segunda-feira, 6 de março de 2017

EFÉSIOS - SERMÃO 028 – O DOM DE PASTORES E MESTRES


Imagem relacionada

Esse esboço de sermão é parte da série "Exposição da Epístola aos Efésios" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa exposição, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará os links para outros estudos dessa série.

EXPOSIÇÃO DA EPÍSTOLA DE PAULO AOS EFÉSIOS

EFÉSIOS 4:11

Introdução.

A. Quando Cristo subiu aos céus ele concedeu dons aos homens.

B. Existem várias listas de dons carismáticos no Novo Testamento, mas elas não pretendem ser nem são, exaustivas. Entre essas listas nós temos:

1. Romanos 12:7—8.

2. 1 Coríntios 12:7—11.

3. Efésios 4:11

4. 1 Pedro 4:8—11.

C. Aqui em Efésios 4:11 nós temos alistados: Apóstolo, Profetas, Evangelistas e Pastores e Mestres.

D. Apóstolos e Profetas faziam parte daquele grupo que funcionou como órgão “vocal de Deus” e nos legou o material que hoje pode ser encontrado em nossas Bíblias. Nesta capacidade não existem nem mais apóstolos nem profetas nos dias de hoje. Ver mensagem específica acerca de Apóstolos e Profetas por meio desse link aqui:


E. Os evangelistas, como também já falamos, são pessoas que têm a facilidade de pregar o evangelho ou de tornar a mensagem do evangelho clara e relevante para os incrédulos.

F. Resta analisarmos a expressão “pastores e mestres”. É com isto que iremos nos ocupar agora.

O DOM DE PASTORES E MESTRES

I. O Quadro Atual.

A. Não existe palavra mais abusada no meio chamado cristão, do que esta: pastor.

B. O abuso chega a ser tão grande, que perdemos tanto a noção do significado etimológico quanto do significado prático do termo. Hoje, quando perguntamos a qualquer pessoa qual é o significado da expressão “pastor”, a grande maioria vai dizer que: pastor = chefe, maioral, presidente, reverendo — digno de receber reverência que é sinônimo de veneração ou adoração.

C. Em vez de reagir e ensinar o povo a verdade, a grande maioria dos “pastores” prefere usufruir dos benefícios diretos e indiretos do uso dessa expressão.

D. O termo “pastor” é atualmente um título. Possuí-lo corresponde, nos meios cristãos, ao mesmo que deter um poder quase absoluto sobre a vida das pessoas. Não devemos ficar admirados que homens se apeguem ao mesmo como uma paixão absoluta.

E. O que estamos presenciando hoje não é um fenômeno moderno ou contemporâneo. É algo muito antigo. Algo que vem apenas sendo aperfeiçoado no decorrer dos séculos. No Novo Testamento encontramos grandes advertências contra este tipo de homens:

1. A advertência de Jesus em Mateus 7:15—23.

2. A advertência de Paulo em Atos 20: 17 e 29—30.

3. A advertência de Pedro em 2 Pedro 2:1—3.

4. A advertência de Judas: versos 12—13 e 16—19.

F. O Antigo Testamento também está cheio de versos descrevendo a verdadeira condição do coração daqueles que a si mesmos chamavam-se de “pastores” — ver, por exemplo, Jeremias 5:30—31; 10:17—21; 12:10—–11;  23:1—2; 25:34—36; 50:6 e Ezequiel 34:1—10.

II. O Verdadeiro Significado do Termo Pastor.

A. A palavra grega traduzida por “pastor” é a expressão ποιμὴν — poimèn — pastor. Ela não possui afinidades com outros termos, mas significava na língua original, “vaqueiro” e descrevia de maneira mais explícita, aquilo que chamamos de “pastor de ovelhas”. Não pode, portanto, em nenhuma hipótese ser usada como título. É um termo que descreve aquilo que um indivíduo — o pastor — faz. É apenas um descritor de função e não um título. E o que é que um pastor fazia naqueles dias? As tarefas do pastor no oriente próximo, entre outras, eram:
1. Ficar atento aos inimigos que tentavam atacar o rebanho.
2. Defender o rebanho dos agressores.
3. Conduzir o rebanho para locais onde o mesmo pudesse encontrar alimentação e água.
4. Curar a ovelha ferida e doente.
5. Achar e salvar a ovelha perdida ou presa numa armadilha.
6. Disciplinar os cordeirinhos quebrando uma das patas e tendo que carregá-lo nas costas até sarar.
7. Amar o rebanho, compartilhando sua vida e, dessa forma, ganhando a sua confiança.
B. Quando a igreja primitiva adotou esta expressão ποιμὴν — poimèn — pastor, a ideia era utilizar um termo que poderia descrever, da melhor maneira possível, o que se esperava de um “pastor de almas”, que era: cuidado, proteção, alimentação, disciplina e amor.
C. Nesse sentido nossos primeiros irmãos seguiam o modelo aprendido do Antigo Testamento onde Deus mesmo é chamado de “Pastor de Israel” — 
Salmos 80:1 
Dá ouvidos, ó pastor de Israel, tu que conduzes a José como um rebanho; tu que estás entronizado acima dos querubins, mostra o teu esplendor. 
Temos também o exemplo do próprio Senhor Jesus, que se auto-intitulou como “o bom pastor” —
João 10:11 e 14 
11 Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas. 
14 Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, 
Em nenhum momento a igreja primitiva teve a intenção de, ao utilizar essa palavra, criar um título e, por extensão, uma casta sacerdotal. Essas coisas todas são perversões humanas e, como tais, são pecaminosas e precisam ser confessadas e abandonadas.

III. Pastores são Mestres Também

A. Além do dom de ποιμὴν — poimèn — pastor, Jesus também concedeu a estes mesmos homens o dom de διδάσκαλος — didáscalos — mestre. No Novo Testamento esta expressão se refere a alguém que ensina a respeito das coisas de Deus, e dos deveres do homem.

B. Nessa condição ela serve para descrever aqueles que, nas assembleias religiosas dos cristãos, encarregavam-se de ensinar, assistidos pelo Santo Espírito.

C. Uma palavra final acerca dos quatro dons mencionados em Efésios 4:11. Sim, são apenas quatro dons mencionados e não cinco como querem os que inventaram todo um sistema baseado nos chamados “cinco ministérios”. Tanto o texto grego como nossa tradução em português — Almeida Revista e Atualizada — deixam claro que se trata apenas de quatro dons, conforme apresentado abaixo:

Efésios 4:11

E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres.

Note que a palavra que faz a separação da lista é o adjetivo outros, quem não está presente entre as expressões pastores e mestres, indicando com isso que não se tratam de pessoas distintas e sim duma mesma pessoa com dois dons distintos. Um pouco de atenção evita muitos problemas que causam prejuízos imensuráveis. Desse modo, temos:

1. Apóstolos e profetas — são dons fundamentais, que foram usados por Deus para ensinar a igreja primitiva lançando os alicerces da verdade sobre os quais a igreja de todas as eras pudesse ser edificada. O trabalho desses homens está contido no Novo Testamento.

2. Evangelistas — são aqueles que, de um modo muito especial e particular, ensinam a todas as pessoas as verdades acerca das Boas Novas em Jesus Cristo.

3. Pastores e Mestres — são aqueles que além de ter a responsabilidade de cuidar do rebanho de Deus, também têm responsabilidades de ensinar acerca da verdade em Jesus.

Todos esses quatro são dons que, de uma forma ou de outra, possuem implicações para os ministérios educacionais da igreja. 
Conclusão:

A. Durante a II Guerra Mundial, um pastor era um piloto que guiava outro piloto, cujo avião estava com o sistema de navegação danificado, de volta à base ou ao porta-aviões, voando lado a lado para manter contato visual.

B. Precisamos retomar o conceito bíblico do termo pastor como um mero descritor de função. Ao mesmo tempo precisamos orar para que Deus levante cada vez mais homens com o verdadeiro coração de pastor. Homens que querem servir em vez de serem servidos. Homens que coloquem os interesses e as necessidades do rebanho acima de suas próprias. Homens que não enxerguem a pregação do evangelho como fonte de lucro e riquezas.

C. Como parte dos dons concedidos à igreja, visando à instrução e edificação da mesma, o dom de pastores e mestres precisa ser recuperado em todo seu significado. Pastores precisam retomar o “caminho da roça” no sentido de se ocuparem mais com o cuidado e o ensino do rebanho do que com a administração e com a vida política de suas comunidades e denominações.

D. Chega de politicagens!

OUTRAS MENSAGENS DA SÉRIE NA EPÍSTOLA AOS EFÉSIOS

ALGUNS ASPECTOS DAS INSONDÁVEIS RIQUEZAS DE CRISTO COMO APRESENTADAS EM EFÉSIOS

EFÉSIOS 1:1—2 — SERMÃO 001 — INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA AOS EFÉSIOS

EFÉSIOS 1:3—14 — SERMÃO 002 — TODA SORTE DE BÊNÇÃO ESPIRITUAL

EFÉSIOS 1:4—6 — SERMÃO 003 —A BÊNÇÃO DA NOSSA ELEIÇÃO POR DEUS

EFÉSIOS 1:7—8 — SERMÃO 004 —A BÊNÇÃO DA NOSSA REDENÇÃO

EFÉSIOS 1:9—10 — SERMÃO 005 —A BÊNÇÃO DA UNIFICAÇÃO DE TODAS AS COISAS EM CRISTO

EFÉSIOS 1:11—14 — SERMÃO 006 — A BÊNÇÃO DE DEUS EM PERSPECTIVA

EFÉSIOS 1:15—16— SERMÃO OO7 — A IMPORTÂNCIA DA FÉ E DO AMOR

EFÉSIOS 1:16—17 — SERMÃO OO8 — A IMPORTÂNCIA DO ESPÍRITO SANTO EM NOSSAS VIDAS

EFÉSIOS 1:18—21 — SERMÃO OO9 — A ESPERANÇA DO SEU CHAMAMENTO EM NOSSAS VIDAS

EFÉSIOS 1:18—21 — SERMÃO O10 — A RIQUEZA DA GLÓRIA DA SUA HERANÇA NOS SANTOS

EFÉSIOS 1:18—21 — SERMÃO O11 — A SUPREMA RIQUEZA DO SEU PODER

EFÉSIOS 1:22—23 — SERMÃO O12 — A IGREJA E CRISTO COMO PLENITUDE

EFÉSIOS 2:1—3 — SERMÃO O13 — A CONDIÇÃO DO SER HUMANO SEM DEUS

EFÉSIOS 2:4—10 — SERMÃO 014 — A CONDIÇÃO HUMANA  PELA GRAÇA DE DEUS

O QUE DEUS FEZ POR NÓS — SALVAÇÃO

PARA O QUE DEUS NOS SALVOU?

EFÉSIOS 2:11—12 — SERMÃO 015 — NOSSA PRECÁRIA CONDIÇÃO ANTES DE CRISTO VIR AO MUNDO

A VERDADEIRA CIRCUNCISÃO E O VERDADEIRO BATISMO

EFÉSIOS 2:13—18 — SERMÃO 016 — NOSSA NOVA CONDIÇÃO “EM CRISTO”

EFÉSIOS 2:19—22 — SERMÃO 017 — A IGREJA COMO CIDADÃOS, FAMÍLIA E TEMPLO

EFÉSIOS 3:1—7 — SERMÃO 018 — A REVELAÇÃO DO MISTÉRIO DE DEUS

EFÉSIOS 3:8—13 — SERMÃO 019 — PAULO COMO INSTRUMENTO DE DEUS

EFÉSIOS 3:1—13 — SERMÃO 020 — A RELEVÂNCIA DA IGREJA

EFÉSIOS 3:14—21 — SERMÃO 021 — A PATERNIDADE DE DEUS AO QUAL ORAMOS

EFÉSIOS 3:14—21 — SERMÃO 022 — A ORAÇÃO DE PAULO A FAVOR DOS EFÉSIOS

EFÉSIOS 3:14—21 — SERMÃO 023 — A GLÓRIA DEVIDA A DEUS
EFÉSIOS 4:1—3 — SERMÃO 024 — A UNIDADE DA IGREJA

EFÉSIOS 4:4—6 — SERMÃO 025 — A IGREJA É UNA PORQUE DEUS É UM

EFÉSIOS 4:7—10 — SERMÃO 026 — UNIDADE EM MEIO A DIVERSIDADE

EFÉSIOS 4:11 — SERMÃO 027 — OS DONS DE EDIFICAÇÃO DA IGREJA

EFÉSIOS 4:11 — SERMÃO 028 — OS DOM DE PASTORES E MESTRES
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2017/03/efesios-sermao-028-o-dom-de-pastores-e_6.html

Que Deus Abençoe a Todos

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

Os comentários não representam a opinião do Blog O Grande Diálogo; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário