quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

ROMANOS 8:38—39 — NOSSA RIQUEZA EM CRISTO — 006: NADA PODE NOS SEPARAR DO AMOR DE DEUS “EM CRISTO”.






Esse artigo é parte da série "Em Cristo" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa série, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará links para os outros artigos dessa série.

6 – Romanos 8:38 – 39Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Porque eu estou bem certo — Paulo possuía uma certeza inabalável que pelo fato de estar “em Cristo” não havia absolutamente nada que o pudesse separar do amor de Deus. Ele cita algumas destas coisas a saber:

De que nem a morte — A expressão grega θάνατος thánatos — morte possui um sentido muito amplo que inclui: o medo da morte, as dores e situações torturantes das cenas de morte, as provas e as perseguições mais cruéis, etc. Ou seja, para Paulo, a morte, em nenhuma das suas formas, pode nos separar do amor de Deus em Cristo — ver Hebreus 2:14—15.

Nem a vida — Essa expressão parece, em um primeiro momento, deslocada ou fora do contexto. Mas a intenção de Paulo era indicar: a esperança de vida; o amor pela vida; a oferta de continuar vivo feita pelos perseguidores sob a condição de negar nossa fé cristã. Essas situações evidentemente se referem a tempos de perseguição. Naqueles dias não era incomum os perseguidores oferecerem “vida” aos cristãos, sob a condição deles abandonarem o Salvador e oferecerem sacrifícios aos ídolos ou ao imperador romano, que se considerava um Deus e digno de ser adorado. Esses sacrifícios se resumiam a oferecer uns poucos grãos de incenso diante da imagem de algum ídolo ou do imperador, mas nossos irmãos se recusavam a praticar mesmos gestos tão pequenos de idolatria. A oferta de vida baseada em condições tão singelas não poderia em nenhuma hipótese aliená-los do amor de Cristo. O estado reagia de maneira brutal diante de tanta demonstração de “desprezo” à oferta de “vida”.

Nem os anjos — Nós sabemos que existem anjos bons e anjos maus. Anjos fiéis a Deus e anjos caídos. Por este motivo tome muito cuidado quando alguém lhe disser “você é um anjo”. De que tipo de Anjos estaria Paulo falando? Nós sabemos que os Anjos bons são ministros de Deus a serviço dos santos — ver Hebreus 1:13—14. Isto cria um sério obstáculo a pensarmos que os mesmos poderiam ser a causa de nos vermos separados do amor de Deus. Além do mais, a lista de Paulo tem conotações negativas o que faria parecer um contra-senso da parte dele citar algo com conotações positivas no meio desta lista. Por outro lado, nós sabemos que no Novo Testamento a expressão grega ἀγγέλοις angélois – anjos é usada para se referir a espíritos imundos como, por exemplo, em:

  • Mateus 25:41 - Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. 

  • 1 Coríntios 6:3 - Não sabeis que havemos de julgar os próprios anjos? Quanto mais as coisas desta vida!

Assim temos que os anjos aos quais Paulo se refere são os anjos caídos que são também chamados de demônios no Novo Testamento. Estes anjos, por mais sagazes ou poderosos que sejam não podem nos separar do amor de Deus em Cristo. Estes espíritos malignos normalmente estão classificados juntamente com as autoridades humanas e são chamados de “principados e poderes”.

Nem os principados A palavra grega ἀρχαὶ archaì — principados, normalmente se refere a magistrados civis ou governadores. Mas em alguns contextos a mesma é também aplicada aos anjos maus ou caídos, quando se diz que os mesmos possuem poder, domínio ou ascensão sobre pessoas humanas — ver Efésios 6:12 — Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. O ensino bíblico é bem claro acerca do poder e influencia destes principados e potestades sobre os crentes. De acordo com o apóstolo Paulo em Colossenses 2:15 o Senhor Jesus conseguiu uma vitória tão acachapante contra estas entidades que as despojou[1] completamente e, publicamente, as expôs ao desprezo triunfando delas na Cruz. Todavia estas entidades não serão completamente destruídas até que venha o fim de todas as coisas que conhecemos – ver 1 Coríntios 15:23—24. É fato que quando Jesus voltar ele vai destruir não somente os principados e potestades representados pelos anjos caídos como também irá destruir todos os magistrados e governadores da terra que são os elementos, por excelência, por meio dos quais as entidades espirituais manifestam e executam seus perversos planos.

Nem as coisas do presente Paulo está se referindo tanto à perseguição quanto as calamidades às quais estamos sujeitos. Nenhuma destas coisas podem nos separar do amor de Deus.

Nem do porvir — Provavelmente uma referência a dificuldades que jaziam ainda no futuro. Esta expressão indica a profunda convicção de Paulo que, absolutamente nada, pode nos separar do amor de Deus em Cristo.

Nem os poderes — A palavra grega δυνάμεις dunámeis — poderes, é sinônima da expressão ἀρχαὶ archaì — principados e como tal serve para designar aqueles indivíduos investidos de autoridade públicao, i.e., alguém a quem foram delegados os poderes da nação ou do poder central, para governar ou distribuir justiça. No Novo Testamento esta mesma palavra é também usada para designar os espíritos maus que possuem poder sobre seres humanos — ver 1 Coríntios 15:24 onde as expressões ἀρχαὶ archaì — principados, δυνάμεις dunámeis — poderes e ἐξουσίαν exousían – autoridade aparecem juntas.

Essa idéia de associar principados, poderes e autoridades civis com espíritos maus era muito comum entre os rabinos judeus. De fato, os judeus haviam desenvolvido uma angelologia — estudo das doutrinas referentes aos anjos bons e maus — extremamente elaborada e complexa. Dentro dessa angelologia os anjos eram qualificados e classificados em diversas ordens hierárquicas. Essas divisões, todavia, não tinham origem nas escrituras reveladas por Deus e sim em ordens religiosas esotéricas, muito comuns entre os judeus, principalmente no período entre os dois testamentos. O Novo Testamento concorda com o conceito de que esses seres estão intimamente relacionados com aqueles que detêm o poder nesse mundo caído i.e., as autoridades constituídas. Este motivo torna muito mais perigosas todas aquelas autoridades que procuram se imbuir de autoridade divina como vemos em governantes radicais – como é comum em governantes autocráticos, mesmo eleitos, quando afirmam coisas como: deus está do nosso lado — e fanáticos — como os muçulmanos quando dizem que todos aqueles que não pertencem a nossa religião — deles — são infiéis e merecem morrer. 

Para nós como crentes “em Cristo” deve ser o suficiente saber que esses seres, por mais poderosos e sagazes que sejam, não podem nos separar do amor de Deus. Por outro lado nós também precisamos entender que em relação a nós mesmos estes seres foram completamente derrotados e expostos ao desprezo pelo Senhor Jesus. Devemos parar de atribuir a esses seres qualquer desvio de caráter que porventura exista em nós. Temos que nos olhar fixamente no espelho e dizer para nós mesmos: preciso parar de culpar as hostes espirituais do mal e assumir meus erros como sendo fruto da minha própria vontade e carnalidade!

Nem a altura — Muito se tem especulado acerca do significado desta expressão. Alguns acham que a mesma se refere aos espíritos malignos que existem no ar; outros acham que se refere a altas especulações doutrinárias; outro ainda ao céu e tudo o que existe nos céus. Talvez a interpretação mais coerente seja aquela que vê nesta expressão um sinônimo com prosperidade, honra e exaltação nesta vida. O significado então seria que nenhuma situação em que o cristão possa se encontrar, por mais exaltada que seja nesta vida, rodeado de fama, riqueza, honra e esplendor poderá aliená-lo do amor de Deus. A tendência destas coisas é a de alienar a mente, embrutecer os sentimentos e ocupar o tempo. Mas o apóstolo Paulo diz que mesmo essas coisas, não são capazes de nos afastar do amor de Deus em Cristo.

Nem a profundidade — Isto é, nem as circunstâncias mais baixas tais como depressão — o que pode ser mais baixo? — pobreza, desprezo e necessidades. Nenhuma destas coisas é capaz de nos separar do amor de Deus em Cristo.

Nem qualquer outra criatura – Paulo se refere a todas as coisas criadas por Deus e que existem neste vasto universo em que vivemos. Essa pequena frase demonstra a inabalável confiança de Paulo na permanência do amor de Deus.

Em função destas afirmativas podemos concluir:

  • A maior honra que pode ser dada a um ser humano é conceder-lhe a prerrogativa ou privilégio de tornar-se cristão. 

  • Nossas dificuldades nesta vida não são dignas de serem comparadas com a glória futura – ver 1 Pedro 1:11; Hebreus 12:2 e Romanos 8:18. 

  • Mesmo as maiores calamidade em nossas vidas devem ser encaradas sem murmurações. 

  • Como crentes nós estamos cercados de toda a segurança e cuidados. Começando com o propósito de Deus — Efésios 1:3—14 — e passando pela obra terminada — consumada — João 19:30 — de Jesus, a comunhão do Consolador — o Espírito Santo tem para nós exatamente a mesma função que o Senhor Jesus tinha para seus discípulos — João 14:16—18 — e a certeza de que Deus cuida de nós nos mínimos detalhes — ver Lucas 12:7 — e controla completamente as circunstâncias ao nosso redor. Por todas estas razões somos exortados a “desenvolver nossa salvação com temor e tremor” – ver Filipenses 2:12. 

  • Precisamos nos aproximar de Deus cada vez mais com gratidão em nossos corações e nossos lábios transbordantes de louvores. 

O comentarista bíblico Matthew Henry — viveu entre 1662—1714 — se propôs a escrever o primeiro comentário completo da Bíblia inglesa, mas sua morte prematura o encontrou quando escrevia sobre a epístola aos Romanos. Seu trabalho foi concluído por seus associados. Em seu comentário no final desses versículos Matthew Henry conta a seguinte história: O Sr. Hugh Kennedy, um cristão eminente da cidade de Ayr na Escócia, quando estava à beira da morte pediu que lhe trouxessem uma Bíblia, mas tendo dificuldade para enxergar, pediu: “abram a Bíblia no capítulo oito de Romanos e coloquem meu dedo exatamente sobre o texto que diz: “Porque eu estou bem certo de que nem a morte...”, etc. Então, está meu dedo sobre essas palavras?”. Quando lhe foi dito que sim, ele se virou para seus filhos e disse: ”Que agora, meus filhos, Deus esteja com vocês; hoje eu tive o privilégio de tomar o café da manhã com vocês, e agora vou ceiar com meu Senhor Jesus esta noite!”. Terminadas essas palavras descansou e partiu para se encontrar com seu amado Senhor.

Que Deus abençoe a todos

LISTA DE OUTROS ESTUDOS DA SÉRIE “EM CRISTO”:

O estudo introdutório dessa série, número 000, pode ser encontrado aqui:

O estudo número 001 dessa série — Justificação Gratuita — pode ser encontrado aqui:

O estudo 002 dessa série — Nossa Identidade com Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 003 dessa séria — Mortos para o Pecado, Mas Vivos para Deus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 004 dessa série — O Salário do Pecado X o Dom Gratuito de Deus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 005 dessa série — Nenhuma Condenação em Cristo Jesus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 006 dessa série — Nada Pode nos Separar do Amor de Deus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 007 — Somos Membros uns dos Outros em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 008 — Santificados em Cristo Jesus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 009 — A Graça de Deus em Cristo Jesus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 010 — Somos de Deus em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 011 — Somos Espirituais em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 012 — Somos Loucos, Fracos e Desprezíveis Porque Estamos em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 013 — Somos Gerados em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 014 — Nossa Esperança em Cristo Não se Limita a Essa Vida Apenas — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 015 — Todos Serão Vivificados em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 016 — Todos São Amados em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 17 — Somos Todos Ungidos em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 18 — Não Mercadejamos a Palavra de Deus — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 19 — O Véu é Removido em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 20 — Somos Novas Criaturas em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 21 — Deus Estava em Cristo Reconciliando Consigo o Mundo — poderá ser encontrado aqui:

Os estudos 22 e 23 — Sendo Conhecido em Cristo — poderão ser encontrados aqui:

O estudo 24 — Nossa Liberdade em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

O estudo 25 — Justificação Pela fé em Cristo — poderá ser encontrado aqui:

Que Deus Abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos. 



[1] O dicionário Aurélio define “despojar” como: Privar da posse; espoliar, desapossar, despir.

2 comentários:

  1. Excelente! Deus o ilumine sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Vera,

      Obrigado por ler algo que escrevi e muito obrigado por tuas generosas palavras.

      Deus continue te abençoando sempre.

      Abraço,

      irmão Alex

      Excluir