sábado, 13 de agosto de 2016

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS — ESTUDO 012

Concepção artística dos vinte quatro anciãos ao redor do Trono de Deus 

Essa é uma série estritamente acadêmica, mas não existe na mesma absolutamente nada que impeça a leitura por todas as pessoas. De fato, queremos incentivar que todos possam ler esses artigos e compartilhar os mesmos com todos os seus contatos, parentes e conhecidos.

ESTUDO 012 — ESCRIBAS E OS MANUSCRITOS QUE PRODUZIRAM — PARTE 004

CONTINUAÇÃO...

Com o objetivo de garantir o mais alto grau de eficiência e acuidade na produção de manuscritos, certas regras pertinentes ao trabalho dos escribas foram adotadas nos scriptoria monásticos. As seguintes regras, que servem de exemplo, foram desenvolvidas pelo monastério Estudium, em Constantinopla. Por volta do ano 800 o abade chefe do monastério, um homem chamado Teodoro, o Estudita e que era, ele mesmo, capaz de escrever em grego utilizando um belo e elevado estilo, incluiu nas regras do monastério diversas punições que deveriam ser aplicadas a todos os escribas que não fossem cuidadosos o suficiente em suas cópias manuscritas.

1. Uma dieta de pão e água deveria ser aplicada a todo escriba que demonstrasse interesse maior no assunto que estava copiando do que no próprio ato de copiar.

2. Os monges deveriam manter suas folhas de pergaminho em bom estado e desamassadas sob a pena de terem que pagar 130 atos de penitência.

3. Para qualquer monge que tomasse o material de escrita pertencente a outro monge teria que pagar 50 anos de penitência.

4. A mesma pena era aplicada para qualquer um que produzisse mais cola do que iria utilizar causando a perda da mesma por meio do endurecimento natural.

5. O escriba que quebrava sua pena era penalizado com 30 penitências.

II. AUXÍLIOS PRA OS LEITORES DO NOVO TESTAMENTO

Muitos manuscritos do Novo Testamento contêm uma variedade do que podemos chamar de “Auxílios para os leitores”. Esse material adicional visava auxiliar o leitor tanto em suas devoções pessoais quanto nas leituras públicas do material do Novo Testamento. Esses auxílios surgiram em diversos lugares e das formas mais diversas. Os mesmo foram sendo passados de geração em geração e, como não poderia deixar de acontecer, os mesmos foram se avolumando com o passar do tempo. A seguir apresentamos uma lista dos auxílios mais comuns que encontramos no Novo Testamento:

A. A Divisão por Capítulos


Codex Vaticanus

O sistema mais antigo de separação por capítulos que conhecemos encontra-se em certas notas feitas nas margens do Codex B — Vaticanus — datado dos primórdios do século IV — anos 300. De acordo com essas anotações temos:

1. Mateus está dividido em 170 seções.

2. Marcos está dividido em 62 seções.

3. Lucas está dividido em 152 seções.

4. João está dividido em 50 seções.


Codex Alexandrinus

Outro método pode ser encontrado no Codex A — Alexandrinus — datado do V século. Uma grande quantidade de outros manuscritos — a maior parte deles — do Novo Testamento adotam esse sistema também. De acordo com esse sistema, temos:

1. Mateus está dividido em 68 seções.

2. Marcos está dividido em 48 seções.

3. Lucas está dividido em 83 seções.

4. João está dividido em 18 seções.

Normalmente, a seção de número 1 não estava colocada ao lado do início do texto, porque os escribas consideravam o início dos livros como uma espécie de prefácio da Antiguidade. Dessa forma, a seção ou capítulo 1 de Marcos está posicionado ao lado de Marcos 1:23.

