terça-feira, 2 de agosto de 2016

NOSSA RIQUEZA EM CRISTO — ESTUDO 038F — EFÉSIOS 3:8—12 — AS INSONDÁVEIS RIQUEZAS DE CRISTO — PARTE 006 — O QUE É A IGREJA VERDADEIRA DE CRISTO — OS ELEITOS POR DEUS EM CRISTO.



Esse artigo é parte da série "Em Cristo" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa série, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará um link para o estudo posterior


38 – Efésios 3:8—12 - A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo e manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor, pelo qual temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nele.

CONTINUAÇÃO...

Agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais — Quem ou o que são ou em que se constituem esses principados e potestades? Alguns acham que Paulo está se referindo a espíritos maus, já que esses termos são usados para descrevê-los em Efésios 6:12 onde lemos: “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Outros acham que, nesse contexto específico, a referência feita diz respeito aos anjos bons. A afirmativa que encontramos em 1 Pedro 1:12 deixa claro que os anjos bons desejam entender o desenrolar do plano de Deus pois diz: “A eles — referência aos profetas do Antigo Testamento — foi revelado que, não para si mesmos, mas para vós outros, ministravam as coisas que, agora, vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho, coisas essas que anjos anelam perscrutar”. Por esse motivo, é apenas consistente com a bondade de Deus que Ele tenha decidido satisfazer ao desejo de suas criaturas celestiais no que diz respeito às grandes maravilhas que estão envolvidas no processo de salvação dos seres humanos. É também bastante óbvio que o Evangelho que reconcilia todas as coisas dos céus com as da terra, que une anjos e criaturas humanas na presença de Deus, seja do interesse destes seres espirituais. De fato, seres humanos e seres angelicais unirão suas vozes louvando o Criador, à uma só voz conforme, podemos ler em
Apocalipse 7:9—17

9 Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos;

10 e clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação.

11 Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus,

12 dizendo: Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém!

13 Um dos anciãos tomou a palavra, dizendo: Estes, que se vestem de vestiduras brancas, quem são e donde vieram?

14 Respondi-lhe: meu Senhor, tu o sabes. Ele, então, me disse: São estes os que vêm da grande tribulação, lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro,

15 razão por que se acham diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu santuário; e aquele que se assenta no trono estenderá sobre eles o seu tabernáculo.

16 Jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum,

17 pois o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará e os guiará para as fontes da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima.


Portanto, é apena natural, que esses seres espirituais puros se interessem por esses aspectos concernentes à Igreja e ao povo que constitui o corpo do qual Cristo, o Senhor da Glória, é o cabeça. Outros há, ainda, que acreditam que esses termos fazem referência aos líderes judeus e aos rabinos, particularmente àqueles que se converteram à fé cristã, e que agora, mediante a pregação do evangelho, passaram a conhecer o que jamais poderiam conhecer dentro dos limites da Antiga Aliança. Como fica evidente, não existe um consenso entre os estudiosos acerca de quem o apóstolo Paulo está se referindo ao usar a expressão “principados e potestades”. Existe, todavia, um consenso que diz que, independentemente de quem quer que seja, que Paulo esteja se referindo nesses versículos, o fato que permanece é que Deus tem usado a Igreja para manifestar sua sabedoria e poder a todos.

Aqui gostaríamos de recomendar nossa série Encontros de Poder onde passagens como essas e muitas outras são discutidas mais a fundo. O estudo introdutório dessa série poderá ser visto por meio desse link aqui:



Segundo o eterno propósito — Esse verso fala do eterno propósito de Deus para as eras. Três interpretações precisam ser levadas em consideração aqui:

1. A linguagem usada no grego original pelo apóstolo Paulo nesse verso parece querer indicar que tanto a era considerada como mistério — mencionada em Efésios 3:9, e que antecedeu a vinda do Messias Jesus, bem como a era da revelação inaugurada por Ele, foram totalmente pré-concebidas por Deus. Isto quer dizer que o passado, quando Israel foi completamente separado do mundo gentílico é designado como um tempo criado, dado ou preenchido por Deus. Paulo pode ter em mente o período dos patriarcas — Abraão, Isaque e Jacó — ou o Êxodo ou ainda, a era de ouro do Reino Unido sob Davi e Salomão. Talvez Paulo esteja querendo nos dar outra interpretação, mais centrada em Cristo, daquilo que é ensinado em Eclesiastes 3:1—8.

2. Uma segunda possibilidade é que o autor pode apenas estar querendo se referir ao propósito divino como uma espécie de “fio de ouro”, que corre através de todas as eras visando o fim proposto em Efésios 1:10. Esta interpretação só seria possível se a frase for entendida como um hebraísmo[1].

3. Uma terceira interpretação seria aceitar o fato de que: como a expressão αἰώνων aiónon — cujo significado é era encontra-se no genitivo[2], a mesma poderia estar se referindo a algo que é eterno ou possui a qualidade específica de “ser eterno”. É bem fácil notarmos que os tradutores do Novo Testamento da nossa versão de Almeida Revista e Atualizada optaram por essa interpretação, provavelmente, levando em conta o conteúdo de Romanos 16:25. Isso quer dizer que as decisões tomadas por Deus aconteceram antes que o tempo existisse e são, portanto, eternas. Dessa maneira, todo o processo que existiu, que existe e que existirá com relação à Igreja foi estabelecido ou desenvolvido, por Deus por intermédio de Jesus Cristo. Esse é o motivo porque o autor de Hebreus nos adverte com tão sóbrias palavras como as que encontramos em

Hebreus 2:1—4

1 Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.

2 Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo,

3 como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;

4 dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade.

De fato, podemos dizer que todas as coisas, não apenas aquelas que são referentes à Igreja, foram feitas “pelo ou através do Senhor Jesus” —

João 1:1—3

1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

2 Ele estava no princípio com Deus.

3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.

Temos que destacar que as três interpretações acima não são mutuamente excludentes. Os decretos eternos de Deus conforme apresentados em Efésios 1:4 e 10, onde a expressão mistério não é utilizada, coincidem com as interpretações de números 2 e 3. Todavia, como já notamos, os versos 5 e 9 do capítulo 3 de Efésios, acrescentam um novo elemento que é: eles fazem uma menção específica ao período do mistério que é compreendido pelo tempo que antecedeu a vinda do Messias Jesus. Assim, parece que Efésios 3:11 faz uma referência direta ao conteúdo de Efésios 3:5 e 9, protegendo estes versículos contra interpretações abusivas e colocando-os em foco na perspectiva global da Epístola aos Efésios, em vez de simplesmente repetir ideias que já haviam sido apresentadas anteriormente nos versos do capítulo 1.

Que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor — O significado da palavra grega ἐποίησεν epoíesen — cujo significado é estabeleceu — pode ter dois significados neste contexto:

A palavra estabelecer pode ser relacionada a um plano e, nesse sentido, estaria descrevendo algo planejado. O uso dessa palavra desse modo, pode ser visto em passagens tais como: 1 Coríntios 2:7 e 2 Timóteo 1:9. Se for esse o caso aqui, Paulo estaria querendo afirmar que o planejamento eterno de Deus, isso é, o planejamento que o levou a eleger e predestinar os santos foi completamente centralizado no Messias Jesus. Dessa forma, temos nesse versículo uma indicação clara de que o ato de eleger e predestinar os santos não foi um ato impessoal, frio e absoluto, como no caso de um decreto eterno que mais se parece com um determinismo cego. Ver nossa discussão acerca das opções entre “Eleição Divina X Determinismo cego” nos três artigos alistados abaixo:

Parte 1


Parte 2


Parte 3


O Deus da Bíblia não pode, em nenhuma hipótese, ser confundido com o “carma” do hinduísmo nem com outras divindades caprichosas, por um simples motivo: Deus é amor —

1 João 4:8 e 16

8 Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor.

16 E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.

Em Segundo lugar, o termo estabelecer pode significar a execução final ou a implementação do que foi planejado. O apóstolo Paulo nos diz que, ao executar o plano de salvação através de Jesus, Deus o fez “em toda a sabedoria e prudência — Efésios 1:8”. Assim, nós temos o seguinte: após ter apresentado Sua vontade — ver Efésios 1:4—5 e 10 — a vontade de Deus é plenamente realizada, conforme o que está descrito em Efésios capítulos 2 e 3.

Em Cristo Jesus, nosso Senhor — Essa última parte da frase indica o especial interesse que o apóstolo Paulo possui no Senhor Jesus Cristo como o centro e o agente plenipotenciário na execução da vontade de Deus. É em Cristo, que o eterno propósito de Deus encontra plena realização. É em Cristo que Deus estabelece Seu eterno propósito de salvação para cada um de nós e para a Igreja como uma comunidade. Todos nós precisamos entender como a salvação foi estabelecida por Deus, na eternidade passada, em Cristo, e como foi executada pelo próprio Cristo no tempo determinado por Deus. Ver links para a série “Eleição Divina X Determinismo Cego” acima.

Pelo qual temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nEle — Sabedores que somos o alvo de tamanho amor, como o que está relacionado com a nossa salvação, podemos então manifestar verdadeira ousadia e nos dirigir a Deus com plena confiança através da fé, que temos em Jesus e por estamos “em Cristo”. As palavras escolhidas pelo apóstolo Paulo para se referir ao tipo de confiança que podemos ter por causa do grande amor com que Deus nos amou, não deixam nenhuma dúvida como podemos ver em seguida:

1. A primeira palavra usada é παρρησίαν parresían — ousadia. Esta expressão representa a liberdade em falar ou a franqueza na fala. Ela descreve uma fala aberta e franca i.e., sem segredos. Em outras passagens do Novo Testamento a mesma é usada para destacar uma confiança aberta e destemida associada a uma coragem entusiástica representada por audácia e plena segurança —

Atos 4:13, 29—31

13 Ao verem a intrepidez de Pedro e João, sabendo que eram homens iletrados e incultos, admiraram-se; e reconheceram que haviam eles estado com Jesus.

29 agora, Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que anunciem com toda a intrepidez a tua palavra,

30 enquanto estendes a mão para fazer curas, sinais e prodígios por intermédio do nome do teu santo Servo Jesus.

31 Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus.

Esta mesma palavra descreve a franqueza e a coragem demonstrada pelo próprio Senhor Jesus em —

João 7:26

Eis que ele fala abertamente, e nada lhe dizem. Porventura, reconhecem verdadeiramente as autoridades que este é, de fato, o Cristo?


Dessa maneira, podemos dizer que nesse contexto de Efésios 3:12, a expressão παρρησίαν parresían — ousadia, é usada por Paulo para indicar que os crentes possuem plena liberdade de se aproximarem de Deus em oração, em plena confiança e sem sofrer nenhum tipo de restrição, porque tal aproximação é feita através ou pelo sangue de Jesus —

Hebreus 10:19—23

19 Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus,

20 pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne,

21 e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus,

22 aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura.

23 Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel.


Note que Jesus nos abre o caminho e serve ele mesmo como sumo sacerdote a nosso favor!

2. A segunda palavra é προσαγωγὴν prosagogèn — acesso. Essa palavra descreve o ato de levar algo ou alguém para outrem por meio dum movimento de aproximação e acesso. No caso específico de Deus, ela serve para descrever aquele relacionamento com Deus pelo qual nos tornamos aceitáveis a Ele, e recebemos a certeza de que ele nos olha com favor. Esse é o tipo de acesso que é concedido tanto a judeus como a gentios, e que está baseado no ato de Deus em nos declarar absolutamente justificados pelos méritos do Senhor Jesus —

Romanos 5:1—2

1  Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo;

2  por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.

Esse acesso nos é garantido porque temos habitando em nós, o próprio Espírito Santo de Deus —

Efésios 2:18

Porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito.


Note como esses versículos nos mostram claramente a perfeita colaboração entre as três pessoas do nosso Deus! Agora podemos entender melhor a colocação extremamente antiecumênica, diga-se de passagem, do Senhor Jesus quando disse: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. Como é triste verificarmos a declaração dum sumo pontífice Católico Romano declarando que todas as bênçãos de Deus nos chegam pela intermediação de Maria. Quanta cegueira realmente existe e quanta maldade intencional é difícil de dizer. Para nós, basta a declaração da Bíblia que diz:

Hebreus 4:14—16

14 Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão.

15 Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.

16 Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.

LISTAS DOS ESTUDOS DE ENCONTROS DE PODER

001 — Introdução =

002 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = Expressões Diversas

003 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ἀρχῆ — arché e ἄρχων — árchon

004 – A linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ἐξουσίαις – exousías – potestades, autoridades.

005 – A linguagem de “Poder” no Novo Testamento = δυνάμεις — dunámeis — poderes.

006 – A linguagem de “Poder” no Novo Testamento = Θρόνοι— thrónoi — tronos.

007 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = κυριοτῆς — kuriotês — domínio.
008 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ὀνόματι — onómati — nome.

009 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ἄγγελοs — ággelos — anjo.

010 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = δαιμονίον — daimoníon — demônioπνεῦμα τὸ πονηρὸν — pneûma tò poniròn — espírito malignoἀγγέλους τε τοὺς μὴ τηρήσαντας τὴν ἑαυτῶν ἀρχὴν— angélous te toùs me terèsantas tèn eautôn archèn — anjos, os que não guardaram o seu estado original ou anjos caídos.

011 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ἀγγέλους  τῶν ἐθνῶν — angélous tôn ethnôn — anjos das nações.

012 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ἀγγέλους  τῶν ἐθνῶν — angélous tôn ethnôn — anjos das nações — Parte 2.

013 — A Linguagem de “Poder” no Novo Testamento = ἀγγέλους  τῶν ἐθνῶν — angélous tôn ethnôn — anjos das nações — Parte 3 — Final.

014 — A Evidência do Novo Testamento – Parte 1 — Introdução

015 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 2 — As Passagens Disputadas — 1 Coríntios 2:6—8 — Parte 1

016 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 3 — As Passagens Disputadas — 1 Coríntios 2:6—8 — Parte 2

017 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 3 — As Passagens Disputadas — Romanos 13:1—3

018 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 4 — As Passagens Disputadas — Romanos 8:31—39

019 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 5 — As Passagens Disputadas — 1 Coríntios 15:24—27a — PARTE 1

020 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 6 — As Passagens Disputadas — 1 Coríntios 15:24—27a — PARTE 2

021 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 7 — As Passagens Disputadas — Colossenses 3:13—15 — PARTE 1

022 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 8 — As Passagens Disputadas — Colossenses 3:13—15 — PARTE 2

023 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 9 — As Passagens Disputadas — Efésios 1:20—23 — AS REGIÕES CELESTIAIS — PARTE 1

024 — A Evidência do Novo Testamento — Parte 10 — As Passagens Disputadas — Efésios 1:20—23 — AS REGIÕES CELESTIAIS — PARTE 2

025 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 11 — As Passagens Disputadas — EFÉSIOS 1:20—23 — PARTE 3

026 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 12 — As Passagens Disputadas — EFÉSIOS 1:20—23 — PARTE 4

027 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 13 — As Passagens Disputadas — EFÉSIOS 1:20—23 — PARTE 5 

028 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 14 — As Passagens Disputadas — EFÉSIOS 1:20—23 — PARTE 6

029 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 15 — As Passagens Disputadas — EFÉSIOS 1:20—23 — PARTE 7 — A DESTRUIÇÃO DA MORTE E DE SEUS ALIADOS

030 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 16 — As Passagens Disputadas — COLOSSENSES 1:16 — A CRIAÇÃO DE TODAS AS COISAS POR MEIO DE E PARA O PRÓPRIO CRISTO

031 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 16 — As Passagens Disputadas — COLOSSENSES 1:16 — TENTANDO DEFINIR OS PODERES

032 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 16 — As Passagens Disputadas — COLOSSENSES 1:16 — TENTANDO DEFINIR OS PODERES —PARTE 002

033 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 17 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 001

034 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 18 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 002
035 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 19 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 003
036 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 20 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 004
037 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 21 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 005

038 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 22 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 006

039 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 23 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 007

040 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 24 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 008
041 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 25 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 009

042 — A Evidência do Novo Testamento — PARTE 26 — As Passagens Disputadas — OS ELEMENTOS DO UNIVERSO — PARTE 010
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2016/11/encontros-de-poder-estudo-042-vencendo.html

Que Deus abençoe a todos por meio das insondáveis riquezas de Cristo que são nossas porque estamos EM CRISTO. 
Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link: 
Desde já agradecemos a todos.


[1] Hebraísmo — Palavra, locução ou construção peculiar ao hebraico, ou imitada dessa língua.
[2] Genitivo — O genitivo é um dos casos em que os substantivos podem ser declinados na língua grega. O Genitivo é usado quando um substantivo desempenha a função de: especificar, definir ou descrever. Palavras também podem aparecer neste caso quando expressam posse. O genitivo é o caso que responde a perguntas como: 1) De que natureza, qualidade ou tipo é?;  2) De quem é? Quando traduzido para o português normalmente se usa a preposição “de”. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário