quarta-feira, 19 de abril de 2017

ATOS DOS APÓSTOLOS - SERMÃO 026 – ESTÊVÃO E O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA LEI DE MOISÉS E DO TEMPLO EM JERUSALÉM



Jesus expulsando os vendilhões.
Antes de 1570. Por El Greco, atualmente na National Gallery of Art, em Washington D.C..


Esse material é parte de uma série de mensagens pregadas no Livro dos Atos dos Apóstolos. As mensagens cobrem todos os 28 capítulos do Livro de Atos e no final de cada mensagem, você poderá encontrar links para outras mensagens.


Texto: Atos 6:13—15
Introdução

A. Na última mensagem vimos como Estevão foi arrebatado por uma multidão enfurecida e levado para o Sinédrio que era o a corte superior dos judeus.

B. Também vimos que Estevão é caracterizado nas páginas do livro de Atos como um homem: ver Atos 6:3 e 8

1. De boa reputação.

2. Cheio do Espírito Santo.

3. Cheio de Sabedoria.

4. Cheio de graça, i. e., de uma personalidade graciosa parecida com a do próprio Senhor Jesus.

5. Cheio de poder que era capaz de fazer prodígios e sinais entre o povo.

C. Nosso texto de hoje acrescenta que o rosto de Estevão era como se fosse o rosto de um anjo – ver Atos 6:15.

D. Independentemente de todas essas qualidades as mais terríveis acusações foram feitas contra Estevão diante do Sinédrio por falsas testemunhas, apesar da graves advertências da Lei de Moisés contra tal prática — ver Êxodo 20:16; Deuteronômio 5:20.  

E. É nosso desejo entender no quê, exatamente, consistiam essas acusações e se elas tinham ou não verdadeiro fundamento, pois eram...   

ESTÊVÃO E SEU ENTENDIMENTO ACERCA DE CRISTO, DA LEI DE MOISÉS E DO TEMPLO EM JERUSALÉM

I. O Lugar Santo e a Lei.

A. Para entender o Novo Testamento é necessário compreender como os judeus viam a si mesmos e suas tradições. Eles se orgulhavam:

1. De serem descendentes de Abraão — ver Lucas 3:7—8; João 8:31—59.

2. De carregarem no corpo o sinal da aliança estabelecido pelo próprio Deus: a circuncisão — ver Deuteronômio 10.16; Jeremias 4:4.

3. De terem recebido a Lei de Deus — ver Romanos 2:17—24.

4. De possuírem o Templo em Jerusalém, o local onde Deus prometeu colocar seu nome = sua presença, conforme palavras faladas a Davi — ver 2 Crônicas 6:6.

B. Mas, como podemos ver pelas referências acima, todos esses privilégios só faziam sentido se fossem acompanhados por uma vida de obediência e santidade — ver Levítico 11:45; 1 Pedro 1:16. E também, de verdadeira conversão e prática da justiça — ver Joel 2.12—13; cp. Isaías 58:3—8.

C. Mas ignorando essas realidades espirituais, os judeus se apegavam aos símbolos externos — templo e lei conforme verso 14 — desprezando as realidades mais profundas para as quais essas coisas apontavam: a vinda do Messias e o estabelecimento do Reino de Deus entre todos os seres humanos.

D. Para eles, criticar a Lei ou o Templo era o mesmo que falar mal do próprio Deus, um pecado passível de receber a pena de morte.

E. Mas nesse caso, tudo não passava da mais completa hipocrisia — ver Salmos 78:34—39.

II. Jesus e a Lei que Regulava a Aliança entre o Povo de Israel e Deus.

A. Deus libertou o povo de Israel da escravidão do Egito na mesma noite em que celebraram a páscoa do Senhor e Deus executou um severo juízo sobre os egípcios exterminando todos os filhos primogênitos do Egito — ver Êxodo 12:29—51.

B. Depois Deus estabeleceu uma aliança com o povo de Israel – ver Êxodo 19:1—8. Por essa aliança:

1. O povo de Israel seria o povo de Deus.

2. O Deus verdadeiro seria o Deus do povo de Israel.

C. Por fim, Deus concedeu sua Lei para regular o relacionamento dos Israelitas com o próprio Deus e uns com os outros — ver Êxodo 20 — Deuteronômio 34:12.

1. A lei continha 613 mandamentos.

2. Uma versão menor pode ser vista nos Dez Mandamentos com sua ênfase no relacionamento vertical — primeiros quatro mandamentos — e no horizontal — os seis últimos.

3. Por fim, a lei podia ser resumida em dois grandes mandamentos:

Deuteronômio 6:5

Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.

Levítico 19:18

Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.

D. O povo de Israel violou todos os mandamentos do Senhor — ver 2 Reis 17:16 – e, com isso, tornou a aliança com Deus, completamente nula — ver Jeremias 31:32.

E. Mas Deus prometeu fazer uma nova aliança onde sua Lei não seria mais escrita em tábuas de pedras e sim nos corações do seu povo — ver Jeremias 31:31—33.

F. Jesus veio para cumprir a Lei de Deus — ver Mateus 5:17. Mas ao mesmo tempo em que veio para cumprir, o que ele fez de fato — ver 1 Pedro 2:22 —. Jesus também representava o fim da mesma — ver Romanos 10:4.

G. Essa era uma verdade muito amarga para todos que queriam se orgulhar na Lei — ver Jeremias 9:23—24.

III. Jesus e o Templo

A. Muitos Judeus consideravam o templo um privilégio enorme. Como falamos antes, muitos judeus da dispersão voltavam para Jerusalém para poder morrer ali, perto do Templo de Deus. Tudo isso não passava de pura superstição e orgulho de gente abestada.

B. O local onde morremos é indiferente. O que importa é o tipo de vida que vivemos.   

C. O Templo, onde o nome de Deus estava colocado, representava a presença do próprio Deus no meio do seu povo. Mas note...

1. Jesus era o próprio Deus no meio do seu povo. Não uma construção onde apenas o seu nome estava colocado, mas a própria pessoa de Deus habitando no meio deles, mesmo que não quisessem reconhecê-lo.

2. Por isso Jesus podia afirmar que ele mesmo era maior que a Lei e maior até que o próprio Templo — ver Mateus 12:5—8.

D. De acordo com Jesus, Ele mesmo, era o templo de Deus — ver João 2:13—22.

E. Deus não deseja ser adorado em um local fixo, nem por meio de rituais elaborados. Com o advento de Jesus:

1. Deus poderia ser adorado em qualquer lugar —

Mateus 18:20

Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.

2. Os adoradores que Deus procura são aqueles que o adorem em Espírito e em verdade — ver João 4.23—24.

F. Estevão compreendeu as implicações que a manifestação de Jesus, o Messias, o Filho de Deus, tinha tanto para a Lei quanto para o Templo. Ele foi o primeiro cristão a entender e a ensinar de modo franco e aberto essas verdades. Falaremos mais acerca disso nas próximas mensagens.

G. Já na próxima mensagem vamos começar a analisar a profundidade da compreensão que Estevão tinha acerca da vinda do Messias.

Conclusão

A. Meus irmãos e irmãs, nós não estamos mais debaixo de nenhum regulamento da Antiga Aliança. Nosso compromisso é com a Nova Aliança. Com a fé em Jesus para salvação e a obediência aos ensinamentos de Jesus e de seus apóstolos inspirados pelo Espírito Santo, contidos no Novo Testamento. Quanto ao Antigo Testamento devemos considerar as seguintes Escrituras:

Romanos 15:4

Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança.

1 Coríntios 10:1—12

Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo. Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto. Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito: O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se. E não pratiquemos imoralidade, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil. Não ponhamos o Senhor à prova, como alguns deles já fizeram e pereceram pelas mordeduras das serpentes. Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador. Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado. Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.

B. Como cristãos nós somos:

1 Coríntios 3:16

Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?

1 Coríntios 12:27

Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.

Romanos 12:5

Assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros.

C. É nossa responsabilidade:

1. Adorar a Deus nos termos que ele mesmo estabelece: em espírito e em verdade.

2. Cuidar uns dos outros como verdadeiros irmãos e membros do seu corpo.

D. Temos que entender, de uma vez por todas que:

1. Jesus nos liberta por completo do jugo da Lei da Antiga Aliança — ver Gálatas 5.1, 13.

2. Como membros uns dos outros precisamos exercitar o amor com que devemos amar uns aos outros até as últimas consequências —


1 João 3:16

Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos.

E. Que Estevão possa ser nosso exemplo na compreensão da dimensão daquilo que Jesus Cristo veio fazer e daquilo que Jesus representa.

OUTRAS MENSAGENS DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS

SERMÃO 001 — INTRODUÇÃO AO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS — Lucas 1:1—4 e Atos 1:1—2

SERMÃO 002 — INTRODUÇÃO AO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS — PARTE 2 — Lucas 1:1—4 e Atos 1:1—2

SERMÃO 003 — A TRANSIÇÃO DO VOLUME ANTERIOR — Atos 1:1—5

SERMÃO 004 — A NOVA DIREÇÃO EXPLICADA — Atos 1:6—8

SERMÃO 005 — A ASCENSÃO DE JESUS — Atos 1:9—11

SERMÃO 006 — PERSEVERANDO UNÂNIMES — Atos 1:12—26

SERMÃO 007 — O DIA DO PENTECOSTES – PARTE 001 — Atos 2:1—4

SERMÃO 008 — O DIA DO PENTECOSTES – PARTE 002 — Atos 2:5—15

SERMÃO 009 — A PROFECIA DE JOEL — Atos 2:14—21

SERMÃO 010 — O PRIMEIRO SERMÃO — PARTE 001 — Atos 2:22—36

SERMÃO 011 — O PRIMEIRO SERMÃO — PARTE 002 — Atos 2:37—41

SERMÃO 012 — A VIDA DOS PRIMEIROS CRISTÃOS — Atos 2:42—47

SERMÃO 013 — A VIDA DOS PRIMEIROS CRISTÃOS — Atos 2:42—47 — PARTE 002

SERMÃO 014 — A CURA DE UM PARALÍTICO DE NASCENÇA — Atos 3:1—10

SERMÃO 015 — A EXALTAÇÃO DE JESUS E A CONDENAÇÃO DOS HOMENS — Atos 3:11—21

SERMÃO 016 — SALVAÇÃO E REFRIGÉRIO: BÊNÇÃOS DAS DUAS VINDAS DE JESUS— Atos 3:17—21

SERMÃO 017 — JESUS CUMPRE AS PROFECIAS DO ANTIGO TESTAMENTO — Atos 3:22—26

SERMÃO 018 — INÍCIO DAS PERSEGUIÇÕES — Atos 4:1—22

SERMÃO 019 — A IGREJA ORA EM COMUNHÃO — Atos 4:23—31

SERMÃO 020 — A IGREJA VIVE EM COMUNHÃO — Atos 4:32—37

SERMÃO 021 — ANANIAS E SAFIRA — Atos 5:1—11

SERMÃO 022 — A COMUNIDADE DOS CRENTES — Atos 5:12—16

SERMÃO 023 — PRISÃO, JULGAMENTO, AÇOITES = ALEGRIA E O PARECER DE GAMALIEL — Atos 5:17—42

SERMÃO 024 — DIVERSIDADE DE DONS = CRESCIMENTO DA IGREJA — Atos 6:1—7

SERMÃO 025 — UM HOMEM CHAMADO ESTÊVÃO — Atos 6:8—12
SERMÃO 026 — ACUSAÇÕES CONTRA UM HOMEM HONESTO — Atos 6:13—15

SERMÃO 027 — A DEFESA DE ESTÊVÃO E O DEUS DA GLÓRIA — Atos 7:1—8

SERMÃO 028 — A DEFESA DE ESTÊVÃO E A MOBILIDADE DE DEUS — Atos 7:9—16
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2017/04/atos-dos-apostolos-sermao-028-defesa-de.html

SERMÃO 029 – A DEFESA DE ESTEVÃO – Parte 3 — Atos 7:17—43

Que Deus abençoe e nos ajude a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:

Desde já agradecemos a todos 

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário