segunda-feira, 15 de setembro de 2014

PROFETADA ANUNCIA MARINA COMO PRESIDENTA


O material abaixo foi publicado pela revista ÉPOCA e é da autoria de Aline Ribeiro e Ruan de Sousa Gabriel.

“DEUS ME REVELOU QUE MARINA SERÁ A PRÓXIMA PRESIDENTE”, AFIRMA O PASTOR QUE CONVERTEU A CANDIDATA.

O pastor André Salles converteu Marina Silva ao protestantismo (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)

André Salles diz que, em suas orações, Deus mostra a candidata do PSB seguindo por um caminho de luz O pastor André Salles converteu Marina Silva ao protestantismo (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)

ALINE RIBEIRO E RUAN DE SOUSA GABRIEL
O pastor André Salles diz ter recebido, por mais de uma vez durante suas orações, uma revelação divina contundente. A imagem que lhe vem à mente nessas ocasiões de contato com Deus é da ex-senadora Marina Silva, candidata à Presidência da República pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), seguindo em frente por uma trilha repleta de luz. “Vejo o próprio Deus preparando o caminho para ela passar”, afirma. “O Senhor tem esse propósito para a vida dela, de ser presidente do Brasil”. Recém-chegado à igreja neopentecostal Plenitude do Trono de Deus, em São Paulo, Salles foi o responsável pela conversão de Marina ao protestantismo.

Marina foi criada numa família de católicos fervorosos. Com o desejo de se tornar freira, chegou a ser noviça na juventude. A conversão para a igreja evangélica se deu em 1995. Vítima de cinco malárias, uma leishmaniose e uma hepatite, Marina havia acabado de retornar de um tratamento de saúde sem sucesso nos Estados Unidos. Já em Brasília, ouviu do seu médico: “Senadora, a senhora não precisa de um médico. A senhora precisa é de um milagre”. Ele pegou o celular e ligou para um amigo. Era o pastor André Salles, na época um missionário de 20 anos à frente da igreja Assembleia Bíblica da Graça. Marina, incomodada com a reação pouco profissional do médico, mas sem coragem de fazer uma desfeita, escutou a oração. Do outro lado da linha, Salles informou que tinha o dom de revelação do Espírito Santo e passou a descrever, em detalhes, alguém que atrapalhava os rumos de Marina. “O pastor descreveu a cor da pele, o cabelo, os cacoetes dessa pessoa, tudo. Ela era ligada aos grupos que faziam uma oposição ferrenha ao meu trabalho”, disse Marina num vídeo na internet sobre sua conversão. A ex-senadora ficou impressionada com o que ouviu e começou a frequentar os cultos. Tornou-se, em 2004, missionária da Assembleia de Deus.

A antiga igreja de Salles acaba de se fundir com a Plenitude do Trono de Deus, criada em 2006 pelo apóstolo Agenor Duque e pela bispa Ingrid Duque. Amigo dos fundadores, Salles está de mudança para São Paulo para integrar sua equipe. Por ter quadruplicado sua programação na televisão aberta (estão diariamente na Mix TV, da meia-noite ao meio-dia), a igreja agora precisa de reforço. A Plenitude do Trono de Deus tem dez templos espalhados por São Paulo. Sua sede, no Brás, comporta quase sete mil pessoas sentadas. Seu poder de mobilização levou, semanas atrás, o governador Geraldo Alckmin, candidato à reeleição por São Paulo, a um culto de domingo. Assim como outras pentecostais, a Plenitude promove sessões de “cura e libertação” com cenas espetaculosas de exorcismo coletivo no centro do altar. Em geral, fiéis sugestionados pelas luzes e pela música que sobe a cada variação de voz do pastor começam a tremer e gritar em seus lugares, até que são socorridos por obreiros identificados por camisetas pretas com a inscrição: “sexta-feira forte”. As mulheres são arrastadas até o púlpito pelos cabelos; os homens, empurrados pelos braços. No altar, estrebucham, gemem, babam e viram os olhos diante de uma igreja lotada. Só depois são expurgados pelos pastores.

No dia da entrevista de Salles a ÉPOCA, outro pastor que conduzia o culto da tarde entrevistou um casal que se dizia possuído pelo demônio. O homem se dizia capa-preta. A mulher, Lúcifer. Ambos falaram sobre os planos de matar um ao outro. “Se não tivesse vindo aqui hoje, este casal estaria no [programa policial] Cidade Alerta como o próximo crime passional de São Paulo”, disse o pastor, aos gritos. “Agora vocês sabem a importância de dar o dízimo? Quando o pastor pede, ninguém dá. Preciso trazer os demônios aqui na frente para vocês acreditarem na força desta igreja”. Ele então convocou os membros a subirem ao púlpito para doar R$ 50 ou R$ 100, em dinheiro, crédito ou débito. De seus lugares, os fiéis aos poucos abriam os olhos e puxavam suas carteiras em busca de uma nota ou um cartão para levar ao altar.

ÉPOCA – Como o senhor conheceu a ex-senadora Marina Silva?

André Salles – Um amigo nosso, o geriatra Eduardo Gomes de Azevedo, estava cuidando da saúde dela e percebeu que o problema não era só de ordem natural. Foi quando ele me pediu: será que podemos orar pela Marina? Como um bom médico, ele cuidou, mas teve essa sensibilidade de entender que o problema era uma questão espiritual. Foi quando ele colocou a gente em contato. Aí comecei a acompanhá-la em oração. Ela foi sendo fortalecida na fé, passou a aceitar Deus como o senhor da vida dela, foi batizada na nossa igreja. As orações eram presenciais ou à distância, dependia da correria dela.

ÉPOCA – A Marina resistiu de alguma maneira? Porque ela foi criada na Igreja Católica...

Salles – Ela sempre foi uma mulher de muita fé, então foi aberta. Mesmo sendo um meio novo. Em nenhum momento ela foi dura.

ÉPOCA – O senhor curou a Marina?

Salles – Não vou dizer que fui eu, quem curou foi Jesus. Por meio das minhas orações, das orações de outras pessoas também. Chegar hoje e dizer “fui eu” é como trazer a glória para si. E a Bíblia pede que a gente diminua e Jesus cresça. Tudo é para ele, a glória é para ele, a exaltação é para ele. Ela foi curada, graças ao bom Deus.

ÉPOCA – A família da Marina foi resistente?

Salles – Alguns irmãos dela já frequentavam a igreja. Mas algumas pessoas, amigos e familiares acharam que ela estava mudando demais e tal. Sendo uma mulher de fé, tudo que ela faz ela pede uma direção de Deus em oração. Para algumas pessoas, parecia que ela estava ficando louca. Hoje não. Todo mundo a respeita. Vê que é uma pessoa íntegra, honesta, temente a Deus. Ela não faz nada sem buscar uma orientação do Senhor.

ÉPOCA – Ela deixou a sua igreja e mudou para a Assembleia de Deus? Por quê?

Salles – Ela terminou indo na ocasião para a sede da nossa convenção no Distrito Federal, do pastor Sóstenes Apolo, que hoje já dorme no Senhor. Nas eleições de 2010, era mais interessante para ela ficar nesta igreja. As igrejas da Assembleia de Deus têm suas convenções estaduais e uma geral. Nosso pastor presidente, ligado diretamente aos cabeças das estaduais, podia dar apoio a ela, fazer esse tipo de ponte.

ÉPOCA – Como era a Marina na igreja? Ela participava?

Salles – Ela era muito fiel à escola bíblica dominical e também missionária da casa do Senhor. Mas sempre respeitando os limites dela, né? Sempre foi bastante ativa.

ÉPOCA – Vocês perderam o contato quando ela mudou de igreja?

Salles – Não, de maneira alguma. Até porque o propósito é o mesmo, né? Não existe esta divergência, pelo menos da minha parte. Eu não incomodo, né? Por causa da correria dela. Mas tem época em que a gente está muito junto. Ainda oro por ela.

ÉPOCA – Qual foi a última vez que o senhor falou com ela?

Salles – Neste ano, pra falar a verdade, ainda não conversamos. No ano passado, falamos. Foi antes de ela se aliar ao Eduardo Campos. Mas estou sempre orando pra ela. Essas coisas acontecem. Às vezes, a gente está conversando e chega uma revelação, uma palavra por parte de Deus.

ÉPOCA – O que o senhor quer dizer quando diz que teve uma “revelação”?

Salles – Isso é muito da sua sensibilidade com Deus. Tem coisas que você vê realmente, que se apresentam numa visão para você. Tem coisas que você escuta a voz de Deus como quando Deus falou com Samuel. No caso da Marina, vejo um caminho de luz. Literalmente. A Marina seguindo por um caminho de luz. É um caminho de luz e ela caminha para frente.

ÉPOCA – O que tem lá na frente?

Salles – Aí são detalhes do mundo espiritual, que tem seus segredos. Deus abriu isso para todos aqueles que nele creem. E creem em Jesus como Senhor.

ÉPOCA – A Marina tem o dom da revelação?

Salles – Ela é uma mulher que tem a ciência de Deus na palavra. Muito forte. Ela recebe recado de Deus, é uma profetisa. Recebeu esta iluminação. Não acontece toda hora. Mas acontece.

ÉPOCA – O senhor acha que Deus falou com ela sobre a vocação de ser presidente?

Salles – Sim, esta é uma promessa antiga. Ela também recebeu. Por isso, ela tem muita certeza de que vai ser presidente do Brasil. É uma ordem de Deus. Uma providência. Te digo isso sem dúvida.

ÉPOCA – Qual foi a última revelação que o senhor teve sobre a Marina?

Salles – As últimas palavras da parte de Deus é que ele está levando ela por este caminho... Para ela se tornar presidente da República, entendeu? Eu lembro que antes de sair candidata em 2010, o governador do Estado do Acre e algumas pessoas ainda me procuraram dizendo: “pastor, eu queria que ela viesse pelo Estado do Acre, como governadora. Ela está indo por outro caminho e eu não tenho ninguém agora”. Mas a gente via que este era o caminho pelo qual Deus estava conduzindo ela.

ÉPOCA – Esta revelação de que o caminho dela é ser presidente chegou ao senhor mais de uma vez?

Salles – Mais de uma vez. E não só até mim, mas a outros profetas também.

ÉPOCA – O senhor acha que este projeto está perto de se tornar realidade?

Salles – Sim, está próximo. Porque essa é uma nova direção de Deus para o Brasil. Deus tem esse propósito para a vida dela. A gente sabe que as promessas de Deus são baseadas de acordo com o que a Bíblia diz em Deuteronômio, 28: “se atentamente obedeceres à voz do Senhor teu Deus, tendo cuidado de guardar tudo que está escrito, todas estas bênçãos virão sobre ti”. Mas existe o propósito do tempo. Podia ser quatro anos atrás? Podia. Mas, se Deus está preparando para agora, é bom.

ÉPOCA – O senhor acha que a Marina será a próxima presidente do Brasil?

Salles – Sim, eu acredito que sim.

ÉPOCA – O senhor teve alguma revelação neste sentido?

Salles – Vejo Deus abrindo o caminho para ela chegar. É o próprio Deus preparando para ela passar. Deus tem um propósito para o Brasil. Ele entregou esta nação nas mãos do presidente Lula, mas infelizmente o Partido dos Trabalhadores entrou em outro caminho, saiu do propósito. E ninguém é insubstituível. Se você não permanece no propósito, Deus prepara outra pessoa.

ÉPOCA – Como a Marina recebia essas revelações?

Salles – Isso é uma coisa natural. É uma coisa que quando você começa a frequentar a igreja e Deus começa a confirmar certas coisas na sua vida com sentido. Deus não faz nada sem propósito. Tudo tem propósito estabelecido. Então seria hoje fora do propósito chegar até à irmã Marina e dizer: “olha, Deus não tem nada com você na política”. Isso não tem sentido. O que Deus tem para ela é nesta linha. Ela sempre recebeu isso com o coração muito aberto. Um dia ela chegou para mim e disse: “pastor, será que Deus vai me tirar da política?”. E eu respondi: “não, o caminho não é este. Deus quer que a senhora continue sendo uma voz. Uma voz para o Brasil e para o mundo”.

ÉPOCA – O senhor acha que, de alguma maneira, esta certeza ajudou na decisão de se aliar ao PSB de Eduardo Campos quando a Rede Sustentabilidade teve o registro recusado pelo TSE?

Salles – Não vou te falar com propriedade sobre isso. Porque desta aliança para cá eu não participei. Não posso opinar. Mas uma convicção eu tenho: ela fez alguma orientação espiritual antes de tomar a decisão.

ÉPOCA – O senhor recebe essas revelações há quanto tempo?

Salles – Desde a época em que nós orávamos pelo presidente Lula, antes das eleições de 1998, quando o ex-presidente Fernando Henrique ganhou de Lula. Lembro que o senhor Deus havia falado que ia entregar o governo, a chave da nação nas mãos dele. Assim que ele perdeu, ele assumiria na próxima.

ÉPOCA – O senhor conheceu o Lula pessoalmente?

Salles – Sim, sim.

ÉPOCA – Foram apresentados pela Marina?

Salles – Perfeitamente. Oramos pelo Lula. Na ocasião, ele estava muito quebrantado, numa situação de perda, frustrado. Pensando: será que mais uma vez a frustração vai bater na minha porta? E ele disse: pastor, eu sou uma pessoa que todas as noites ora. Eu leio o salmo de número 13, número do meu partido. Eu disse que ele ia ganhar as próximas eleições. Quando isso aconteceu em 2002, eu disse a Marina que ela se tornaria ministra. De fato aconteceu. E o senhor Deus já vinha trabalhando, preparando o caminho para ela chegar ao que está acontecendo hoje. Tem coisas que Deus fala pra gente e acontece imediatamente. Tem outras que demoram um ano, dois, três. Mas você tem uma direção, uma linha.

ÉPOCA – O senhor se lembra da última orientação espiritual que deu para a Marina?

Salles – Tenho lembranças, mas são coisas particulares. Decisões internas.

ÉPOCA – O senhor participou das rezas para o presidente Lula durante o mensalão?

Salles – Não, não participei. Algumas vezes, pela correria do presidente Lula, eu participava com orações via Gilberto Carvalho, na época o chefe de gabinete.

ÉPOCA – E rezava pela Marina quando ela era ministra do Meio Ambiente?

Salles – Lembro de uma época que estava precisando de chuva. Não chovia no Mato Grosso, Rondônia... E ela preocupada. Nós oramos para Deus mandar chuva, porque ela estava preocupada, sofrendo muita pressão. Eram muitas queimadas. E Deus mandou chuva naquela época. Nós oramos e Deus mandou chuva. Choveu naqueles dias, precisava chover naquela semana.

ÉPOCA – O senhor ia rezar no Ministério do Meio Ambiente?

Salles – Na casa dela, outras vezes no Ministério, outras vezes na igreja.

ÉPOCA – O senhor chegou a rezar para a presidente Dilma?

Salles – Não, para ela nunca. Nós tentamos fazer este link, ficar em contato. Mas o próprio Gilberto Carvalho dizia que era diferente. O presidente Lula é um homem mais aberto. Já a presidente Dilma é uma pessoa mais fechada. Não que ela não creia, ela é uma mulher de fé. Mas é diferente. Isso entristeceu também os pastores. Não só os do meio pentecostal.

ÉPOCA – Se a Marina ganhar a eleição, o senhor acredita que Brasil se tornará um país mais evangélico?

Salles – Querendo ou não, influencia, né? Mas este não é o propósito dela.

ÉPOCA – Como a fé da Marina influencia a tomada de decisão dela?

Salles – Ela não vai fazer nada sem primeiro ter uma orientação do Senhor. Ela é livre, mas vai agir de acordo com os princípios cristãos, defendendo a família, a igreja, o Brasil. Sem ser intransigente com nenhuma religião. Agora, se houver dúvida em algum assunto, ela pedirá orientação. Não é porque você chegou à Presidência que não precisa de conselheiros.

ÉPOCA – Na sua opinião, a Marina é fundamentalista?

Salles – A pessoa fundamentalista é aquela com visão muito fechada. Não é o caso da irmã Marina. Ela é uma pessoa com domínio próprio, equilíbrio. Não acho que ela fecha e leva um pensamento ao pé da letra.

ÉPOCA - Como diferenciar quem é de quem não é?

Salles – Fica claro nos frutos. Uns olham e veem pela aparência, pelo modo de ser. Uma posição também pode mudar. O que você pensa hoje não é necessariamente o que você pensa no passado.

ÉPOCA – O senhor apoiou a presidente Dilma em 2010. Fez até um vídeo que foi para a internet. Por que?

Salles – Em 2010, o Gilberto Carvalho me pediu para fechar com a Dilma. Não só eu, mas vários pastores. Aceitei na ocasião porque entendia que o projeto do Lula teria continuidade. Eu bem sabia que a Marina estava caminhando, mas ainda não era o momento dela. Deus estava trabalhando para ela chegar. Então ficamos com a Dilma. Mas a Dilma infelizmente não cumpriu nada do que havia combinado com o meio. Apoiei a Dilma por causa do Lula, pelo pedido do presidente Lula. Gravei o vídeo assim que terminamos uma reunião. Para abraçar a causa do presidente Lula.

ÉPOCA – O vídeo teve impacto em sua relação com a Marina?

Salles – Não, ela entendeu. Ela é uma pessoa muito tranquila.

ÉPOCA – O senhor se arrepende de ter apoiado a Dilma?

Salles – Olha, hoje eu me arrependo.

ÉPOCA – Por quê?

Salles – Por tantas decepções que a gente teve com o governo.

ÉPOCA – Por exemplo?

Salles – Uma série de coisas. Não só no meio evangélico. Muita corrupção, né? Todo mundo sabe. Muitos problemas. Eu, particularmente, me arrependo.

ÉPOCA – Apoiaria de novo?

Salles – Não.

ÉPOCA – Neste ano alguém já lhe pediu apoio oficial?

Salles – Não. Só apoio em oração. Mas oficialmente estou com a Marina.

ÉPOCA – Até dia 15, os candidatos à Presidência podem mudar. Se o Lula voltasse, o senhor o apoiaria?

Salles – Não. Entendo que terminou o propósito que Deus tinha com o Lula. Ninguém é insubstituível.

ÉPOCA – O que o senhor espera de um possível governo da Marina?

Salles – Tenho orado para que seja um governo de paz. Ela vai enfrentar muitas batalhas, não vai ser fácil. Mas não vai ser impossível. É normal virem as batalhas. Um governo não governa sozinho. Ela precisa de apoio na Câmara e no Senado. Acredito que daqui pra frente vamos ver as alianças acontecerem. O Brasil vai melhorar com Marina. A Bíblia diz que quando o justo governa, o povo se alegra. O justo não significa o religioso, mas o honesto. Essas características de humanidade, de temor e amor a Deus ela tem. Marina é um produto novo. Não basta você cair na graça de Deus, tem de cair na graça do povo. E a Marina está caindo nas graças do povo. Já caiu. É um caminho.

A reportagem original da Época poderá ser vista por meio desse link aqui:


Nosso comentário:

Estamos impressionados com o nível de profetadas desse senhor. Ele diz que deus fala com ele e lhe revela coisas com antecedência. Mas admite que se arrependeu de ter votado em Dilma em 2010. Ué, seu deus não foi capaz de lhe revelar que não deveria votar nela?

Depois tem a questão da Marina em 2010, pois a revelação original já anunciava a vitória dela em 2010, o que, evidentemente, não aconteceu. È óbvio que as profecias do pastor Salles não passam de ilusões de sua mente. Ele é está tão longe de Deus que não consegue sequer enxergar a picaretagem que é a Igreja Plenitude do Trono de Deus, do falso apóstolo Agenor Duque, a qual já tivemos a oportunidade de tratar em alguns de nossos artigos.

Mas o que mais nos assusta mesmo é essa “mistura” de política com religião que não tem nada a ver com os ensinamentos Bíblicos de retidão e justiça conforme ensinados no Novo Testamento e também pelos profetas no Antigo Testamento — de Moisés até Zacarias. As palvras do sr. André Salles não passam de puro obscurantismo que tenta criar uma áurea de “santa” sobre Marina Silva andando em um “Caminho de Luz”

São profetadas como essas que nos fazem ter nojo da política e dos políticos em geral, especialmente desses que querem se eleger apelando diretamente para o divino. Marina poderá até ser eleita, mas são ingênuos os que acham que os donos do país irão deixar que a justiça corra como um rio, como a Bíblia ensina, durante seu governo.

OUTROS ARTIGOS ACERCA DE EVANGÉLICOS E POLÍTICA















Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

domingo, 14 de setembro de 2014


A IMPORTÂNCIA DA VERDADE

O artigo abaixo foi publicado no site da editora FIEL e é da autoria de Morton Smith.

O que é a Verdade?

Morton H. Smith

Integridade Doutrinária

Nesta era de lassidão geral e afastamento da fé cristã ortodoxa, uma das maiores necessidades é o retorno à integridade doutrinária. Em especial, os homens responsáveis pela pregação sagrada deveriam ser homens que ensinam a verdade, e nada mais do que a verdade da Palavra de Deus. Uma das urgentes necessidades deste mundo de trevas, repleto de falsidade, é a proclamação clara da verdade da Palavra de Deus.

A tentação de Satanás para Eva ocorreu na área da integridade doutrinária. Ele ousou acusar a Deus de falta de integridade. A queda do homem resultou em que a tentação permanente do mundo, da carne e do Diabo é sermos menos do que verdadeiros em nosso viver diário. Como Jesus disse, Ele mesmo é a verdade e a vida; por isso, o evangelho envolve uma proclamação da verdade em um mundo de mentiras. Todos os cristãos devem, mediante o seu testemunho por Cristo, declarar toda a verdade do evangelho.

Todo o conhecimento que podemos encontrar neste mundo foi colocado aqui por Deus, o Criador. Em última análise, toda a verdade está em Deus. Ele é a fonte de toda a verdade que encontramos no mundo que ele criou. Portanto, quando Deus falou a Adão as palavras da aliança de obras, proibindo-o de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, ele afirmou a verdade para Adão. Na tentação dirigida a Eva, Satanás declarou abertamente que isso era falso. Quando Jesus falou com os judeus incrédulos, ele lhes disse que Satanás é o pai da mentira: Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira (Jo 8.44). A incredulidade deles se alicerçava no fato de que tinham um coração pecaminoso e não-regenerado.

Em outra ocasião, Jesus falou sobre si mesmo nestes termos: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim (Jo 14.6). Ele estava afirmando que, desde o momento em que Satanás introduziu a mentira, ou a falta de integridade no mundo, e que Adão a abraçou em sua queda, uma das necessidades básicas do mundo é a reintrodução da verdade. E foi exatamente isso que Jesus declarou estava fazendo no mundo. Também disse que só existe um meio de salvação: vir a ele, que é a própria verdade. Jesus testemunho isto a Pilatos: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz (Jo 18.37). Pilatos respondeu cinicamente: "Que é a verdade?", mostrando assim sua natureza não-regenerada.

Nesse mesmo evangelho, lemos que Jesus confiou aos seus discípulos o ministério que recebera do Pai: Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade (Jo 17.17-19). Jesus estava rogando que o Pai santificasse os discípulos "na verdade", para que pudessem proclamar a verdade de seu evangelho neste mundo de falsidade e trevas.

A grande comissão de Jesus, registrada em Mateus 28, define a missão da igreja em dois empreendimentos. Primeiramente, ela deve evangelizar o perdido e, assim, unir os eleitos na igreja. Em segundo, a igreja deve ensinar aos seus membros todas as coisas reveladas nas Escrituras. Qualquer outra coisa que a igreja faça tem de ser subsidiária a essa comissão. Tanto a evangelização como o ensino dos membros exigem que a igreja mantenha integridade doutrinária. Qualquer falha em cumprir isso é desobediência à ordem de Cristo para a igreja.

Se isso é verdade, é óbvio que Deus colocou sobre os ministros da Palavra a absoluta necessidade de serem leais e fiéis à Palavra em sua pregação e ensino. Tornar-se verdadeiro intérprete da Palavra é o dever sublime e celestial de cada homem que prega as Escrituras. Visto que a Palavra foi dada tanto no hebraico como no grego, os pregadores têm de ser capazes de abordar essas línguas de modo tão suficiente, que entendam apropriadamente o texto que desejam proclamar às suas congregações. Em outras palavras, a exigência de integridade no ministério da Palavra exige dos pregadores o compromisso de estudarem a Palavra em suas línguas originais.

Uma parte da verdadeira interpretação da Bíblia inclui o entendimento de como textos específicos se enquadram em todo o sistema de verdade apresentado nas Escrituras. Portanto, o ministro da Palavra precisa estar ciente de todo o sistema de teologia apresentado na Bíblia. O estudo da história da igreja revela que a igreja medieval perdera amplamente a verdade bíblica, visto que substituíra o ensino da Palavra de Deus pela tradição dos homens.

A Reforma produziu um novo compromisso com o princípio de Sola Scriptura. O resultado foi a redescoberta do evangelho pela igreja, à medida que procurava ser reformada pela Palavra de Deus. Um dos benefícios da Reforma foi a destilação dos dogmas da igreja em vários credos ou confissões reformados. Foram produzidas cerca de 39 confissões; e um dos fatos notáveis é que elas mantinham um unidade básica.

A fim de preservar a integridade da pregação nessas igrejas, exigiu-se dos ministros que subscrevessem a confissão das igrejas em que serviam. Uma forma histórica de subscrição exigida até hoje por algumas denominações é esta: "Você recebe a Confissão de Fé e o Catecismo desta igreja como documentos que contém o sistema de doutrina ensinado nas Escrituras Sagradas?" Em outras palavras, o ministro a ser ordenado está dizendo que a Confissão de Fé e o Catecismo de Westminster afirmam o que ele acredita ser o ensino da Bíblia. Cumpre àqueles que assumem essa subscrição serem fiéis em sua pregação e ensino e proclamarem todo o desígnio de Deus expresso nas Escrituras e interpretado nas confissões da igreja. Deixar de fazer isso significa corromper a integridade doutrinária que o Senhor espera de seus servos.

Em nossa evangelização, tendemos frequentemente que insistir em uma resposta emocional ao evangelho, sem antes transmitir apropriadamente as grandes doutrinas da fé cristã à pessoa. Precisamos reconhecer que uma resposta correta do coração ou da consciência só pode ser manifestada depois que a verdade do evangelho é comunicada ao pecador. Uma resposta bíblica genuína acontece somente quando a verdade do evangelho é compreendida. Percebemos, assim, a necessidade de integridade doutrinária por parte de todos os cristãos, que devem ser testemunhas do evangelho para o mundo que nos rodeia.

Traduzido por: Wellington Ferreira

Do original em inglês: What is truth? Doctrinal Integrity, Morton Smith. Revista Tabletalk, vol. 31, nº 9.

O artigo original poderá ser visto por meio desse link aqui:


Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

2 Coríntios 12:11 – 13:14 - O Apelo Final do Apóstolo Paulo - Sermão # 17


Esse esboço de sermão é parte da série "Exposição da 2 Epístola de Paulo aos Coríntios" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa exposição, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará links para outros estudos dessa série.

Sermões na Segunda Epístola de Paulo aos Coríntios


Introdução.

A. Ao lermos estas últimas palavras do apóstolo em 2 Coríntios nos podemos perceber que estamos diante de um homem que envidou um esforço enorme e que agora está bastante cansado como resultado direto daquele esforço. 
B. Como já mencionamos anteriormente o relacionamento do apóstolo Paulo com a igreja em Corinto estava passando por um período de muita turbulência. 
C. Vejamos, então qual é...
O Apelo Final do Apóstolo Paulo

I. A Última Repreensão de Paulo. 
A. Paulo inicia esta secção se desculpando pelo fato de ter falado acerca de si mesmo de maneira tão extensa — 
2 Coríntios 12:11a 
Tenho-me tornado insensato; a isto me constrangestes. 
B. Ao administrar sua última repreensão, Paulo fala acerca de... 
1. Da dívida que os Coríntios tinham para com Paulo. 
2 Coríntios 12:11 
Eu devia ter sido louvado por vós! 
Mas não foi louvor que ele recebeu e sim críticas. 
C. Seus críticos, como já vimos, eram de dois tipos: 
1. Em primeiro lugar Paulo enfrentava a oposição dos judaizantes que ensinavam que os crentes em Cristo estavam obrigados a guardar a Lei de Moisés. 
2. Em segundo lugar Paulo enfrentava a oposição de mestres pagãos que desejavam misturar a fé cristã com práticas pagãs.
3. Assim Paulo era criticado tanto por aquilo que ele era, um judeu, como pelo que ensinava acerca da nossa liberdade em Cristo! 
D. Paulo reage a estas críticas, pois percebia nelas uma enorme ingratidão. Sua repreensão é sua última tentativa de ganhar esses homens sem ter que confrontá-los quando estivesse em Corinto em um futuro próximo. 
E. Paulo segue em frente e fala acerca das.. 
1. Dúvidas que eles tinham com referência ao trabalho de Paulo no meio deles. 
a. Ainda em 2 Coríntios 12:11 Paulo diz: “...em nada fui inferior a estes apóstolos”. 
b. Como já vimos anteriormente aqueles outros mestres se referiam a Paulo como alguém que não tinha uma boa imagem ou aparência e como alguém que não era tão habilidoso na arte de falar como alguns daqueles homens eram. 
c. Não existe nada mais fácil do que criticar e desacreditar o trabalho de uma pessoa. 
d. No caso de Paulo essas críticas só eram possíveis porque estavam baseadas em falsas premissas. E uma das premissas básica era a de cobrar pelo serviço de ensinar. 
e. Como Paulo não havia cobrado por seus serviços estes indivíduos argumentavam que a igreja em Corinto era inferior às outras igrejas — 
2 Coríntios 12:13 
Porque, em que tendes vós sido inferiores às demais igrejas, senão neste fato de não vos ter sido pesado? Perdoai-me esta injustiça. 
F. Paulo se defende deixando claro que seu interesse estava nas pessoas e não no dinheiro delas —  
2 Coríntios 14—15 
14 Eis que, pela terceira vez, estou pronto a ir ter convosco e não vos serei pesado; pois não vou atrás dos vossos bens, mas procuro a vós outros. Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos. 
15 Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado? 
Em função disto existia uma reação espiritual que apóstolo Paulo esperava. 
II. O tipo de reação espiritual que o apóstolo Paulo esperava. 
A. Começando em 2 Coríntios 12:19 nós podemos perceber duas linhas de pensamento. 
B. Os motivos que mantinham Paulo firme no seu ministério. 
1. Em primeiro lugar e mais importante que tudo era o bem espiritual daqueles a quem ele procurava servir. Paulo diz: Falamos em Cristo... e tudo para a vossa edificação — 2 Coríntios 12:19. 
2. Em 2 Coríntios 13:7 o mesmo sentimento está manifestado — 
Estamos orando a Deus para que não façais mal algum, não para que, simplesmente, pareçamos aprovados, mas para que façais o bem, embora sejamos tidos como reprovados. 
3. Esta preocupação de Paulo tinha a ver diretamente com o fato de que ele temia que os crentes em Corinto, enganados por falsos ensinamentos, acabassem por destruir a obra de Deus naquela cidade — 
2 Coríntios 12:20—21 
20 Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que também vós me acheis diferente do que esperáveis, e que haja entre vós contendas, invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos. 
21 Receio que, indo outra vez, o meu Deus me humilhe no meio de vós, e eu venha a chorar por muitos que, outrora, pecaram e não se arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram. 
4. Mas ao mesmo tempo que Paulo está preocupado ele também está determinado a confrontar aqueles que labutam no erro — 
2 Coríntios 13:2 
Já o disse anteriormente e torno a dizer, como fiz quando estive presente pela segunda vez; mas, agora, estando ausente, o digo aos que, outrora, pecaram e a todos os mais que, se outra vez for, não os pouparei. 
5. Quando os medicamentos não surtem os efeitos desejados nada mais resta senão o bisturi do cirurgião! 
B. Além de falar acerca dos motivos que o mantinham firme, Paulo fala também acerca... 
1. Do Senhor que controlava Paulo em seu ministério. 
2. Em 2 Coríntios 12:19 Paulo deixa claro que: Falamos em Cristo, perante Deus. Este é o Senhor a quem eu sirvo. 
3. Sendo Deus: 
a. O Deus da verdade — 
Salmos 31:5 
Nas tuas mãos, entrego o meu espírito; tu me remiste, SENHOR, Deus da verdade. 
b. O único Deus verdadeiro — 
João 17:3 
E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. 
c. O Deus que não pode mentir — 
Tito 1:2 
Na esperança da vida eterna que o Deus que não pode mentir prometeu antes dos tempos eternos. 
4. E sendo Jesus a encarnação da própria verdade, pois ele disse: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida! — João 14:6. 
5. Então a conclusão de Paulo não pode ser diferente da que encontramos em — 
2 Coríntios 13:8 
Porque nada podemos contra a verdade, senão em favor da própria verdade. 
6. Somente através da submissão constantes à verdade do evangelho é que podemos ser aperfeiçoados — 
2 Coríntios 13:9 
Porque nos regozijamos quando nós estamos fracos e vós, fortes; e isto é o que pedimos: o vosso aperfeiçoamento. 
III. O Pedido Prático que Paulo Faz. 
A. Existem duas coisas neste texto que Paulo pede à comunidade de cristãos em Corinto. 
1. Paulo orienta os cristãos em Corinto olharem para si mesmos. 
a. Em 2 Coríntios 13:5 Paulo orienta os irmãos a πειράζετε – peirázete – examinai-vos a vós mesmos e a δοκιμάζετε – dokimázete – provai-vos a vós mesmos. A intenção destes testes é para confirmar se eles estavam mesmo ou não “em Cristo”. 
b. Isto era necessário porque certos comportamentos em Corinto punham em questão se eles eram mesmo ou não membros da família de Deus.
c. Paulo pede que estas pessoas se concentrem em si mesmas em vez de se concentrarem na pessoa dele. 
d. Uma das maiores verdades que existem nos relacionamentos interpessoais de qualquer igreja é que as pessoas que mais criticam são sempre aquelas que menos fazem! 
B. Em segundo lugar Paulo os instrui acerca de.. 
1. Como os cristãos em Corinto deviam viver. 
a. A instrução de Paulo acerca de como os irmãos deveriam viver pode ser encontrada em — 
2 Coríntios 13:11 
Quanto ao mais, irmãos, adeus! Aperfeiçoai-vos, consolai-vos, sede do mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz estará convosco. 
b. A idéia central do verso acima é que os cristãos em Corinto deviam viver, acima de tudo, em Paz. 
c. A promessa feita por Paulo é que quando viverem em Paz o próprio Deus de amor e da paz estaria com eles. 
d. É realmente inacreditável como entre os cristãos pode existir um ambiente que seja uma atmosfera onde Deus não opera! 
e. Existe realmente um solo onde a obra de Deus pode prosperar e outro onde só reina confusão. Neste é impossível haver crescimento espiritual. 
IV. Paulo termina sua epístola com palavras com as quais estamos bastante familiarizados — 
1 Coríntios 13:13
A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós. 
Conclusão. 
1. Todos nós, por causa do nosso egoísmo, temos este pendor natural de sermos profundamente ingratos com aqueles que nos fazem bem, tão logo alguma de nossas vontades, é contrariada. Quando nos voltamos contra aqueles que nos ensinam e nos edificam no evangelho, nós estamos deixando de reconhecer a obra que Deus está fazendo em nosso meio através destas pessoas. O autor da Epístola aos Hebreus exorta os irmãos com as seguintes palavras — 
Hebreus 13:17 
Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros. 
2. Existe um orgulho básico no ser humano que eu chamo de orgulho derivado. Este orgulho tem a ver com aqueles com os quais a pessoa está envolvida ou com as coisas com as quais a pessoas está envolvida. Tem a ver com quem a pessoa está ouvindo. Tem a ver com o prédio onde a reunião está acontecendo. Tem a ver com a organização com a qual a pessoa está relacionada. Meus irmãos, tudo isto é completamente vazio se estas coisas todas não estiverem amparadas na verdade! Pode ser quem for — professor, doutor, bispo, presidente e etc. — pode ser onde for — em um templo suntuoso ou em uma enorme basílica — se não estiver amparado pela verdade é tudo inútil para a edificação das pessoas. A verdade é que nós gostamos de ouvir pessoas importantes, gostamos de frequentar lugares imponentes, gostamos de nos misturar com multidões de pessoas que pensam como nós. Afinal, não queremos ficar de fora, não é mesmo? 
3. Quando agirmos ou vermos alguém agindo de maneira que é claramente contrária aos ensinamentos das Escrituras, devemos parar e nos perguntar: sou realmente crente em Jesus? Se sou devo me arrepender imediatamente e mudar minha atitude. Se for um irmão que estiver passando por esta situação devemos ajudá-lo a caminhar na direção certa. 
4. Não acredito que sejam verdadeiramente crentes aqueles que fazem intencionalmente o mal a outras pessoas e não se arrependem e buscam ser perdoados! 
5. Temos que aprender a viver em paz meus irmãos. E para viver em paz precisamos sempre reconhecer nossos erros e procurar aqueles contra os quais erramos e pedir perdão. Somente assim poderemos manter verdadeira paz em nosso meio. Nosso orgulho precisa ser posto de lado tanto da parte do ofensor quanto da parte do ofendido se quisermos realmente viver em paz. Quando agimos assim, e somente quando agimos assim, então... 
6. O Deus de Amor e de Paz estará conosco. 
Para refletir: o que você tem feito para contribuir com a presença do Deus de amor e de paz no meio em que vive? 
OUTRAS MENSAGENS EM 2 CORÍNTIOS PODEM SER ACESSSADAS POR MEIO DOS LINKS ABAIXO

001 — A Escola do Sofrimento – 2 Coríntios 2:1—11

002 — Os Críticos do Apóstolo Paulo — 2 Coríntios 1:12 — 2:11

003 — Como Paulo Entendia o Ministério Cristão — 2 Coríntios 2:12 — 3:3

004 — A Confiança que Paulo Tinha em Sua Mensagem— 2 Coríntios 3:4—18 — Parte 1

005 — A Confiança que Paulo Tinha em Sua Mensagem— 2 Coríntios 4:1—6 — parte 2

006 — Batalhas e Bênçãos — 2 Coríntios 4:7—15

007 — Crescendo Apesar de Estar Envelhecendo — 2 Coríntios 4:16—5:9

008 — As Pressões da Responsabilidade — Parte 1 — 2 Coríntios 5:9—14

009 — As Pressões da Responsabilidade — Parte 2 — 2 Coríntios 5:14—6:4

010 — As Pressões da Responsabilidade — Parte 3 — 2 Coríntios 6:3—10

011 — Os Princípios e a Prática da Separação Bíblica — 2 Coríntios 6:11—7:3

012 — Tudo Vai Bem, Quando Termina Bem — 2 Coríntios 7:4—16

013 — A Prática Cristã de Contribuir — 2 Coríntios 8—9

014 — No Fim o Que Conta é Como Deus nos Vê — 2 Coríntios 10

015 — Paulo Responde a Seus Detratores — 2 Coríntios 11

016 — Deixando as Dificuldades e Através da Descoberta, Chegando na Doxologia — 2 Coríntios 12:1—10

017 — O Apelo Final do Apóstolo Paulo — 2 Coríntios 12:11 — 13:14.

Grande Abraço e que Deus possa abençoar a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.