terça-feira, 21 de junho de 2016

CULTURA DO ESTUPRO: LEITORA DÁ SUA OPINIÃO



Recebemos de uma leitora o seguinte comentário que decidimos publicar para o benefício de todos.

Pastor,

Obviamente, fui uma das muitas pessoas que ficou estarrecida com o triste acontecido na minha cidade natal e fui pesquisar mais sobre o assunto. Li vários textos, assisti vídeos e só posso dizer que o que veio à tona com o caso da "menina do Rio" é só mais uma faceta deste mundo desumanizado, de uma sociedade sem moral, de um mundo sem o temor de Deus!

Poderia ser simplista em dizer que: "se ela tivesse ficado em casa, nada disso teria acontecido". Contudo, estupros podem acontecer em qualquer lugar, inclusive em casa. Lembrei-me do caso "Bianca Consoli" que foi estuprada pelo próprio cunhado que invadiu a casa dos sogros e violentou e matou a moça há 5 anos atrás. E por que não lembrar da "lenda do boto" nas regiões amazônicas? Dizem que esta história das jovens que aparecem grávidas do boto que se transforma num belo jovem sedutor em noites de lua cheia é para ocultar uma cultura muito perversa de pais que violentam suas filhas e por vezes as engravidam.

No submundo das favelas e do tráfico de drogas, os chefes da bandidagem mandam e "obedece quem tem juízo". Logo, os poderosos podem escolher qualquer mulher da comunidade como sua e a família deve aceitar de bom grado. Simples assim.

A questão se torna mais trágica pelo fato das moças das favelas almejarem serem "as mulheres dos chefões" porque isto é sinônimo de poder dentro daquele microcosmo. Respeito, reverência, dinheiro e ostentação, ou seja, o que é vendido como imagem de sucesso nos meios de comunicação de massa é obtido nestas uniões.

No texto de Wilson Ferreira replicado no blog: "O Grande Diálogo" há várias questões abordadas sobre a prolatada cultura do estupro. O autor recorreu aos ensinamentos de Freud, escreve sobre falo e como o homem enxerga a mulher desde a primeira infância e etc. Sei que Freud é referência para muitos estudiosos, mas confesso que sempre quando leio: "segundo Freud..." fico cansada só de ler. Não sou estudiosa no assunto, mas sou mulher, por isso posso dizer algo não baseada no pai da psicanálise, mas na realidade que vivo: - o machismo sempre existiu. As mulheres apoiam a perpetuação do sistema, porque o machismo (e também o feminismo) é, nada mais que, a eterna luta do forte contra o fraco, baseado na maldade que há dentro de cada um. Porque ninguém é bom. Ponto final.

As propagandas usam as mulheres para vender tudo! Corpos nus para vender um par de sapatos, por exemplo. E nos é ensinado que: "o que é bonito é para ser mostrado". Empodere-se. Seja a "gostosona" do bairro. Rebola e desce até o chão! Já o feminismo diz que o homem deve ser tratado como o opressor, que deve ser combatido. Então, se por um lado, a mulher deve andar por aí mostrando tudo, o homem tem que ver e se comportar como um ser destituído de testosterona.

E a menina do Rio? Ela só seguiu os ensinamentos da mídia. Saiu do seu mundinho classe média, no qual era apenas mais uma e foi ser "rainha da favela". Fez amizade com os traficantes e pagou o preço para entrar na turma: com muito sexo. Sim, muito trágico, mas é a realidade. Creio eu que a jovem só saiu do transe em que vivia quando a podridão sem limites foi veiculada nas redes sociais e ela foi forçada a ver que foi violada várias vezes e aquela não era a primeira vez. Violada no corpo e na alma. Consciente do erro, mas inconsciente pelos entorpecentes. E não pensemos nós que achamos que vivemos no mundo normal, que aqui é diferente. Boa parte das mulheres busca o combo: homem bem sucedido e com muito dinheiro. Pode ser até velho, mas se tiver dinheiro, melhor ainda. Porque estas mulheres bombardeadas pela mídia querem ter uma Louis Vuitton para chamar de sua, viagens pelo mundo e para espantar o tédio de uma tarde sem fazer nada, que tal uma massagem? Uma visita ao cabeleireiro? Porque mulher poderosa jamais será recatada e do lar, ou dona de casa e estragar a unha postiça lavando louça! O bom mesmo é ostentar aquele carrão, as joias, o marido (de pedigree e bem treinado) e os filhos educados pela babá e fazer inveja as "amigas".

E os homens? Nunca vi os homens sendo tão machos e tão menos homens com H maiúsculo. O homem verdadeiramente homem é líder, não ditador, governa a família com amor, dá a vida pela amada. Utopia? Talvez seja e por isso está escrito na Bíblia, livro que recebe a alcunha de manual de fanáticos, primitivos e semi analfabetos.

Então, neste mundo onde a fêmea anda quase nua para se sentir empoderada e o macho não pode nem assobiar "fiu, fiu". Onde sexo é moeda de troca (e aqui não falo da prostituição como profissão), onde o fraco sempre sofrerá na mão do mais forte (pode ser homem, mulher, jovem ou velho, criança, branco ou negro), onde as pessoas não mais pensam porque gastam toda a vida em redes sociais, tv ou qualquer inutilidade do tipo, a cultura do estupro sempre estará à sombra e pronta para mostrar o mais perverso de nós.

Simone dos Santos

Que Deus abençoe a todos,

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link: 


Desde já agradecemos a todos.     

Um comentário:

  1. Buenos días a todos y muchas gracias por compartir tanto sobre cultura. Para los que estamos dando los primeros pasos, este tipo de recursos nos ayuda mucho a aprender y mejorar. Les comento que hace un tiempo hice un curso y empecé a producir mis propios diseños. Estaría bárbaro que nos recomienden también otros sitios en donde salir a vender el diseño que producimos. Gracias y saludos desde Temperley, Buenos Aires

    ResponderExcluir