terça-feira, 12 de março de 2013

MATEUS 21:28—32 — A PARÁBOLA DOS DOIS IRMÃOS — SERMÃO 013



Esse artigo é parte da série "Parábolas de Jesus" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa série, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará links para os outros artigos dessa série.

AS PARÁBOLAS DE JESUS

Sermão 013

a parábola dos DOIS IRMÃOS

Mateus 21:28—32

28 E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na vinha.

29 Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi.

30 Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Mas este respondeu: Não quero; depois, arrependido, foi.

31 Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus.

32 Porque João veio a vós outros no caminho da justiça, e não acreditastes nele; ao passo que publicanos e meretrizes creram. Vós, porém, mesmo vendo isto, não vos arrependestes, afinal, para acreditardes nele.

Introdução

A. Existem 39 parábolas contadas por Jesus registradas nos Evangelhos.

B. Dez parábolas aparecem exclusivamente no Evangelho segundo Mateus. Essa é uma delas.

O enfoque desta parábola tem a ver com a autoridade divina e a maneira como as pessoas reagem de maneira diferente à essa mesma autoridade.
Para entendermos melhor esta parábola vamos ler o contexto imediatamente anterior

Mateus 21:23—27
23 Tendo Jesus chegado ao templo, estando já ensinando, acercaram-se dele os principais sacerdotes e os anciãos do povo, perguntando: Com que autoridade fazes estas coisas? E quem te deu essa autoridade?

24 E Jesus lhes respondeu: Eu também vos farei uma pergunta; se me responderdes, também eu vos direi com que autoridade faço estas coisas.

25 Donde era o batismo de João, do céu ou dos homens? E discorriam entre si: Se dissermos: do céu, ele nos dirá: Então, por que não acreditastes nele?

26 E, se dissermos: dos homens, é para temer o povo, porque todos consideram João como profeta.

27 Então, responderam a Jesus: Não sabemos. E ele, por sua vez: Nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas.

I. Um Pouco de História

A. A religião e os “Dominadores dos Segredos ou Mistérios Religiosos”

B. A raça humana tem expressado manifestações religiosas desde a mais remota antiguidade:

1. O indivíduo se identifica com o grupo ao qual ele pertence. O indivíduo passa, mas o grupo permanece. Surge daí a idéia de que existe algo que é transcendente. Algo que não morre. Surgem os primeiros conceitos de “alma”.

Teoria da Alma

2. Os guerreiros mortos nas batalhas anteriores acompanham os outros guerreiros vivos em novas batalhas. Surge o conceito de “anjo da guarda”.


Anjo da guarda

3. Observação da natureza cria os primeiros mitos da existência de deus ou deuses para explicar os fenômenos não compreendidos. Surge o dualismo Luz/Trevas, Sol/Lua, Dia/Noite, Bem/Mal, Yin/Yang.

Dualismo na pintura de Magritte

4. Seres humanos começam a encenar os ciclos da vida — festivais atrelados às estações — visando manipular as divindades para garantir a manutenção da vida. Nestas encenações indivíduos representam animais. Alguns começam a acreditar que o espírito do animal os possui. Surge a fusão das divindades com corpos de animais.

Ritual Sagrado

5. Assim o que era uma encenação, uma representação torna-se um ritual — repetido vez após vez — e uma vez tornado ritual assume dimensões religiosas. Surgem os ritos.

Stonehenge

6. Para funcionar o ritual precisa ser efetuado em um local especialmente consagrado para este fim. Surgem os lugares sagrados! — Stonehenge na Inglaterra, Teotihuacán no México, a Acrópole na Grécia, o Cemitério de Arlington na Virgínia, etc.

Teotihuacán: Avenida dos Mortos com a Pirâmide do Sol à direita

7. O ritual para funcionar, além de um local sagrado, precisa ser executado conforme regras fixas. Surgem os manuais, as constituições e etc. Aqueles que não se conformam são postos para fora, repudiados, ignorados e ostracizados.

8. Neste momento aparece também um bando de homens enganadores que utilizando as regras existentes — muitas delas estabelecidas por eles mesmos — se aproveitam da religião para explorar as pessoas. Surgem os clérigos profissionais. Os sacerdotes, os pastores, os reverendos, os bispos, os apóstolos, os pajés, os pais e mães de santos, os anciãos, os xamãs  etc.

II. Os Dominadores em Israel nos dias de Jesus.

A. A religião de Israel era diferente de tudo que falamos anteriormente. Não era uma religião baseada em observação. Ela estava baseada em REVELAÇÃO – ver


Sol e lua são apenas objetos criados por Deus

Gênesis 1:14—18

14 Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos.

15 E sejam para luzeiros no firmamento dos céus, para alumiar a terra. E assim se fez.

16 Fez Deus os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite; e fez também as estrelas.

17  E os colocou no firmamento dos céus para alumiarem a terra,
18 para governarem o dia e a noite e fazerem separação entre a luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom.

B. Mas o fato de existir uma revelação divina não é garantia de que as coisas irão bem.

C. O Deus que se revelou no Antigo Testamento exigia, na prática, somente duas coisas:

1. Deuteronômio 6:5 Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.

2. Levítico 19:18 Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.

D. Para regular essas duas obrigações Deus havia concedido inúmeras leis para que ninguém alegasse ignorância, já que o ser humano é especialista em torcer os fatos.

E. Com o passar dos anos os homens foram acrescentando mais e mais mandamentos — novas regras — formulados por eles mesmos e não revelados por Deus. A Palavra revelada de Deus é posta de lado enquanto as novidades inventadas pelos homens passam a ter um peso cada vez maior. Estas novas regras são chamadas na Bíblia de “tradições dos anciãos”. Essas tradições podem ser quaisquer coisas: uma nova forma de fazer algo — um novo ritual — uma nova doutrina, uma nova “revelação” supostamente vinda de Deus, mas que de fato é contrária à Sua vontade revelada nas Escrituras, etc.

F. Todas estas invencionices possuem apenas um proposto: fornecer elementos para a dominação, para o controle e para o abuso espiritual.  O profeta Jeremias já havia denunciado estas práticas com um agravante – ver

Jeremias 5:30—31

30 Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra:

31 os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam de mãos dadas com eles; e é o que deseja o meu povo. Porém que fareis quando estas coisas chegarem ao seu fim?

Qual é o agravante? O povo estava de acordo com esta exploração!

G. Nos dias de Cristo a religião revelada de Israel havia degenerado em uma religião legalista, rigorosa e inclemente. Os dominadores eram os sacerdotes, os anciãos, os doutores da Lei e os fariseus.

H. Jesus entra em rota de colisão com esses dominadores. A parábola que estamos vendo hoje e as próximas duas parábolas no Evangelho de Mateus mostram, exatamente, o choque que existiu entre Jesus e os líderes religiosos dos Seus dias.

I. O problema em questão, que é o tema desta parábola é a questão da AUTORIDADE.

J. Os sacerdotes, os anciãos, os doutores da Lei e os fariseus se consideravam a autoridade máxima em Israel, acima de Deus mesmo e estavam dispostos a defender seu feudo com todas as forças.

III. A Questão da Autoridade – Mateus 21:23—27

A. Jesus vai ao Templo e expulsa os que ali comerciavam — Mateus 21:12.

B. Jesus cura cegos e coxos na área do Templo — Mateus 21:14.

C. Jesus recebe perfeito louvor dos lábios das crianças e é condenado pelos principais sacerdotes e fariseus – Mateus 21:15—16.

D. Os líderes religiosos se sentem ameaçados pelas coisas que Jesus fazia e ensinava e exigem que Ele explique com que autoridade Ele fazia as coisas que fazia e as coisas que ensinava — Mateus 21:23—27. Antes de responder, porem, Jesus exige deles uma resposta, mas eles se recusam a fornecer. Com isso, Jesus também se recusa a atendê-los.

E. Mas Jesus segue em frente e força-os a responder a Sua pergunta — ver Mateus 21:25 — contando a parábola que estamos vendo hoje.

IV. A Parábola dos dois filhos – Mateus 21:28—32.

A. Um homem tinha uma vinha. Era um negócio familiar e todos na família precisavam ajudar.

B. Procurou um dos filhos e lhe pediu que fosse trabalhar na vinha naquele dia. O filho educadamente disse: “Sim senhor; porém não foi”.

C. Procurou o outro filho e lhe pediu o mesmo. A resposta ríspida deste foi: “Não quero, depois, arrependido foi”.

D. Jesus então pergunta aos líderes religiosos: “Qual dos dois fez a vontade do pai?”
E. Os líderes religiosos ofereceram a resposta correta. Essa era a resposta que Jesus estava esperando. O que eles não estavam esperando eram as implicações da conclusão que Jesus tirou da resposta que eles deram: publicanos e prostitutas vos precedem no reino de Deus. Quem eram os publicanos? Eram os cobradores de impostos a favor do império romano. Eles eram considerados traidores no maior grau e se encontravam em uma condição imperdoável pelos judeus.  As prostitutas todos nós sabemos quem são. Jesus diz que este tipo de pessoas e não os líderes religiosos estavam entrando no reino de Deus.

Líderes judeus nos dias de Jesus

F. Por quê? Porque publicanos e prostitutas ouviram a mensagem pregada por João e se arrependeram e foram batizados confessando seus pecados. Os líderes religiosos estavam cheios de orgulho, arrogância e cegueira – ver Mateus 24:4—7. Eles haviam rejeitado a João e à sua mensagem, quiseram apenas se divertir um pouco à custa de João — ver

João 5:35

Ele era a lâmpada que ardia e alumiava, e vós quisestes, por algum tempo, alegrar-vos com a sua luz.

Mas a mensagem de João Batista tinha origem Divina — João estava revelando a vontade de Deus. Rejeitá-la era cometer o pior erro possível – ver

Lucas 7:29—30

29 Todo o povo que o ouviu e até os publicanos reconheceram a justiça de Deus, tendo sido batizados com o batismo de João;

30 mas os fariseus e os intérpretes da Lei rejeitaram, quanto a si mesmos, o desígnio de Deus, não tendo sido batizados por ele.

Conclusão:

1. Desde a mais remota antiguidade da revelação divina obediência —conformação interna — é melhor do que sacrificar — conformação externa – ver

1 Samuel 15:22

Porém Samuel disse: Tem, porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros.

2. Pessoas que se conformam externamente apenas serão “barrados na porta do baile” – ver

Mateus 7:21

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

3. O Senhor Jesus disse que:

João 15:14.

Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando.

4.O próprio Senhor Jesus não veio para fazer Sua própria vontade mas para fazer a vontade do Pai – ver

João 4:34 

Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra.


5. E nós?



OUTRAS PARÁBOLAS DE JESUS PODEM SER ENCONTRADAS NOS LINKS ABAIXO:

001 – O Sal 

002 – Os Dois Fundamentos 

003 – O Semeador

004 – O Joio e o Trigo =

005 – O Credor Incompassivo

006 — O Grão de Mostarda e o Fermento

007 — Os Meninos Brincando na Praça

008 — A Semente Germinando Secretamente

009 e 010 — O Tesouro Escondido e a Pérola de Grande Valor

011 — A Eterna Fornalha de Fogo

012 — A Parábola dos Trabalhadores na Vinha

013 — A Parábola dos Dois Irmãos

014 — A Parábola dos Lavradores Maus — Parte 1

014A — A Parábola dos Lavradores Maus — Parte 2

015 — A Parábola das Bodas —

016 — A Parábola da Figueira

017 — A Parábola do Servo Vigilante

018 — A Parábola do Ladrão

019 — A Parábola do Servo Fiel e Prudente

020 — A Parábola das Dez Virgens
Que Deus abençoe a todos

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário