sábado, 28 de fevereiro de 2015

JOHN PIPER E O ABUSO DO DOM DE LÍNGUAS PELAS IGREJAS PENTECOSTAIS

 

O artigo abaixo foi publicado pelo site Gnotícias e é assinado por Thiago Chagas.

Em vídeo, que poderá ser acessado no final do artigo:

Pastor John Piper diz que o dom de línguas tem sido usado de forma contrária ao que a Bíblia ensina

O dom de línguas é uma das expressões do Espírito Santo que causam mais controvérsias entre os cristãos por conta da complexidade que o envolve e também pelas doutrinas eclesiásticas existentes e que surgiram baseadas em interpretações do Evangelho.

O pastor batista John Piper, um dos líderes cristãos mundiais mais reconhecidos da contemporaneidade, afirmou que não existe embasamento no Novo Testamento para a ênfase e incentivo à busca desse dom e sua prática da forma como acontece hoje em muitas igrejas.

Piper disse que durante seu ministério pastoral, atravessou diversas “fases” no que se refere aos dons do Espírito Santo, em especial, o dom de línguas.

“Parece que se você não fala a respeito disso no púlpito e não ensina sobre isso, ao menos no nosso contexto, esses dons tendem a desvanecer […] Eu diria que na maior parte dessas ‘fases’ eles [os dons] não estão em evidência”, observou o pastor.

A precaução com o dom de línguas, segundo John Piper, deve existir pela preocupação expressada pelo apóstolo Paulo em sua carta aos Coríntios, quando ele sugere que os irmãos não se deixem levar pela emoção e que o dom seja usado em benefício da comunidade.

“Entendo que Paulo não desejava colocar esse dom em destaque. Na verdade, ele estava um pouco aborrecido pela ênfase que o dom havia ganhado”, disse John Piper, mencionando o capítulo 12 da primeira carta aos Coríntios. “Ele teve que colocar limites, ao invés de promover o dom”, acrescentou.

Para o pastor, existem doutrinas que distorcem o propósito dos dons, principalmente no caso do falar em línguas: “Não acredito na doutrina histórica dos pentecostais de que você tem que falar em línguas como sinal de que você está cheio do Espírito Santo, ou até mesmo de que você é um cristão”.

Piper resume seu ponto de vista dizendo que não há indícios de que alguma coisa tenha mudado na forma como o Espírito Santo distribui seus dons, mas sim, na forma como os cristãos tem olhado para essa questão: “Acho que a maneira como esse dom é normalmente usado em público, como uma espécie de êxtase coletivo, não tem base no Novo Testamento”.

“Não vejo nenhuma razão para afirmarmos que algo mudou na história da Redenção e que entre a era dos apóstolos e a nossa era esse dom tenha desaparecido. Se Deus quiser que ele desapareça, Ele o fará desaparecer. Mas não vejo nenhum mandamento para que não o busquemos. Na verdade, vejo versículos que nos encorajam a fazê-lo”, ponderou.

Há, segundo Piper, duas aplicações para o dom de línguas: a manifestação do Espírito Santo em um idioma conhecido pela humanidade, mas desconhecido pelo profeta – e que teria aplicação prática na entrega de uma mensagem a alguém que entende tal idioma; e a manifestação através da língua dos anjos, como expressão de um momento espiritual. Nesse segundo caso, o pastor diz que, para que toda a igreja seja beneficiada, é indispensável que haja um intérprete, pois em caso contrário, não há como captar o sentido do que foi dito.

Em muitos casos, segundo Piper, as manifestações são expressões de êxtase, emoção, e por isso o alerta do apóstolo Paulo para que “se não houver intérprete presente, não fale em línguas em público”.

O vídeo com os ensinamentos de John Piper poderá ser visto por meio do link a seguir:


O artigo original poderá ser visto por meio desse link aqui:


Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.

O CULTO DE ADORAÇÃO A DEUS SEGUNDO O NOVO TESTAMENTO


O texto abaixo é de autoria de Bobby Jamieson e foi publicado no site da Editora FIEL.

Teologia Bíblica e o Culto de Adoração

Bobby Jamieson

O que exatamente nós estamos fazendo quando nos congregamos como igreja para a adoração? E como nós sabemos o que devemos fazer nesses ajuntamentos semanais?

Naturalmente, cristãos evangélicos se voltam para a Escritura a fim de obter orientação nessas questões, mas em que lugar da Escritura nós procuramos? Há muito sobre adoração no Antigo Testamento – sobre orações, sacrifícios, corais, címbalos e tanto mais. Mas será que todo aquele material de fato se aplica aos ajuntamentos de crentes na nova aliança?

A fim de responder essas questões, nós precisamos de uma teologia bíblica da adoração.[1] Teologia bíblica é a disciplina que nos ajuda a observar tanto a unidade como a diversidade, tanto a continuidade como a descontinuidade, em meio ao vasto enredo da Escritura.

Neste artigo esboçarei, muito brevemente, uma teologia bíblica da adoração corporativa. Quatro passos nos levarão até lá: (1) a adoração congregacional no Antigo Testamento; (2) o cumprimento em Cristo; (3) a adoração congregacional no Novo Testamento; (4) lendo toda a Bíblia para a adoração corporativa.

1. A adoração congregacional no Antigo Testamento

Desde que o povo de Deus foi banido de sua presença depois da queda, em Gênesis 3, Deus tem trabalhado para ajuntá-los novamente para si mesmo.[2] Assim, quando Israel sofria em cadeias no Egito, Deus o resgatou não apenas para que ele fosse liberto da opressão, mas para que ele o adorasse em sua presença (Êxodo 3.12, 18). Deus guiou o seu povo para fora do Egito e os trouxe ao lugar da sua própria habitação (Êxodo 15.13, 17).

Concepção artística do tabernáculo no deserto

Onde é esse lugar de habitação? No princípio, é o tabernáculo, a elaborada tenda na qual os sacerdotes ofereciam sacrifícios pelos pecados e impurezas do povo.
Nós lemos em —

Êxodo 29.44—46 

E consagrarei a tenda da congregação e o altar; também santificarei Arão e seus filhos, para que me oficiem como sacerdotes. E habitarei no meio dos filhos de Israel e serei o seu Deus. E saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, que os tirou da terra do Egito, para habitar no meio deles; eu sou o SENHOR, seu Deus.

O objetivo do êxodo era que Deus habitasse no meio do seu povo. Ele faz isso por meio do santo lugar (tabernáculo) e de indivíduos (sacerdotes) designados para aquele propósito.

Concepção artística dum sacerdote judeu

Quando Deus tirou Israel do Egito, ele o tomou para si como o seu povo. E o modo como ele confirmou esse novo relacionamento com Israel foi firmando uma aliança com ele, geralmente chamada de “aliança mosaica”. Em Êxodo 19, o Senhor lembra ao povo o que havia feito por ele ao resgatá-lo do Egito e, então, promete que, se ele obedecer aos termos da sua aliança, será a sua possessão peculiar (Êxodo 19.1—6).

O Senhor confirmou essa aliança com o povo em Êxodo 24 e todas as leis de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio expõem os termos dessa aliança. Todos esses detalhes especificam como o povo de Deus deve viver com Deus e uns com os outros nessa aliança específica que Deus firmou com ele.

Assim, os detalhados sacrifícios e os rituais de purificação descritos em Levítico são um meio de reparar as brechas na comunidade da aliança. O culto mantém a aliança.

Elementos duma celebração tradicional da páscoa judaica

Algumas vezes ao ano, todos os israelitas eram ordenados a se congregarem perante o Senhor no seu tabernáculo, para as festas da Páscoa, das primícias, e assim por diante (Levítico 23). À parte dessas festas, a oferta regular dos sacrifícios era conduzida pelos sacerdotes e os indivíduos israelitas vinham ao tabernáculo (e, posteriormente, ao templo) apenas quando precisavam oferecer um sacrifício específico pelo pecado ou pela impureza.

Em outras palavras, para Israel, a adoração corporativa era uma ocasião especial, que se dava apenas poucas vezes no ano. A adoração, entendida como devoção exclusiva ao Senhor, era algo que os israelitas eram chamados a fazer em todo tempo (Deuteronômio 6.13—15). Mas, no sentido de ter íntimo acesso à presença de Deus, a adoração estava restrita a pessoas, lugares e ocasiões específicos. Deus habitava no meio do seu povo, sim, mas essa presença estava restrita ao tabernáculo e era protegida pelos sacerdotes.

2. O cumprimento em Cristo

O ponto de virada no enredo da Escritura é a encarnação de Deus o Filho, o nosso Senhor Jesus Cristo. Todas as promessas de Deus se cumprem nele (2 Coríntios 1.20). Todos os tipos do Antigo Testamento — as instituições do sacerdócio, do templo e da monarquia, os eventos do êxodo, do exílio e do retorno — encontram seu cumprimento nele. Então, a fim de entender a teologia da adoração no todo da Escritura, temos que entender como Jesus cumpre e transforma a adoração da aliança mosaica.

O tabernáculo, e posteriormente o templo, era onde Deus manifestava a sua presença no meio do seu povo; Jesus cumpre e, portanto, substitui essas estruturas da antiga aliança. João nos diz que a Palavra se fez carne e — literalmente — “tabernaculou” entre nós (João 1.14).
Jesus prometeu:

João 2.19

Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei.

Em outras palavras, o corpo de Jesus agora é o templo, o lugar onde Deus encontra o seu povo, manifesta a sua presença e lida com os seus pecados (João 2.21—22). É por isso que Jesus pode dizer que vem a hora na qual os verdadeiros adoradores não mais precisarão adorar em Jerusalém, mas adorarão em espírito e em verdade (João 4.21—24).

Jesus cumpre e substitui o templo terreno de Jerusalém. Ele agora é o “lugar” onde os verdadeiros adoradores adoram a Deus.[3]

Jesus também cumpre e substitui por inteiro o sistema sacrificial associado à aliança mosaica e o seu tabernáculo e templo. A Epístola aos Hebreus nos diz que, diferentemente dos sacerdotes que precisavam oferecer sacrifícios diários, Jesus expiou os pecados do povo “uma vez por todas, quando a si mesmo se ofereceu” (Hebreus 7.27). A oferta única de si mesmo feita por Jesus não apenas purifica a carne, como os sacrifícios da antiga aliança, mas, em vez disso, purificam a nossa consciência, renovando-nos interiormente (Hebreus 9.13—14). Porque Jesus aperfeiçoou o seu povo com uma única oferta, não há mais necessidade ou ocasião para a oferta de touros e de bodes (Hebreus 10.1—4, 10, 11—18).

Jesus cumpre e substitui os sacrifícios levíticos. O seu sangue agora assegura a nossa eterna redenção (Hebreus 9.12).

Eu poderia seguir indefinidamente nessa direção. O ponto é que a obra salvadora de Jesus introduz uma virada radical no modo como Deus se relaciona com o seu povo. A nova aliança que Jesus inaugura torna obsoleta a antiga aliança, que Deus fez no Sinai, por intermédio de Moisés (Hebreus 8.6-7, 13). Agora, o povo de Deus tem os seus pecados perdoados por meio da fé no sacrifício de Jesus. Agora, o povo de Deus experimenta a sua graciosa presença por meio da fé em Cristo e na habitação do Espírito. Agora, todo o povo de Deus tem íntimo acesso a Deus (Hebreus 4.16, 10.19—22), não apenas um pequeno número de sacerdotes.

3. A adoração congregacional no Novo Testamento

O que tudo isso significa para a adoração congregacional na era da nova aliança? A primeira coisa a observar é que os termos do Antigo Testamento para a adoração são aplicados a toda a vida dos crentes. Em Romanos 12.1, Paulo escreve:

Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

Agora nós não oferecemos animais como sacrifícios, mas o nosso próprio eu. A vida inteira do cristão é um ato de serviço sacrificial a Deus.
Ou considere

Hebreus 13.15 —

Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome.

Louvor é o nosso sacrifício, o qual nós oferecemos sempre — não apenas por uma hora no domingo de manhã. O fruto de lábios que confessam o nome de Deus inclui cânticos de louvor, mas também muito mais: confessar ousadamente o evangelho em público, falar palavras de verdade e amor ao próximo, trazer toda palavra que dizemos cativa ao domínio de Cristo.


Isso significa que “adoração” não é algo que fazemos primordialmente na igreja aos domingos. Em vez disso, a adoração deve permear a nossa vida inteira. Para o cristão, a adoração não está confinada a ocasiões e lugares sagrados, porque nós estamos unidos pela fé a Cristo, aquele que é o templo de Deus, e nós somos habitados pelo Espírito Santo, que nos faz tanto individualmente como coletivamente o templo de Deus (1 Coríntios 3.16—17; 6.19; cf. Efésios 2.22).

O que então caracteriza a adoração corporativa na nova aliança? A leitura e pregação da Escritura (1 Timóteo 4.14); o canto congregacional de salmos, hinos e cânticos espirituais (Efésios 5.18—19; Colossenses 3.16); a oração (1Timóteo 2.1—2, 8); a celebração das ordenanças do batismo e da ceia do Senhor (Mateus 28.19; 1Coríntios 11.17—34); o estímulo mútuo ao amor e às boas obras (Hebreus 10.24—25).

Uma das coisas mais admiráveis acerca da adoração corporativa na nova aliança é a persistente ênfase na edificação de todo o corpo. Paulo escreve —


Colossenses 3.16

Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração.

Nós instruímos e aconselhamos uns aos outros à medida que cantamos ao Senhor. Enquanto louvamos a Deus, nós edificamos uns aos outros. Paulo chega ao ponto de dizer que todas as coisas na assembléia reunida devem ser feitas com o objetivo de edificar o corpo de Cristo (1Coríntios 14.26).

O que há de único na reunião semanal da igreja não é que aquele é o momento de adorarmos, mas que aquele é o momento no qual nós edificamos uns aos outros ao adorarmos a Deus conjuntamente.

Por causa da nova aliança que Cristo inaugurou, a adoração congregacional na era da nova aliança tem uma feição completamente diferente da adoração congregacional na antiga aliança. Em vez de ocorrer algumas vezes no ano, a adoração corporativa é agora semanal. Em vez de se reunirem no templo em Jerusalém, os crentes se reúnem em igrejas locais onde quer que eles vivam. Em vez da presença de Deus restringir-se ao Santo dos Santos, onde é protegida pelos sacerdotes, Deus agora habita em todo o seu povo por meio do Espírito e Cristo está presente com seu povo onde quer que eles se reúnam (Mateus 18.20). Em vez de executarem uma elaborada série de sacrifícios e ofertas, os cristãos se reúnem para ouvir a Palavra, pregar a Palavra, orar a Palavra, cantar a Palavra e ver a Palavra nas ordenanças. E tudo isso tem por objetivo a edificação do corpo em amor, para que todos nós cheguemos à maturidade em Cristo (Efésios 4.11—16).

4. Lendo toda a Bíblia para a adoração corporativa

Como então devemos nós olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine o que fazer na adoração corporativa?


Primeiro, acredito que é importante afirmar que a Escritura de fato nos ensina o que nós devemos fazer nas assembleias regulares da igreja. Lembre-se de que, embora a vida inteira seja adoração, a reunião semanal da igreja ocupa um lugar especial na vida cristã. Todos os cristãos são ordenados a se reunirem com a igreja (Hebreus 10.24—25); frequentar a igreja não é opcional para o cristão. Isso significa que, efetivamente, tudo o que uma igreja faz no culto se torna uma prática exigida dos seus membros. E Paulo insta os cristãos a não permitirem que quaisquer regras ou práticas de culto inventadas pelos homens sejam impostas à sua consciência (Colossenses 2.16—23).

Eu sugiro que esses princípios bíblicos convergem na direção daquilo que historicamente se tem chamado de “princípio regulador” do culto.[4] Em outras palavras, em suas reuniões corporativas, as igrejas devem realizar apenas aquelas práticas que são positivamente prescritas na Escritura, seja por um mandamento explícito ou por um exemplo normativo. Fazer qualquer outra coisa seria comprometer a liberdade cristã. Assim, as igrejas devem olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine a adorar juntos, e devem fazer somente o que a Escritura nos ordena fazer.

Mas isso levanta a pergunta: o que exatamente a Escritura nos ordena fazer? Para ser mais preciso, como nós sabemos qual material bíblico acerca da adoração é normativo e obrigatório? Responder essa pergunta exaustivamente demandaria um livro; aqui, apresentarei apenas um esboço muito breve.

Discernir quais ensinamentos bíblicos acerca da adoração são obrigatórios exige alguma destreza, uma vez que a Escritura em nenhum lugar nos apresenta, por exemplo, uma “ordem de culto” completa e confessadamente normativa. Mas há alguns mandamentos no Novo Testamento os quais são claramente obrigatórios a todas as igrejas. O fato de as igrejas em Éfeso e em Colossos serem ambas ordenadas a cantar (Efésios 5.18-19; Colossenses 3.16), bem como a referência ao canto na igreja de Corinto (1 Coríntios 14.26), sugere que todas as igrejas devem cantar. O fato de Paulo ordenar Timóteo a ler e pregar a Escritura em uma carta destinada a instruir Timóteo acerca de como a igreja deve se conduzir (1 Timóteo 3.15; 4.14) sugere que a leitura e pregação da Escritura são a vontade de Deus não apenas para aquela igreja em particular, mas para todas as igrejas.

Por outro lado, alguns mandamentos, como “Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo” (Romanos 16.16), parecem expressar um princípio universal (“recebam uns aos outros com amor cristão”) em uma forma que pode não ser culturalmente universal.

Além disso, alguns mandamentos contextuais podem ter uma aplicabilidade mais ampla, como o fato de Paulo dizer aos coríntios para separarem dinheiro no primeiro dia da semana. Aquilo era para uma oferta específica aos santos em Jerusalém, mas todas as igrejas são ordenadas a sustentar financeiramente os seus mestres (Gálatas 6.6), de modo que a oferta bem pode ter lugar na adoração corporativa.

Até aqui, porém, nós lidamos apenas com o Novo Testamento. O que dizer do Antigo? Afinal, o Antigo Testamento está repleto de mandamentos acerca da adoração —

Salmo 150.3-5

Louvai-o ao som da trombeta; louvai-o com saltério e com harpa.

Louvai-o com adufes e danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas.

Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes.

Isso significa que, para serem bíblicos, os cultos de nossas igrejas precisam incluir trombetas, saltérios, harpas, tamborins, danças, instrumentos de cordas, flautas e címbalos? Eu sugiro que não.

Lembre-se que os salmos são expressões de adoração sob a aliança mosaica, referida por alguns dos escritores do Novo Testamento como a “antiga aliança” (Hebreus 8.6). Agora que a nova aliança prometida em Jeremias 31 foi estabelecida, a antiga aliança é obsoleta. Nós não estamos mais sob a lei de Moisés (Romanos 7.1—6; Gálatas 3.23—26). Portanto, formas de adoração atreladas à era mosaica não são mais obrigatórias a nós. O templo era servido por sacerdotes, alguns dos quais especializados na música litúrgica (1 Crônicas 9.33). De fato, são eles que nós vemos tocando os mesmos instrumentos mencionados no Salmo 150 (2 Crônicas 5.12, 13; 9.11). Assim, o Salmo 150 não está provendo um modelo para a adoração cristã; em vez disso, está invocando uma forma específica de adoração da antiga aliança, associada ao templo e ao sacerdócio levítico.

Isso não define, por si só, a questão de quais instrumentos podem servir de acompanhamento apropriado ao canto congregacional da igreja. Mas significa que o simples apelo a um precedente do Antigo Testamento não tem lugar, assim como o apelo a um precedente do Antigo Testamento não pode legitimar o sacrifício de animais. É aqui que muitas tradições cristãs falham em alcançar uma teologia bíblica da adoração, ao apelarem de modo seletivo a precedentes do Antigo Testamento, como se certos aspectos do sacerdócio levítico e da adoração do templo adentrassem na era da nova aliança.

Certamente, muito do Antigo Testamento informa o modo como adoramos. Os Salmos nos ensinam a adorar com reverência e temor, alegria e admiração, gratidão e júbilo. Mas o Antigo Testamento não prescreve nem os elementos nem as formas da adoração na igreja da nova aliança.

Nesse sentido, o Novo Testamento provê uma nova constituição para o povo de Deus da nova aliança, assim como muito do Antigo Testamento serviu como a constituição para o povo de Deus sob a antiga aliança. Deus tem um único plano de salvação e um único povo a salvar, mas o modo como o povo de Deus se relaciona com ele mudou radicalmente após a vinda de Cristo e o estabelecimento da nova aliança.

É por isso que precisamos empregar todas as ferramentas da teologia bíblica — agregando as alianças, traçando as conexões entre tipo e antítipo, observando promessas e cumprimentos, delineando continuidades e descontinuidades — a fim de chegarmos a uma teologia da adoração congregacional. Como o povo de Cristo da nova aliança, habitados pelo Santo Espírito da promessa, nós adoramos em Espírito e em verdade, de acordo com os termos que o próprio Deus especificou na Escritura.


Tradução: Vinícius Silva Pimentel

Revisão: Vinícius Musselman Pimentel

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.

Notas:

[1] Para uma teologia bíblica da adoração que influenciou profundamente minha abordagem neste texto, ver David Peterson, Engaging with God: A Biblical Theology of Worship (Downers Grove: InterVarsity Press, 1992) [N.T.: Sem tradução em português].
[
2] Para uma introdução básica ao enredo bíblico que usa como lente primária o tema de Deus congregando o seu povo, ver Christopher Ash, Remaking a Broken World: A Fresh Look at the Bible Storyline (Milton Keynes, UK: Authentic, 2010) [N.T.: Sem tradução em português].

[3] Para mais acerca da trajetória do templo no decorrer de todo o cânon, ver G. K. Beale, The Temple and the Church’s Mission: A Biblical Theology of the Dwelling Place of God, New Studies in Biblical Theology 17 (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2004) [N.T.: Sem tradução em português].

[4] Para breves defesas do princípio regulador, ver Jonathan Leeman, “Regulative Like Jazz,” [N.T.: Sem tradução em português], e os três primeiros capítulos do livro Give Praise to God: A Vision for Reforming Worship, ed. Philip Graham Ryken, Derek W. H. Thomas, e J. Ligon Duncan, III (Phillipsburg, NJ: Presbyterian & Reformed, 2003) [N.T.: Sem tradução em português] [N.E.: em português, veja o artigo O Princípio Regulador do Culto de Matthew McMahon].

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

ESTUDO DA VIDA DE JESUS – PARTE 2 – ESTUDO 035 — A DIVINDADE DE JESUS SEGUNDO O EVANGELHO DE JOÃO — PARTE 002


Essa é uma série cujo propósito é estudar, com profundidade, a vida do Senhor Jesus como apresentada nos quatro Evangelhos. No final de cada estudo você irá encontrar links para outros estudos. A Série tem o título Geral de: Jesus Confronta a Religião, a Sociedade e a Cultura.

Jesus Confronta a Religião, a Sociedade e a Cultura.

Lição 035 – OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 009.

II. O Prólogo do Evangelho de João – João 1:1—18 — Continuação

C. Exposição de João 1:1—18 — Continuação.


2. João 1:2 - Ele estava no princípio com Deus.

A. Como uma espécie de reafirmação da divindade do Senhor Jesus, a apóstolo João nos oferece o verso 2. Neste verso temos numa frase apenas, a repetição de todo o conteúdo de João 1:1. Precisamos nos lembrar que a expressão “princípio” aqui, como no verso 1, não está fazendo referência ao momento quando as coisas e os seres começaram a ser criados. Mas, pelo contrário, ela faz referência à eternidade que existia antes da criação. E João, de forma mais simples possível, nos diz que o verbo já estava lá com Deus. Ele não veio a estar com Deus, como se houvesse sido criado, mas já estava com Deus na eternidade. Essa verdade é afirmada pelo Senhor Jesus em —

João 17:5

E, agora, glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo.

Este autor não entende o exercício insano de todos aqueles que querem negar o fato de que o Senhor Jesus Cristo é Deus.

B. As implicações teológicas da afirmação Joanina no verso 2 são como seguem:

1. Com respeito à essência e substância: O Verbo era Deus, mas ao mesmo tempo uma pessoa distinta em substância porque o Verbo estava com Deus. Mas como o Verbo era também o próprio Deus, então possuía a mesma substância. Não pretendemos, realmente, entender estas coisas, porque achamos que seria muita pretensão tentar “entender” Deus —

Hebreus 1:3

Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas.

2. Com respeito à felicidade ou gozo: Pai e Verbo são idênticos no gozo ou alegria que desfrutavam antes da criação – ver João 17:5 acima.

3. Com respeito ao “conselho” ou “desígnio”: o apóstolo Paulo nos diz que a salvação era um mistério que estava oculto em Deus antes da criação dos mundos —

Efésios 3:9

E manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas.


No tempo determinado por Deus, o Verbo em forma de Jesus veio para nos conduzir a Deus —

1 Pedro 3:18

Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito.

de tal forma que o Pai e Verbo mantêm plena afinidade nesta questão —

Zacarias 6:12—13

12 E dize-lhe: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Eis aqui o homem cujo nome é Renovo; ele brotará do seu lugar e edificará o templo do SENHOR.

13 Ele mesmo edificará o templo do SENHOR e será revestido de glória; assentar-se-á no seu trono, e dominará, e será sacerdote no seu trono; e reinará perfeita união entre ambos os ofícios.

Mateus 11:27

Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

O motivo principal porque a Bíblia nos ensina que o Messias — Jesus vinha da parte de Deus é exatamente porque “Ele estava no princípio com Deus”.

C. Mas João 1:2 cumpre outro propósito. Ele serve de transição na discussão entre o ser pessoal representado pelo Verbo e Sua manifestação na obra da criação. Para João, inspirado pelo Espírito Santo, as coisas são bem naturais e lógicas: Se esse mesmo Verbo e não outro, era Deus mesmo, e se esse Verbo estava em plena comunhão com Deus no princípio, então nada mais evidente do que a conclusão que segue de que “todas as coisas foram feitas por Ele” — ver João 1:3. De forma sutil o evangelista atribui ao Verbo a vontade, a sabedoria, o conhecimento e a força necessárias para implementar a criação. Como criador fica evidenciado seu estreito relacionamento com as coisas e os seres criados, especialmente os seres humanos. É a criação que faculta a encarnação e trabalho redentor do Verbo na forma de Jesus. A relação entre criação e redenção muitas vezes não é enfatizada o suficiente no nosso meio, mas está implícita em versos tais como —

Isaías 46:4

Até à vossa velhice, eu serei o mesmo e, ainda até às cãs, eu vos carregarei; já o tenho feito; levar-vos-ei, pois, carregar-vos-ei e vos salvarei.

A redenção só é possível por causa da criação. O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus e está destinado a ter esta imagem plenamente restaurada mediante a obra redentora do Verbo em forma de Jesus.

CONTINUA...

Outros estudos acerca da vida de Jesus — PARTE 2 podem ser encontrados nos links abaixo:
001 — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 027 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 001 — A PLENITUDE DO TEMPO
002 — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 028 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 002 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE LUCAS — LUCAS 1:1—4
003 — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 029 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 003 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18.
004 — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 030 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 004 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 002
005 — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 031 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 005 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 003
006 — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 032 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 006 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 004

007A — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 033A — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 007A — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 005A — A DIVINDADE DE JESUS E A IGREJADE JESUS CRISTO DOS SANTOS DOS ÚLTIMOS DIAS OU IGREJA DOS MÓRMONS.
007B — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 033B — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 007B — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 005B — A DIVINDADE DE JESUS E AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
007C — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 033C — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 007C — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 005C — A DIVINDADE DE JESUS E OS ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA
007D — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 02 — ESTUDO 033D — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 007D — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 005D — A DIVINDADE DE JESUS E  IGREJA CATÓLICA APÓSTÓLICA ROMANA — PARTE 001
007E — Estudos Na Vida de Jesus — PARTE 002 — ESTUDO 033E — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 007E — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 007E — A DIVINDADE DE JESUS E  IGREJA CATÓLICA APÓSTÓLICA ROMANA — PARTE 002
008 — Estudos na Vida de Jesus — PARTE 002 — ESTUDO 034 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 008 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 008 — A DIVINDADE DE JESUS COMO APRESENTADA PELO EVANGELHO DE JOÃO — PARTE 001
009 — Estudos da Vida de Jesus – PARTE 2 – ESTUDO 035 — OS PRÓLOGOS AOS EVANGELHOS — 009 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE JOÃO — JOÃO 1:1—18 — PARTE 009 A DIVINDADE DE JESUS SEGUNDO O EVANGELHO DE JOÃO — PARTE 002

Que Deus abençoe a todos. 

Alexandros Meimaridis 

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.




quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

DAVID MIRANDA: APARIÇÃO FANTASMAGÓRICA FLAGRADA EM SEU VELÓRIO

Corpo de David Miranda jaz em seu caixão. 

E o besteirol que não têm fim continua a todo vapor. Agora as redes sociais estão reproduzindo aos borbotões imagens, supostamente tiradas durante o velório do falecido Davi Miranda, de um personagem fantasmagórico. E pior, acusam Deus de ter enviado a alegada figura fantasmagórica ao velório, na tentativa inglória, de “provar” que o herético pregador era mesmo um homem de Deus. Ora isso não é mais nem mesmo pentecostalismo, já é puro espiritismo mesmo. A Igreja Pentecostal Deus é Amor que nunca teve a verdade como sua maior aliada está pronta para se transformar numa mistura de pentecostalismo com espiritismo. Vamos aguardar para ver o que vai acontecer

A Bíblia é bem clara quanto a essa questão: OS MORTOS NÃO VOLTAM.

Hebreus 9:27

E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo.

Reproduzimos abaixo as fotos fantasmagóricas, alegadamente tiradas durante o velório do falso profeta Davi Miranda:





OUTROS ARTIGOS ACERCA DA IPDA E DAVI MIRANDA




Que Deus abençoe a todos

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:




Desde já agradecemos a todos. 

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM CIENTOLOGIA?

 

A cientologia é uma religião inventada pelo estadunidense L. Ron Hubbard  em 1954, mas é uma religião voltada, exclusivamente para pessoas que têm muito dinheiro. Esse talvez seja o principal motivo porque a mesma nunca emplacou no Brasil. Mesmo assim vale à pena conhecer um pouco da história da mesma, uma vez que ela reflete a incansável e insaciável vontade humana de resolver as suas mais profundas necessidades por meio da invenção de religiões.

O material abaixo foi publicado pelo site da Revista VEJA.

ENTENDA A CIENTOLOGIA

1. Autodefinição


 A cientologia se define como uma religião que prega o uso do poder da mente para driblar sofrimentos da vida moderna, como o estresse, a ansiedade, a agressividade e o pessimismo. A prática é baseada na teoria Dianética, criada pelo fundador da cientologia, o escritor de ficção científica L. Ron Hubbard, em 1954. A seita acredita que o homem é um ser imortal que passa por diversas experiências até atingir a iluminação. Críticos da cientologia a definem como uma organização que vende serviços de autoajuda e livros sob a fachada de religião.

2. Criação do Universo


A principal crença da cientologia une devaneios de ficção científica à teoria sobre a origem do universo. De acordo com a seita, os seres humanos são extraterrestres que chegaram à Terra há 75 milhões de anos. O vilão das galáxias, lorde Xenu, comandava 76 planetas e sofria com a superpopulação. Então, teve a ideia de mandar alguns bilhões de extraterrestres para um planeta desabitado, a Terra. Para enganar a população, Xenu convocou os cidadãos-alienígenas para inspeções tributárias. Quem comparecesse ao chamado era surpreendido com uma injeção de substância paralisante para ser congelado e colocado em naves espaciais rumo à Terra. 

3. Fundador


Fundada em 1954 pelo ex-militar e autor de ficção científica L. Ron Hubbard, morto em 1986, a religião tem 10.000 igrejas em 167 países e reúne 15 milhões de seguidores. Os dogmas e princípios são ensinados exclusivamente através dos livros escritos por Hubbard. De acordo com a igreja, o livro Dianética: O Poder da Mente,  lançado em 1950, vendeu 22 milhões de cópias e figurou na lista de best-sellers nos Estados Unidos por quatro décadas. Há indícios, porém, de que a própria igreja comprava a obra em grandes quantidades para mantê-la nas listas dos mais vendidos. Hubbard, conhecido pelas iniciais LRH, é descrito em biografias oficiais como físico nuclear e oficial da Marinha americana, mas, na realidade, ele fez um curso de quatro meses de administração militar na Escola de Treinamento Naval, em Princeton, e apenas dois anos da faculdade de Engenharia de George Washington e foi reprovado nas aulas de física molecular e atômica.  

4. Política


Livre de orações, símbolos ou cultos, a cientologia é praticada no dia a dia através de ações. A iniciação se dá pelo ritual de purificação, em que os adeptos se livram dos traumas e pensamentos negativos do passado. Dessa forma, a pessoa adquire os mesmos poderes dos deuses mitológicos e torna-se capaz de manipular o espaço e o tempo. Essa capacidade, porém, só é possível atingir ao ler todos os livros de Hubbard, feito alcançado apenas por apenas 10% dos cientologistas, de acordo com estimativas da organização. Para atrair seguidores, membros da igreja fazem plantão em estações de metrô e outros locais públicos para oferecer medição do estresse.

5. Bizarrices


A seita não permite a seus seguidores uma série de coisas, entre elas tomar remédios como analgésicos e antidepressivos, que, teoricamente, atrapalham a conexão do indivíduo com o ser supremo. A cientologia persegue os fundamentos da psicologia e da psiquiatria e taxa os pensamentos de Freud e Jung como nazistas, apesar de Freud ter sido judeu e obrigado a fugir da Áustria por causa do nazismo. Ainda segundo a doutrina cientológica, as mulheres devem dar à luz em casa, sem anestesia e em absoluto silêncio. Gritos de dor traumatizariam a criança. 

6. Escândalos


Em 1977, líderes e integrantes da cientologia foram investigados pelo FBI e acusados de terem invadido 136 órgãos governamentais americanos para violar documentos que provariam contravenções da seita, como débitos na Receita Federal. Sete cientólogos foram presos, entre eles Mary Sue, a segunda mulher de L. Ron Hubbard. O escândalo foi deflagrado após denúncia de Michael Meisner, cientólogo mantido refém por outros membros da igreja antes de fugir e relatar suas atividades criminais à polícia. As ações criminosas praticadas por membros da igreja e outras críticas pesadas à organização foram detalhadas no livro O Escândalo da Cientologia, de Paulette Cooper, lançado em 1971 e até hoje combatido fortemente pelos seguidores da religião.

O artigo original do site da VEJA poderá ser visto por meio desse link aqui:


Que Deus Abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.