terça-feira, 29 de setembro de 2015

PARÁBOLAS DE JESUS - LUCAS 15 — UMA EXEGESE ACERCA DA CONDIÇÃO DA PERDIÇÃO DA RAÇA HUMANA — O AMBIENTE E O ARRANJO DE LUCAS 15 — SERMÃO 035




Esse artigo é parte da série "Parábolas de Jesus" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa série, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará links para os outros artigos dessa série.

As três parábolas que encontramos em Lucas 15 estão intimamente relacionadas. As três nos falam de algo que se perdeu e foi encontrado. As mesmas foram ensinadas por Jesus para mostrar a condição de perdição da raça humana e como a mesma pode ser redimida por Deus. As três parábolas são:

1. A Parábola da Ovelha Perdida.

2. A Parábola da Moeda — dracma — Perdida.

3. A Parábola do Pai e de Seus Dois Filhos Perdidos.

Nessas parábolas nós vemos Jesus lançando mão de um tema específico pra nos falar acerca da presença do Reino de Deus e da enorme compaixão de Deus. Desse modo essas três parábolas devem ser vistas, em primeiro lugar, como parábolas que enfatizam a graça e a responsabilidade, por causa daquilo que elas nos revelam acerca de Deus. Depois as mesmas devem sempre ser entendidas com relação ao próprio Reino de Deus.

O ARRANJO OU O AMBIENTE DE LUCAS 15

O ARRANJO QUE Lucas deu ao capítulo 15 do seu Evangelho tem a clara intenção de causar um efeito retórico em todos os que o leem. Quando entendemos isso, já demos um passo importante na interpretação de cada uma das parábolas. O fluxo do capítulo não é difícil de ser entendido:

1. Lucas 15:1—3 — Dá início a uma descrição editorial da razão porque essas parábolas foram proferidas. O motivo é a murmuração dos fariseus e dos escribas pelo fato do Senhor receber e sentar-se para comer com pecadores — devemos apenas notar que em Lucas 15:3 a expressão “parábola” está no singular.

2. Lucas 15:4—7 — Apresenta a Parábola da Ovelha Perdida.

3. Lucas 15:8—10 — Apresenta a Parábola da Moeda ou Dracma Perdida.

4. Lucas 15:11—32 — Apresenta a Parábola do Pai e de Seus Dois Filhos Perdidos.

Mateus coloca a Parábola da Ovelha Perdida num contexto completamente diferente e o pseudoepigráfico Evangelho de Tomé, também tem essa mesma parábola. As outras duas são exclusivas do Evangelho de Lucas.

Virtualmente todas as explicações da origem dessa coleção tem algum representante ou defensor —

1. Alguns argumentam que a tradição usada por Lucas já tinha reunido essas três parábolas numa única perícope[1].

2. Outros defendem a ideia que foi o próprio Lucas quem juntou as mesmas numa única passagem.

3. Outros acham que as parábolas da Ovelha e da Dracma foram reunidas por terceiros, antes de Lucas lançar mão das mesmas.

4. Outros discordam da opinião acima.

5. Outros ainda argumentam que as duas parábolas estavam no documento Q[2] e que Mateus teria omitido a parábola da Dracma Perdida.

6. Por fim existem aqueles que acreditam que as versões de Mateus e Lucas estavam contidas nos chamados documentos M e L[3], respectivamente.

7. Nenhuma dessas teorias nos oferece qualquer contribuição prática em nosso trabalho de interpretação das três parábolas.

O que podemos demonstrar é como essa seção do Evangelho de Lucas consegue atingir o propósito retórico intencionado por seu autor. Podemos afirmar, com toda certeza, que Lucas 15, para não dizer Lucas 14:1 — 17:10 está centrado na pregação do Evangelho para os párias da sociedade[4]. Lucas 15 é o coração da chamada “Narrativa da Última Viagem de Jesus Até Jerusalém”, na qual o autor do Evangelho nos apresenta a “espinha dorsal” dos ensinamentos de Jesus, bem como de todo o Evangelho do Senhor. O agrupamento de três e até mesmo de quatro parábolas é algo comum nos escritos rabínicos e até mesmo nos escritos sacerdotais entre os gregos. Sem diminuir a importância das duas primeiras parábolas, Lucas faz com que as mesma funcionem como um prelúdio, mais do que adequado, para a terceira e mais longa parábola que trata do Pai e de Seus Dois Filhos Perdidos. O movimento que passa de 100 ovelhas para 10 dracmas e para dois filhos perdidos, dá o suporte necessário para a natureza dramática de toda a estrutura.

Lucas 15 possui conexões com Lucas 14 no que diz respeito às atitudes dos fariseus que eram antagônicas ao que Jesus ensinava e fazia. Comparar —

Lucas 14:1—6

1 Aconteceu que, ao entrar ele num sábado na casa de um dos principais fariseus para comer pão, eis que o estavam observando.

2 Ora, diante dele se achava um homem hidrópico.

3 Então, Jesus, dirigindo-se aos intérpretes da Lei e aos fariseus, perguntou-lhes: É ou não é lícito curar no sábado?

4 Eles, porém, nada disseram. E, tomando-o, o curou e o despediu.

5 A seguir, lhes perguntou: Qual de vós, se o filho ou o boi cair num poço, não o tirará logo, mesmo em dia de sábado?

6 A isto nada puderam responder.

Lucas 15:1—2

1 Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir.

2 E murmuravam os fariseus e os escribas, dizendo: Este recebe pecadores e come com eles.

Comparar também Lucas 14:23, 33 com Lucas 15:1—2 acima —

Lucas 14:23, 33

23 Respondeu-lhe o senhor: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos a entrar, para que fique cheia a minha casa.

33 Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.    

As três parábolas que encontramos em Lucas 15, convidam a todos que têm ouvidos para ouvir, para se reunirem e se alegrarem com as Boas Novas.

Lucas 15 também mantém relações com Lucas 16 já que as parábolas de Lucas 15:11 e Lucas 16:1 têm inícios semelhantes —

Lucas 15:11

Continuou: Certo homem tinha dois filhos.

Lucas 16:1

Disse Jesus também aos discípulos: Havia um homem rico que tinha um administrador; e este lhe foi denunciado como quem estava a defraudar os seus bens.

As duas parábolas nos falam de “certo homem” e também que os bens de alguém foram desperdiçados, e de um personagem que tem que enfrentar uma grave crise financeira, conforme –

Lucas 15:14—16

14 Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade.

15 Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os seus campos a guardar porcos.

16 Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada.

Lucas 16:3

Disse o administrador consigo mesmo: Que farei, pois o meu senhor me tira a administração? Trabalhar na terra não posso; também de mendigar tenho vergonha.

Mesmo assim, essas conexões não servem como chaves para interpretar as parábolas de forma correta, mas serviram para ajudar os ouvintes a processarem o material que estavam ouvindo.

CONTINUA...



OUTRAS PARÁBOLAS DE JESUS PODEM SER ENCONTRADAS NOS LINKS ABAIXO:

001 – O Sal

002 – Os Dois Fundamentos

003 – O Semeador

004 – O Joio e o Trigo =

005 – O Credor Incompassivo

006 — O Grão de Mostarda e o Fermento

007 — Os Meninos Brincando na Praça

008 — A Semente Germinando Secretamente

009 e 010 — O Tesouro Escondido e a Pérola de Grande Valor

011 — A Eterna Fornalha de Fogo

012 — A Parábola dos Trabalhadores na Vinha

013 — A Parábola dos Dois Irmãos

014 — A Parábola dos Lavradores Maus — Parte 1

014A — A Parábola dos Lavradores Maus — Parte 2

015 — A Parábola das Bodas —

016 — A Parábola da Figueira

017 — A Parábola do Servo Vigilante

018 — A Parábola do Ladrão

019 — A Parábola do Servo Fiel e Prudente

020 — A Parábola das Dez Virgens

021 — A Parábola dos Talentos

022 — A Parábola das Ovelhas e dos Cabritos

023 — A Parábola dos Dois Devedores

024 — A Parábola dos Pássaros e da Raposa

025 — A Parábola do Discípulo que Desejava Sepultar Seu Pai

026 — A Parábola da Mão no Arado

027 — A Parábola do Bom Samaritano — Completo

027A — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 1

027B — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 2 — Os Ladrões e o Sacerdote

027C — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 3 — O Levita

027D — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 4 — O Samaritano

027E — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 5 — O Socorro

027F — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 6 — O transporte até a hospedaria

027G — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 7 — O pagamento final

027H — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 8 — O diálogo final entre Jesus e o doutor da Lei

028 — A Parábola do Rico Tolo —

029 — A Parábola do Amigo Importuno —

030 — A Parábola Acerca de Pilatos e da Torre de Siloé

031 — A Parábola da Figueira Estéril

032 — A Parábola Acerca dos Primeiros Lugares

033 — A Parábola do Grande Banquete

034 — A Parábola do Construtor da Torre e do Grande Guerreiro

035 — Introdução a Lucas 15 — Parábolas Acerca da Condição Perdida da Raça Humana — Parte 001

036 — Introdução a Lucas 15 — Parábolas Acerca da Condição Perdida da Raça Humana — Parte 002

037A — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 001

037B — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 002

037C — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 003

037D — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 004 — A Influência do Antigo Testamento

037E — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 005 — Características Cristológicas da Parábola da Ovelha Perdida

037F — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 006 — A importância das pessoas perdidas.

Que Deus Abençoe a todos. 

Alexandros Meimaridis 

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.   



[1] Perícope — subs. Fem. — do latim pericope. Seção ou parágrafo falando de livros sagrados.

[2] Documento Q – do alemão Quelle ou fonte — que alguns estudiosos acreditam antecedeu a a confecção do Evangelho de Marcos, mas acerca do qual não existe nenhuma evidência concreta. Trata-se de mera especulação da parte daqueles que não acreditam na inspiração das Escrituras Sagradas.

[3] Esses documentos chamados M e L seriam os protótipos nos quais Mateus e Lucas teriam baseado a confecção de seus próprios Evangelhos. Tudo não passa de outra especulação vazia daqueles que não acreditam na inspiração das Sagradas Escrituras.

[4] Ver as obras de Major, H. D. A., Manson, T. W. e Wright, C. J. The Mission and Message of Jesus — A Missão e a Mensagem de Jesus. E.P. Dutton and Co., Inc., New York, 1938. Fitzmayer, J. The Gospel According to Luke – Volume 2 – X—XXIV in The Anchor Bible Series. Double Day and Co. Inc., New York, Seventh Printing, 1991.

Um comentário:

  1. Seus estudos são muito bons, obrigado por nos acrescentar conhecimento. Só acho ser um grande erro pensar que ps críticos do texto não acreditam na inspiração.

    ResponderExcluir