quarta-feira, 25 de maio de 2016

JOSÉ COMO TIPO DE CRISTO — ESTUDO 041A — JOSÉ DESEJA SER LEMBRADO



041A. José Deseja ser Lembrado.

Antes do copeiro do Faraó ser restaurado ao seu posto, José lhe fez o seguinte pedido:

Gênesis 40:14

Porém lembra-te de mim, quando tudo te correr bem; e rogo-te que sejas bondoso para comigo, e faças menção de mim a Faraó, e me faças sair desta casa.

O apóstolo Paulo ao ensinar a igreja em Corinto como deveria proceder para celebrar a ceia do Senhor escreveu àqueles irmãos as seguintes palavras:

1 Coríntios 11:23—25

Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.

Em poucas palavras: Jesus também desejava ser lembrado!

Existe somente uma única referência nos evangelhos sinóticos que registram a expressão “em memória de mim”. Trata-se de Lucas 22:19. Não fosse por essa referência não teríamos nenhum outro registro de Jesus proferindo tais palavras durante a instituição da Ceia do Senhor. É por causa das palavras registradas em Lucas que Paulo pode afirmar: “Eu recebi do Senhor”. Com isso Paulo não está dizendo que tenha recebido tal instrução diretamente do Senhor, mas que Jesus é, em última instância, a fonte daquela tradição. É muito provável como defende I. Howard Marshal[1], que Paulo tenha recebido essa tradição na Igreja em Antioquia que havia sido fundada por discípulos vindos de Jerusalém, e onde o próprio Paulo trabalhou por alguns anos. Outro aspecto que certamente está envolvido nessa afirmação de Paulo é que, o agora ressuscitado e exaltado Jesus continua sendo o responsável último, por meio do Espírito Santo, pela transmissão dessa tradição dentro da igreja. Dessa maneira, as refeições praticadas pelos coríntios, não eram verdadeiras celebrações da Ceia do Senhor, porque as mesmas não refletiam nem proclamavam o verdadeiro significado daquele evento, como o mesmo havia sido ensinado pelo próprio Senhor. Independente desse fato, ainda precisamos entender o verdadeiro significado das palavras de Jesus, quando ele disse: “fazei isso em memória de mim”. A santa Ceia que os cristãos celebram é de fato uma continuação da última ceia que Jesus fez com seus discípulos que, no caso deles, era a celebração da páscoa judaica.

Durante a celebração da ceia, Jesus reinterpretou o valor simbólico do pão e do vinho, de modo que os mesmos passaram a representar seu sangue e seu corpo que, em breve, seria pregado e morto na cruz do Calvário. Durante aquela última refeição Jesus anunciou tanto o fato que seus discípulos o abandonariam como antecipou a traição de Judas. Uma das características mais marcantes das palavras usadas por Jesus durante a instituição da Ceia do Senhor, como foram depois incorporadas pela liturgia da igreja primitiva, é o contexto singular que foi transmitido juntamente com as mesmas, i.e., “na noite em que foi traído”. É essa pequena frase que supre o contexto em que tais palavras foram proferidas. Paulo é o único a usar essa expressão e não podemos ter certeza se as mesmas já pertenciam à tradição litúrgica ou se Paulo recebeu as mesmas como revelação.

A expressão grega παρεδίδετο paradídeto — traduzida por “traído” é bastante ambígua, na língua grega, já que significa:

1) entregar nas mãos (de outro).

2) tranferir para a (própria) esfera de poder ou uso: 2a) entregar a alguém algo para guardar, usar, cuidar, lidar; 2b) entregar alguém à custódia, para ser julgado, condenado, punido, açoitado, atormentado, entregue à morte; 2c) entregar por traição.

2c1) fazer com que alguém seja levado por traição; 2c2) entregar alguém para ser ensinado, moldado.
3) confiar, recomendar.[2]

Mas, creio que nesse caso específico, Paulo está fazendo uma referência direta ao ato traiçoeiro de Judas, que teve como consequência direta a prisão, a condenação, a crucificação e a morte de Jesus. Dessa forma, os cristãos primitivos eram constantemente lembrados que mesmo que o Senhor Jesus tenha sido crucificado por ordem e poder do império romano, ele foi, em última instância, traído por alguém que pertencia ao seu grupo mais próximo de discípulos. Tudo isso deve nos servir como uma forte lembrança que essa é a mesa onde podemos experimentar, de modo sempre renovado, o perdão e a verdadeira vida.

A refeição tradicional judaica tinha início quando o pai da família proferia uma bênção costumeira sobre o pão, partindo-o em seguida e oferecendo um pedaço a cada um que estivesse, junto com ele, ao redor da mesa. Jesus, como o “mestre” certamente tinha esse mesmo papel nas refeições comunitárias com seus discípulos. Durante a celebração da Páscoa a bênção e o compartilhar do pão aconteceram durante a própria refeição pascal, logo após algum ato litúrgico de celebração da mesma. Isso era algo fora dos padrões, já que na celebração da Páscoa não deveria existir nenhum pão feito com fermento, como eram os pães do dia a dia —

Marcos 14:18

Quando estavam à mesa e comiam, disse Jesus: Em verdade vos digo que um dentre vós, o que come comigo, me trairá.

Lucas 22:17—19

17 E, tomando um cálice, havendo dado graças, disse: Recebei e reparti entre vós;

18 pois vos digo que, de agora em diante, não mais beberei do fruto da videira, até que venha o reino de Deus.

19 E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim.

Mas tal ato inusitado recebe uma explicação conforme mencionamos acima. Dessa forma, o ato de Jesus tomar um pão com fermento, abençoá-lo e parti-lo durante a celebração da Páscoa, parece seguir o rumo natural dos acontecimentos. Seu ato, fora dos padrões precisava ser interpretado e é isso mesmo que Jesus faz comparando o pão e o vinho com os elementos da sua morte.

A expressão: “Isto é o meu corpo, que é dado por vós” deve ser analisado com todo cuidado, porque a mesma foi transformada em muitas coisas através dos séculos.

1. A identificação do pão com o corpo de Cristo é um semitismo em sua forma mais absoluta.
Semitismos semelhantes podem ser encontrados em:

1 Coríntios 10:4 — “a pedra era Cristo”

Gálatas 4:25 — “Agar é o monte Sinai, na Arábia”.

Como em todas as identificações desse tipo, o que Jesus quer dizer é: “esse pão significa ou representa meu corpo”. Agora, é importante que deixemos bem claro, que estava além da intenção de Jesus, bem como da compreensão dos apóstolos, qualquer ideia que pudesse ser imaginada no sentido que alguma mudança, independente do tipo, mudança essa real ou intencionada, aconteceria com aquele pedaço de pão. O pão era pão antes de ser partido e repartido e continuou como pão depois de ser consumido. A visão que passou a enxergar algum tipo de transformação no pão, só poderia acontecer em estágios futuros da vida da Igreja, quando ideias semíticas foram alteradas e substituídas por ideias gregas.

2. O uso da expressão σῶμα sôma — corpo, produziu discussões consideráveis.

Será que Jesus queria dizer “ele mesmo”, em sua essência, ou estava se referindo à Sua própria carne? O mais provável é que Jesus não tinha a intenção de indicar nem uma coisa nem outra, mas apenas uma referência ao seu próprio corpo, que em breve seria entregue para ser sacrificado pelos pecados do mundo. Se existe algum tipo de analogia aqui, então a mesma tem tudo a ver com o cordeiro do sacrifício, cuja carcaça era colocada sobre o altar para ser queimada, após o mesmo ter sido sangrado de forma completa — ver a afirmação de João Batista em

João 1:29

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

É dessa maneira também que Deus espera que consagremos nossos corpos a Ele conforme

Romanos 12:1

Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

3. A expressão “que é dado por vós” é única na versão de Paulo e Lucas nesse exato momento da narrativa, não sendo mencionada nem por Mateus nem por Marcos.

Se a mesma pertencia à frase original proferida por Jesus, tem sido objeto de grandes debates. Estudiosos se dividem entre os que negam tal possibilidade de forma terminante, até os que a sustentam com todas as forças, com muitos assumindo uma posição de completa indecisão. De qualquer forma que seja, a mesma une o pão e o cálice, e faz com que os mesmos se tornem uma referência à morte de Jesus. As palavras “por vós” são uma adaptação da linguagem que encontramos em Isaías 53:12 onde lemos que o Servo Sofredor do ETERNO “levou sobre si o pecado de muitos”. Dessa maneira, esse ato de Jesus representava para Ele mesmo um ato profético simbólico, por meio da qual Ele antecipa Sua morte interpretando-a à luz de Isaías 53, como algo feito a favor de outras pessoas. Ao oferecer aos seus discípulos a oportunidade de compartilharem de “seu corpo” dessa maneira, Jesus os convidou a participarem no significado e nos benefícios de sua morte.

4. Podemos afirmar, com uma pequena chance de estarmos errados, que foi dessa maneira que o apóstolo entendeu a frase de Jesus “que é dado por vós”.

Dizemos isso, pois todas as vezes que Paulo usa essa preposição, com referência a Cristo, sua intenção é fazer ou uma referência a Cristo no sentido de Sua expiação a nosso favor, por meio de Sua morte —

Romanos 5:6—8

6 Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.

7 Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer.

8 Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.

1 Coríntios, 15:3

Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras.

ou de sua morte como nosso substituto, i.e., “em nosso lugar” —

2 Coríntios 5:21

Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.

Gálatas 3:13

Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro).

Dessa maneira, podemos concluir que para Paulo, as palavras de Jesus acerca do pão representar Seu corpo, fazem uma referência direta ao fato desse mesmo corpo estar sendo entregue à morte “a favor/ou em lugar daqueles que agora se encontram participando de sua mesa”. Paulo é fiel em repetir as próprias palavras instituídas pelo próprio Cristo. A frase acerca do pão irá receber plena atenção no verso 29, como ele já havia feito em 1 Coríntios 10:16—17.

Outra coisa que também é exclusiva do “partir o pão” como registrado por Lucas e Paulo é o mandamento de repetir aquela ação: “fazei isso em memória de mim”. A ausência de tal frase em Mateus e Marcos tem levantando dúvidas quanto à sua autenticidade. Mas a história da própria Igreja Cristã vem ao nosso socorro, pois logo no seu início — depois da ressurreição do Senhor e da vinda do Espírito Santo — ela começou a ensinar que a morte de Jesus foi “a nosso favor” ou “por nós”. Além do mais, como dizem alguns comentaristas, tais palavras talvez foram omitidas de Marcos — o primeiro Evangelho a ser escrito — porque tal mandamento estava implícito na continuação da celebração da Ceia do Senhor em si mesma.

A frase “em memória de mim” tem sido vista como um paralelo de ideias helenísticas de refeições pagãs comemorativas em homenagem a algum morto. As dificuldades com tal posição são as seguintes:

1. A refeição de Jesus com seus discípulos precisa ser entendida à luz de refeições judaicas, especialmente da Páscoa, e não ser comparada com qualquer refeição pagã.

2. A refeição em honra a Jesus não é realizada para homenagear um herói morto, mas sim para um Senhor ressuscitado e vivo, por meio de quem — da sua morte — a salvação é oferecida a todos e recebida por aqueles que exercitam fé na Sua pessoa.

Todavia, a questão mais importante envolvendo a expressão “em memória de mim”, especialmente diante do uso que os judeus fazem da mesma, é a natureza da própria expressão em si mesma. A questão é dupla. Ela faz uma referência a Deus no sentido de que a mesma ajuda o Senhor a se lembrar de nós e nos alcançar com suas tenras misericórdias? Ou a mesma faz uma referência aos seres humanos, que devem lembrar-se de Jesus e, junto com isso, de todas as tenras misericórdias do Senhor a nosso favor? É certo que a leitura a que estamos acostumados aponta sempre para nós, os seres humanos, mas a questão não é tão simples assim e isso, por três motivos:

1. No judaísmo existe uma dimensão bastante ampla do uso dessa expressão.

2. A intenção do próprio Jesus à luz do contexto judaico da mesma.

3. A palavra grega ἀνάμνησιν anáminesin — lembrança ou lembrete, ocorre apenas 5 vezes na LXX — Levítico 24:7; Números 10:10; Salmos 37, no título; Salmos 69 no título e Sabedoria 16:6 — mas a expressão cognata mnemosynon — memorial, algo feito para despertar a lembrança de alguém, ocorre inúmeras vezes, como acontece também com o verbo “lembrar”. No Antigo Testamento existem vários e fortes exemplos em que essas expressões são usadas para fazer referência tanto a Deus como aos seres humanos, No entanto, só podemos dizer que a mesma é feita com respeito a Deus, quando isso está declarado de forma explícita.

No Antigo Testamento “em memória” ou “como lembrança” raramente expressam o sentido que temos em português, de uma simples atividade mental. É normal que “lembrança” e “atividade” — não mental — andem juntas. Deus, por exemplo, se “lembra” e “visita”, ou “perdoa”, ou “não se esquece dos pecados” — ver Gênesis 8:1; 19:29; 30:22; Êxodo 2:24—25; Salmos 98:3; Apocalipse 16:19.

Da mesma maneira, Israel precisa relembrar certas coisas levantando memoriais ou repetindo certas atividades — ver Êxodo 13:7—10; Josué 4:4—7. Das diversas possibilidades que o Antigo Testamento levanta, a mais óbvia é a da Páscoa e a da Festa dos Pães sem Fermento onde a mesma é mencionada, especificamente, como um sinal e um memorial diante dos olhos dos judeus. Assim, como a Páscoa servia como um memorial da libertação da vida de escravidão no Egito, assim também a celebração da Ceia do Senhor deveria servir de memorial para o verdadeiro Israel, que se reúne ao redor da mesa, em Seu nome, para “relembrar” sua própria libertação da condenação e do poder do pecado — Romanos 6:17—23. Esse é o motivo porque Jesus diz “em memória de mim” Mas devemos participar da Ceia do Senhor não apenas como alguém que participa de algo que precisa ser lembrado, mas precisamos tomar e comer do pão e tomar e beber do cálice, como um verdadeiro memorial da salvação que Jesus nos proporciona por meio de sua amarga morte na cruz e de sua gloriosa ressurreição.

Isso, faz perfeito sentido com as palavras de conclusão de Paulo como as encontramos registradas em

1 Coríntios 11:26

Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha.

Essas palavras devem sempre nos lembrar de “lembrar” de tudo o que Jesus fez por nós e como é duradoura sua obra através dos séculos e por toda a eternidade. A libertação da condenação e do poder do pecado — REDENÇÃO — que Jesus alcançou a nosso favor não é apenas para o tempo, mas sim para toda a eternidade —

Hebreus 9:12

Não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção.
Afinal de contas, essa deve mesmo ser a intenção maior do apóstolo já que as refeições de “amor” dos coríntios haviam se transformado em um grande fiasco e motivo de vergonha para eles e de condenação por parte de Paulo. Naquilo que deveria ser uma celebração do ato de compartilhar a própria vida — como Jesus fez — os coríntios ricos traziam para essas festas comida abundante, mas a mesma não era compartilhada com os irmãos pobres que podiam trazer pouco ou quase nada mesmo. Assim, enquanto uns se exercitavam na glutonaria, outros passavam fome em uma reunião chamada de “reunião de amor” dentro da própria igreja. Que vergonha!

CONTINUA...

OUTROS ESTUDOS ACERCA DE JOSÉ COMO TIPO DE CRISTO

Estudo 001 — José como Tipo De Cristo — Introdução

Estudo 002 — José como Tipo De Cristo — A Infância de José

Estudo 003 — José como Tipo De Cristo — Os Irmãos e Os Nomes de José

Estudo 004 — José como Tipo De Cristo — José Como Pastor dos Seus Irmãos

Estudo 005 — José com Tipo De Cristo — José Como o Filho Amado de Seu Pai

Estudo 006 — José com Tipo De Cristo — Jesus, o Filho e Deus Pai

Estudo 007 — José com Tipo De Cristo — José e a Túnica Talar de Distinção
Estudo 008 — José com Tipo De Cristo — O Ódio que os Irmãos de José Tinham Dele

Estudo 009 — José com Tipo De Cristo — José era Odiado por Causa de Suas Palavras

Estudo 010 — José com Tipo De Cristo — José Estava Destinado a Um Futuro Extraordinário

Estudo 011 — José com Tipo De Cristo — José Antecipa Sua Glória Futura

Estudos 012 e 013 — José como Tipo de Cristo — José Sofre nas Mãos de Seus Irmãos e Vai a Busca Deles a Pedido de Jacó

Estudos 014 e 015 — José como Tipo de Cristo — José Busca Fazer o Bem a Seus Irmãos, e É Enviado De Hebrom Para a Região de Siquém

Estudo 016 — José como Tipo de Cristo — José Vai Até a Região de Siquém

Estudos 017 e 018 — José como Tipo de Cristo — José se Torna um Viajante Errante Nos Campos e Campinas da Palestina

Estudos 019 — José como Tipo de Cristo — A Conspiração contra José

Estudos 020 — José como Tipo de Cristo — As palavras de José são Desacreditadas

Estudos 021 e 022 — José como Tipo de Cristo — José é Insultado e Humilhado e José é Lançado num Poço

Estudos 023 e 024 — José como Tipo de Cristo — José é Retirado Vivo do Poço e Os Irmãos de José Misturam Ódio com Hipocrisia

Estudos 025 e 026A — José como Tipo de Cristo — José é Vendido por Seus Irmãos e o Sangue de José é Derramado
Estudos 026B — José como Tipo de Cristo — O Futuro de Israel Profetizado em Gênesis 38

Estudos 027 e 028 — José se Torna um Servo — Jose se Torna Próspero

Estudos 029 — O Senhor de José Estava Muito Feliz com Ele

Estudos 030 — José Como Servo Foi Uma Bênção Para os Outros

Estudos 031 — José Era Uma  Pessoa Consagrada aos Outros

Estudos 032 — José Foi Duramente Tentado, Mas Resistiu à Tentação

Estudos 033 — José Foi Acusado Falsamente

Estudos 034 — José Não Tentou Se Defender das Falsas Acusações

Estudos 035 — José Sofreu nas Mãos dos Gentios

Estudo 036 e 37 — José Ganha o Reconhecimento do Carcereiro e José Foi Numerado com outros Transgressores.

Estudo 038 — José Como Instrumento de Bênção e de Condenação.

Estudo 039 — José Dá Evidências De Seu Conhecimento Quanto Ao Futuro.

Estudo 040 — As Predições de Jose se Tornam Realidades.

Estudo 041A — José Gostaria de Ser Lembrado

Estudo 041B — José Gostaria de Ser Lembrado

Estudo 042 — José Foi Libertado na Hora Certa

Estudo 043 — José Como Revelador dos Mistérios de Deus

Estudo 044 — José Faz Advertências Contra o Perigo Futuro

Estudo 045 — José Se Revela como Maravilhoso Conselheiro


Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos. 



[1] Marshall, I. Howard.  Last Supper and Lord´s Supper. William B. Eerdmans Publishing Company, Grand Rapids, 1980.
[2]Strong, J., e Sociedade Bíblica do Brasil. Léxico Hebraico, Aramaico e Grego de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil, Barueri, 2002—2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário