulgências, o papa procura mais a salvação das almas do o
dinheiro, por que suspende as cartas e indulgências outrora já concedidas, se são
igualmente eficazes?

90. Reprimir esses argumentos muito perspicazes dos leigos somente pela força,
sem refutá-los apresentando razões, significa expor a Igreja e o papa à zombaria
dos inimigos e desgraçar os cristãos.

91. Se, portanto, as indulgências fossem pregadas em conformidade com o
espírito e a opinião do papa, todas essas objeções poderiam ser facilmente
respondidas e nem mesmo teriam surgido.

92. Fora, pois, com todos esses profetas que dizem ao povo de Cristo: "Paz, paz!"
sem que haja paz!

93. Que prosperem todos os profetas que dizem ao povo de Cristo: "Cruz! Cruz!"
sem que haja cruz!

94. Devem-se exortar os cristãos a que se esforcem por seguir a Cristo, seu
cabeça, através das penas, da morte e do inferno;

95. E, assim, a que confiem que entrarão no céu antes através de muitas
tribulações do que pela segurança da paz

Que Deus Abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.



    

SALMO 1:4 - O SER HUMANO FELIZ - OS ÍMPIOS SÃO COMO A PALHA - SERMÃO 005 –


Esse artigo é parte da série onde expomos o Salmo 1 e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nesse Salmo, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará um link para o estudo posterior.

Texto: Salmo 1:4  
Introdução.

A. Quando lemos o Salmo 1 nós encontramos, claramente descritos, dois tipos de Pessoas:   
B. Em primeiro lugar temos aqueles que são chamados de אַשְׁרֵי `esherey — Bem-Aventurados. 
C. Esses bem aventurados são caracterizados pelo seguinte: 
1. Eles não andam nos conselhos dos ímpios. 
2. Eles não se detêm no caminho dos pecadores 
3. Eles não se assentam na roda dos escarnecedores. 
4. O prazer dos Bem-Aventurados está na Lei do Senhor — na Bíblia Sagrada — e é nessa Palavra divina e eterna que meditam de dia e de noite. 
5. Eles são como árvores plantadas pelo próprio Deus, que cuida delas e cuida para que produzam, no tempo apropriado, os frutos que devem produzir.
 6.Hoje vamos começar a falar daquelas pessoas que são o oposto dos Bem-Aventurados. 
7. Eles são caracterizados, apenas nesse salmo 1, pelos seguintes nomes. 
רְשָׁעִים — resha`iym — perverso, alguém hostil a Deus, criminoso – traduzido aqui como ímpio. 
חַטָּאִים  — Chatta`iym — pecadores, ofensores, expostos à condenação. 
לֵצִים  — letsiym — aquele que escarnece, que despreza e fala de forma arrogante 
D. Hoje queremos analisar as afirmações do Salmista contidas nos Salmos 1:4 acerca desses chamados de.
OS ÍMPIOS

I. Os Ímpios e o Bem-Aventurados São Totalmente Diferentes. 
A. Os ímpios e os Bem-Aventurados não são nem semelhantes, nem parecidos, nem iguais etc. Eles ao diferentes em tudo. 
B. A analogia que lemos na mensagem passada retirada de Jeremias 17:5—10 nos diz no verso 6 como os ímpios são diferentes dos Bem-Aventurados. Enquanto esses são como a descrição que encontramos em 
Salmos 1:3 
Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido. 
O profeta Jeremias descreve os ímpios da seguinte maneira: 
Jeremias 17:6 
Porque será como o arbusto solitário no deserto e não verá quando vier o bem; antes, morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável.  
C. Note que enquanto um é uma árvore, o outro não passa de um arbusto. 
D. Enquanto um está plantado junto à corrente de águas, o outro habita em lugares secos do deserto. 
E. Enquanto um produz fruto e a folhagem não murcha, o outro habita em lugares solitários e não verá o bem, pois habita numa terra salgada.
F. Como dissemos: eles são totalmente diferentes.

II. Os Ímpios São Como a Palha
A. A expressão hebraica é bastante enfática: os ímpios são como מֹּץ mots — palha que representa o cúmulo daquilo que não tem peso nem raiz, nem utilidade. O livro de Juízes descreve bem esse tipo de pessoa: 
Juízes 9:4 
E deram-lhe setenta peças de prata, da casa de Baal-Berite, com as quais alugou Abimeleque uns homens levianos e atrevidos, que o seguiram. É como o texto diz. 
São pessoas levianas sem verdadeira utilidade. 
B. Os ímpios são tão inúteis que só estão vivos sobre o mundo por causa dos Bem-Aventurados. Como Deus promete nos preservar ele estende sua graça sobre os ímpios também, como disse o próprio Jesus em 
Mateus 5:45 
Vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.    
 C. A ideia da palha está intimamente relacionada com a ideia do trigo   
1. Enquanto o ramo de trigo está descansando no celeiro a palha desfruta dos privilégios do próprio trigo. 
2. Mas assim que o trigo é separado da palha, por causa da sua utilidade, a inutilidade da palha fica completamente exposta. Serve apenas para ser espalhada pelo vento ou pior, ser queimada pelo fogo. 
3. Isso nos lembra da história de Noé e de Ló. Assim que Noé entrou na arca o dilúvio desabou. Tão logo Ló entrou pelo portão da pequenina cidade de Zoar a Bíblia nos diz em 
Gênesis 19:24 
Então, fez o SENHOR chover enxofre e fogo, da parte do SENHOR, sobre Sodoma e Gomorra. 
III. Os Ímpios São Dispersos Pelo Vento. 
A. Essa expressão תִּדְּפֶנּוּ tiddepennu —, traduzida por “vento dispersa”, como tudo nesse verso, nos fala da veemente tempestade da morte a que os ímpios estão sujeitos. A morte, normalmente, vem sobre eles de modo arrebatador. Sem nenhuma possibilidade de uma segunda chance.
 B. Esses ímpios só querem saber de andar segundo seus próprios conselhos. Eles abominam ou detestam a palavra de Deus. 
C. São esses que gostam de ficar parados nos caminhos dos pecadores. 
D. E por fim, eles adoram sentar-se nas portas do inferno, na companhia dos escarnecedores, daqueles que zombam de Deus. 
E. Um triste e desastroso fim aguarda os ímpios, pois eles são sempre arrebatados quando menos esperam. Lembram-se do homem rico e seus tolos planos — 
Lucas 12:16—21 
16 E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. 
17 E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? 
18 E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. 
19 Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. 
20 Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? 
21 Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus.
Conclusão:

A. Enquanto o Bem-Aventurado é abençoado em tudo, o ímpio não é abençoado em nada. Aquele que ignora a Deus sofre as consequências descritas em

Malaquias 2:2

Se o não ouvirdes e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos Exércitos, enviarei sobre vós a maldição e amaldiçoarei as vossas bênçãos; já as tenho amaldiçoado, porque vós não propondes isso no coração.

Note que coisa terrível: a própria bênção do ímpio está amaldiçoada!

B. Os ímpios não têm nenhum interesse na Palavra de Deus e sendo Jesus a Palavra Viva do Deus Vivo, eles também não têm nenhum interesse em conhecer Jesus: sua obra, seu amor, sua morte sobre a cruz, sua ressurreição gloriosa e sua segunda vinda triunfal. Pior para eles! As oportunidades estão aqui e agora. Só precisam ser cridas, mas eles não têm interesse.

C. Afinal de contas, os ímpios têm suas próprias religiões, eles têm sua fé particular, têm seus ídolos e têm até mesmo seus próprios deuses. Porque se incomodar com Jesus e com o Deus único e verdadeiro?

D. João Batista disse o seguinte acerca dessas pessoas de palha:

Mateus 3:12

A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível.

E. Os ímpios são uma mentira, uma farsa, uns inúteis. Alguns deles sanguinários não vivem nem a metade do que deveria ser suas vidas.

F. A morte dos ímpios é apavorante. Os noticiários estão aí para provar isso todos os dias.

G. E você que está aqui, lendo esse material, hoje? Você tem certeza que é Bem-Aventurado? Ou você é como a palha?

H. Hoje é o dia da salvação para você. Se você quiser você pode deixar para trás a vida vazia e inútil e aceitar a Jesus como seu Senhor e Salvador, o qual irá transformar você, exatamente, como ele fez com a água que ele transformou em vinho.

I. Uma transformação completa, profunda e surpreendente. Abra seu coração e pela fé peça para Jesus entrar em sua vida. Foi o próprio Jesus quem prometeu:

Apocalipse 3:20

Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.

 Que Deus abençoe a todos.

OUTRAS MENSAGENS ACERCA DO SALMO 1

001 — Salmos 1:1a — O BEM-AVENTURADO — Salmo 1 — O SER HUMANO FELIZ – SERMÃO 001

002 — Salmos 1:1b — AS COISAS QUE O BEM-AVENTURADO DEVE EVITAR — Salmo 1 — O SER HUMANO FELIZ – SERMÃO 002

003 — Salmos 1:2 — AS COISAS QUE O BEM-AVENTURADO DEVE PRATICAR — Salmo 1 — O SER HUMANO FELIZ – SERMÃO 003

004 — Salmos 1:3 — AS COISAS QUE O BEM-AVENTURADO PRODUZ — Salmo 1 — O SER HUMANO FELIZ – SERMÃO 004

005 — Salmos 1:3 — OS ÍMPIOS SÃO COMO A PALHA— Salmo 1 — O SER HUMANO FELIZ – SERMÃO 005

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.