Já para o livro de Atos existem várias divisões adotadas. Assim, o Codex Vaticanus adota uma medida contendo 36 capítulos e outra, contendo 69 capítulos. De acordo com os estudiosos a primeira divisão que acabamos de mencionar foi produzida por um copista mais antigo ou por alguém responsável pela revisão. Já a segunda divisão teria sido acrescentada depois por outro indivíduo. No Codex Sinaiticus do século IV um sistema de 69 divisões foi adicionado à primeira parte de Atos — capítulos 1 até 15 em nossas traduções modernas. Por motivos que desconhecemos essa divisão não foi levada adiante até ao final do livro.


Facsímile do Codex Sinaiticus

A maioria das cópias do Livro dos Atos possui uma divisão de 49 capítulos ou seções. Em algumas cópias o texto foi subdividido em subpartes ou subcapítulos. Dessa forma o Livro de Atos tem, em alguns casos, 88 seções ou capítulos. Para evitar confusões entre capítulos e subcapítulos, em alguns manuscritos, decidiu-se adotar um sistema de numeração único.
Tanto as Epístolas paulinas como as Epístolas gerais foram divididas em capítulos e subdivididas em porções menores. O Codex Vaticanus apresenta duas divisões em capítulos: uma mais antiga e outra mais recente. Nas Epístolas paulinas o sistema mais antigo enumera todas elas de modo sequencial, como se fossem um único livro.

O livro do Apocalipse foi suprido com um sistema muito artificial de divisão por capítulos. No final do século VI, André, arcebispo de Cesareia na Capadócia, escreveu um comentário no apocalipse onde procura apresentar uma exegese espiritual do mesmo. Em vez de se perguntar acerca do material apresentado no livro, nosso arcebispo dividiu o Apocalipse em 24 seções ou discursos, de acordo com o número dos anciãos que se encontrava sentados ao redor do trono de Deus conforme —

Apocalipse 4:4

Ao redor do trono, há também vinte e quatro tronos, e assentados neles, vinte e quatro anciãos vestidos de branco, em cujas cabeças estão coroas de ouro.

A seguir ele concluiu que: como cada ancião era composto de corpo, alma e espírito, então ele dividiu cada discurso em três, chegando, finalmente, a um número total de 72 capítulos.

OUTROS ARTIGOS DE COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 001 – MATERIAL DE ESCRITA ANTIGO

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 002 – MATERIAL DE ESCRITA ANTIGO — O PAPIRO

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 003 – MATERIAL DE ESCRITA ANTIGO — O PAPIRO — FINAL

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 004 – MATERIAL DE ESCRITA ANTIGO — OS PERGAMINHOS

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 005 – MATERIAL DE ESCRITA ANTIGO — PAPEL E BARRO

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 006 – ARQUÉTIPOS E AUTÓGRAFOS — PARTE 001
COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 007 – ARQUÉTIPOS E AUTÓGRAFOS — PARTE 002

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 008 – ARQUÉTIPOS E AUTÓGRAFOS — PARTE 003 – FINAL

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 009 – OS ESCRIBAS E OS COPISTAS E OS MANUSCRITOS QUE ELES PRODUZIRAM — PARTE 001

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 010 – OS ESCRIBAS E OS COPISTAS E OS MANUSCRITOS QUE ELES PRODUZIRAM — PARTE 002

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 011 – OS ESCRIBAS E OS COPISTAS E OS MANUSCRITOS QUE ELES PRODUZIRAM — PARTE 003

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 012 – OS ESCRIBAS E OS COPISTAS E OS MANUSCRITOS QUE ELES PRODUZIRAM — PARTE 004

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS – PARTE 013 – OS ESCRIBAS E OS COPISTAS E OS MANUSCRITOS QUE ELES PRODUZIRAM — PARTE 005

COMO O NOVO TESTAMENTO CHEGOU ATÉ NÓS — PARTE 014 — OS ESCRIBAS E OS COPISTAS E OS MANUSCRITOS QUE ELES PRODUZIRAM — PARTE 006
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2017/02/como-o-novo-testamento-chegou-ate-nos.htmll

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:

Desde já agradecemos a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário