domingo, 13 de setembro de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DE MADUREIRA LIBERA DIVÓRCIO PARA PASTORES, LÍDERES E MEMBROS



Os adultérios e os divórcios tornaram-se comuns no meio das chamadas Assembleias de Deus. Por isso em sua última reunião geral as Assembleias de Deus do Ministério Madureira, em grande parte controlada da família Ferreira decidiu alterar seu estatuto para permitir que seus pastores se divorciem e se casem novamente. Mas os perpetradores de tamanha perfídia contra o evangelho não deve se enganar, pois a Palavra de Deus continua valendo quando diz:

PARA MEDITAR

Malaquias 2:16 – na NTLH

Pois o SENHOR Todo-Poderoso de Israel diz: —Eu odeio o divórcio; eu odeio o homem que faz uma coisa tão cruel assim. Portanto, tenham cuidado, e que ninguém seja infiel à sua mulher.

Mateus 19:9

Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério e o que casar com a repudiada comete adultério.

Hebreus 13:4

Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.

E ainda:

Lucas 17:1—2

1 Disse Jesus a seus discípulos: É inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vêm!

2 Melhor fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e fosse atirado no mar, do que fazer tropeçar a um destes pequeninos.

O artigo abaixo foi publicado pelo site Gnotícias e é de autoria de Tiago Chagas.

Envolta em escândalos, Assembleia de Deus Madureira autoriza o divórcio de pastores

Tiago Chagas

A Igreja Assembleia de Deus Ministério Madureira oficializou a permissão para que seus pastores possam se divorciar e casar novamente. A decisão foi tomada no momento que a denominação enfrenta denúncias de que teria recebido valores desviados da Petrobras no escândalo de corrupção da empresa.

A Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil Ministério de Madureira (CONAMAD) alterou seu estatuto durante assembleia realizada entre os dias 08 e 11 de julho, passando a permitir que os pastores da denominação possam se divorciar.

O documento foi assinado pelo bispo Manoel Ferreira, presidente vitalício da CONAMAD; e pelos pastores Samuel Ferreira, 1º vice-presidente; Abigail Carlos de Almeida, 2º vice-presidente; Abner Ferreira, 3º vice-presidente; Oides José do Carmo, 4º vice-presidente; Amarildo Martins da Silva, 5º vice-presidente; e Josué de Campos, 1º secretário.

No texto, os líderes do Madureira dizem que a decisão foi tomada porque não se pode “ignorar que uma variedade de violência, incluindo abuso físico e/ou psicológico, adultério, abandono emocional e espiritual do relacionamento, vem por tornar insuportável a convivência matrimonial, se tornando imperiosa a dissolução do matrimônio”.

Os líderes da denominação reconhecem que “o ideal divino para o casamento é que ele seja uma união para a vida inteira” e que “a vida conjugal permanente é possível para o casal que esteja disposto a seguir os ensinamentos da Bíblia”.

De acordo com fontes do portal Padom, a decisão teria sido tomada devido ao grande número de pastores que estariam deixando suas esposas para casarem com mulheres “mais novas”. Tais cerimônias estariam sendo realizadas em segredo, para que os pastores vivessem com suas novas esposas até que os documentos do divórcio do primeiro casamento cumprissem os trâmites legais.

O caso decisivo para levar à decisão teria envolvido um dos pastores presidentes da denominação, que é tratado como “peixinho dos líderes”.

A Redação do Gospel+ tentou contato, via e-mail, com a assessoria de imprensa da Assembleia de Deus Madureira para obter um posicionamento sobre o caso e esclarecimento a respeito das afirmações veiculadas na imprensa, porém, até o fechamento desta matéria, o e-mail não foi respondido.

Veja abaixo, a íntegra da decisão da CONAMAD:

conamad 1

conamad 2

O artigo original poderá ser lido por meio desse link aqui:


OUTROS ARTIGOS ACERCA DE PRÁTICAS DE IMORALIDADES SEXUAIS
















































Que Deus tenha misericórdia de todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:

http://www.facebook.com/pages/O-Grande-Diálogo/193483684110775

Desde já agradecemos a todos. 

2 comentários:

  1. Joel Carvalho - DF2 de novembro de 2015 06:24

    Sem oficializar esse permissivo, o divórcio e novas núpcias já vinham ocorrendo despudoradamente. Oficializado assim, então, vai virar mesmo a "casa da mãe Joana". Enfim, esses sujeitos estão apenas preocupados em não perder dízimos e templos, de fiéis e pastores, que adotando esse comportamento exigem, contra a Escritura, que, em não sendo aceitos, abandonarão o segmento indo para outro "redil", ou, no caso de falsos pastores, carregarão as ovelhas já convencidas de que sua postura anti-bíblica é aceitável, sempre colocando a culpa em sua ex-esposa. E, nesse último caso, a prova de que esses sujeitos são caras-de-pau, é o fato de que eles nunca contraem núpcias com uma viúva ou mulher com a mesma idade da anterior; sempre é com um novinha; de preferência com a metade da idade da ex, ou, ainda, como no caso do Jabes Alencar, com a mesma idade que ele tinha do casamento extinto: 35 anos. Aposto que nos bastidores eles devem dar boas risadas ao contarem suas luciferianas proezas, ao exibirem seus novos troféus, conseguidos dentro do rebanho. A essa altura, de cima do púlpito, é provável que um canalha desses já esteja de olho na próxima "ovelha" mais apetitosa(literalmente), quando ocorrer a devida e conveniente incompatibilidade com a atual e adulterina esposa. Conheço um caso desses aqui perto em Goiânia. O sujeito está no quinto relacionamento conjugal oficial, e com filhos em três deles. O menos pior, se é que pode haver isso, é que ele não pastoreia nenhum igreja, mas anda Brasil afora como "missionário".

    ResponderExcluir
  2. JOEL CARVALHO - DF3 de novembro de 2015 05:39

    Um adendo: Quando digo "...atual e adulterina esposa.", estou me referindo à esposa pós 1º casamento, claro, nos casos em que o adultério da 1ª esposa não foi a razão da ruptura matrimonial, única hipótese plausível para o divórcio.

    ResponderExcluir