quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO — PARTE 009 — O TEMA CENTRAL E SUA ESTRUTURA BÁSICA — PARTE 001




ESSA É UMA SÉRIE DE ESTUDOS QUE VISA ABORDAR DA MANEIRA COMO CONSIDERAMOS APROPRIADA A IMPORTANTE QUESTÃO RELATIVA À RESSURREIÇÃO DE CRISTO. TOMANDO COMO BASE AS OBRAS DE GEERHARDUS VOS E HERMAN RIDDERBOS. NOSSA INTENÇÃO É MOSTRAR A CENTRALIDADE DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO NA TEOLOGIA PAULINA.

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO NA SOTERIOLOGIA DE PAULO

Existe uma dificuldade especial que envolve a interpretação do material produzido pelo apóstolo Paulo, apesar de seus escritos e pregações nos apresentarem um corpo de ensinamentos claro e coerente. Todavia, as amarras de tal coerência encontram-se, frequentemente, por baixo da superfície do texto em si mesmo. Como resultado disso é possível que o intérprete perceba certos relacionamentos entre os elementos daquilo que Paulo ensina, mas sem perceber, exatamente como, os mesmo se relacionam ou a prioridade de cada elemento relativamente a outros. Assim temos que: enquanto essa falta de entendimento persistir uma compreensão imprópria dos conceitos paulinos será inevitável. O resultado disso será, em maior ou menor escala, uma imposição arbitrária duma estrutura estranha ao material paulino ou a experiência duma confusão, que se torna cada vez mais desconcertante e ilusória, apenas porque o indivíduo se deixou confundir com várias linhas de interpretação que lhe pareceram bastante verdadeiras. 

Esse problema torna-se ainda maior quando o assunto estudado é a ressurreição do Senhor Jesus dentre os mortos. Quando o assunto é esse existe uma gigantesca teia de ideias que é tão variada e complexa, que a perspectiva do apóstolo Paulo fica sujeita a todo tipo de distorções. Em outras palavras, o que estamos querendo dizer é que: nessa questão, o intérprete deve ser muito sensível à estrutura com a qual está lidando. Dessa maneira, nós sentimos que é essencial começar demonstrando que existe um fio contínuo que percorre toda a extensão dos ensinos de Paulo acerca do tema que trata da ressurreição do Senhor Jesus, bem como de todos os verdadeiros crentes. Tal abordagem pode, num primeiro momento, dar a impressão que foi apenas inventada pelo autor, mas sua validade e valor irão tornar-se cada vez mais aparentes à medida que a discussão é ampliada.

I. A RESSURREIÇÃO DE CRISTO E A RESSURREIÇÃO FUTURA DE TODO CRENTE VERDADEIRO

O fato da união solidária que existe entre a pessoa de Cristo e os crentes verdadeiros no que diz respeito à ressurreição dentre os mortos encontra-se na superfície de muitos textos paulinos e nós precisamos analisar cada um deles com profundidade razoável. É o que iremos começar afazer em seguida.
1 Coríntios 15:20—28

20 Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem.

21 Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos.

22 Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.

23 Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda.

24 E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder.

25 Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés.

26  O último inimigo a ser destruído é a morte.

27 Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente, exclui aquele que tudo lhe subordinou.

28 Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.

A noção da nossa unidade com Cristo é expressa de forma absolutamente clara e até mesmo gráfica em 1 Coríntios 15:10. Nesse verso nó vemos Paulo afirmar que Cristo, por causa da virtude de sua própria ressurreição é chamado de: sendo ele as primícias dos que dormem. A ideia é complementada a afirmação de Paulo em 1 Coríntios 15:23. A expressão grega ἀπαρχὴ — aparchè — que é traduzida como primícias merece nossa especial atenção, pois como disse Johannes Weiss, a mesma contém uma tese[1]. Existe pouca dúvida, se é que, de fato existe alguma, que tal expressão encontra sua base no uso que a Septuaginta — LXX — faz da mesma. Na Septuaginta, com poucas exceções, a expressão primícias possui um significado claramente atrelado ao culto do Antigo Testamento. A mesma faz uma referência direta às primícias referentes às ofertas de grãos, vinho, gado e outras ofertas, conforme a orientação de Moisés, como podemos ver em —

Êxodo 23:19

As primícias dos frutos da tua terra trarás à Casa do SENHOR, teu Deus.

Levítico 23:10

Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando entrardes na terra, que vos dou, e segardes a sua messe, então, trareis um molho das primícias da vossa messe ao sacerdote.

Números 15:20—21

20 Das primícias da vossa farinha grossa apresentareis um bolo como oferta; como oferta da eira, assim o apresentareis.

21 Das primícias da vossa farinha grossa apresentareis ao SENHOR oferta nas vossas gerações.

Números 18:8, 11—12

8 Disse mais o SENHOR a Arão: Eis que eu te dei o que foi separado das minhas ofertas, com todas as coisas consagradas dos filhos de Israel; dei-as por direito perpétuo como porção a ti e a teus filhos.

11 Também isto será teu: a oferta das suas dádivas com todas as ofertas movidas dos filhos de Israel; a ti, a teus filhos e a tuas filhas contigo, dei-as por direito perpétuo; todo o que estiver limpo na tua casa as comerá.

12 Todo o melhor do azeite, do mosto e dos cereais, as suas primícias que derem ao SENHOR, dei-as a ti.

Deuteronômio 18:4

Dar-lhe-ás as primícias do teu cereal, do teu vinho e do teu azeite e as primícias da tosquia das tuas ovelhas.

Deuteronômio 26:2, 10

2 Tomarás das primícias de todos os frutos do solo que recolheres da terra que te dá o SENHOR, teu Deus, e as porás num cesto, e irás ao lugar que o SENHOR, teu Deus, escolher para ali fazer habitar o seu nome.

10 Eis que, agora, trago as primícias dos frutos da terra que tu, ó SENHOR, me deste. Então, as porás perante o SENHOR, teu Deus, e te prostrarás perante ele.

O aspecto principal das primícias é que as mesmas, enquanto sacrifícios, não eram oferecidas por si mesmas, e sim como representativas da colheita inteira que havia de seguir, do rebanho inteiro e etc. Elas serviam como um sinal de reconhecimento e gratidão que toda a colheita havia sido produzida e disponibilizada pelo próprio Deus. Exemplos cristalinos disso podem ser visto em passagens tais como —

Números 18:30

Portanto, lhes dirás: Quando oferecerdes o melhor que há nos dízimos, o restante destes, como se fosse produto da eira e produto do lagar, se contará aos levitas.

Deuteronômio 26:1—4

1 Ao entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança, ao possuí-la e nela habitares,

2 tomarás das primícias de todos os frutos do solo que recolheres da terra que te dá o SENHOR, teu Deus, e as porás num cesto, e irás ao lugar que o SENHOR, teu Deus, escolher para ali fazer habitar o seu nome.

3 Virás ao que, naqueles dias, for sacerdote e lhe dirás: Hoje, declaro ao SENHOR, teu Deus, que entrei na terra que o SENHOR, sob juramento, prometeu dar a nossos pais.

4 O sacerdote tomará o cesto da tua mão e o porá diante do altar do SENHOR, teu Deus.

Desse modo, as primícias possuem uma força que transcende o tempo. As mesmas servem para trazer à luz a porção inicial da colheita, mas apenas como uma parte da totalidade da mesma. O foco das mesmas está centrado nas ovelhas recém-nascidas apenas com pertencentes ao todo do rebanho. As primícias manifestam a noção da conexão orgânica e da verdadeira unidade que representam o fato que as mesmas são inseparáveis do todo. É esse aspecto que, de modo especial,dá aos sacrifício das primícias seu significado.

CONTINUA...

OUTROS ARTIGOS ACERCA DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO NOS ESCRITOS DO APÓSTOLO PAULO

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO — PARTE 001 — INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA.

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO — PARTE 002 — PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS — PARTE 001.

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 003 — QUESTÕES METODOLÓGICAS — PARTE 002 — A RELAÇÃO ENTRE OS ATOS REDENTORES DE DEUS E A REVELAÇÃO DAS ESCRITURAS SAGRADAS

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 004 — QUESTÕES METODOLÓGICAS — PARTE 003 — A RELAÇÃO ENTRE PAULO E SEUS INTÉRPRETES MODERNOS

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 005 — QUESTÕES METODOLÓGICAS — PARTE 004 — PAULO, NÓS E A HISTÓRIA DA REDENÇÃO


A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 006 — QUESTÕES METODOLÓGICAS — PARTE 005 — PAULO E SEUS INTÉRPRETES — PARTE 01

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 007 — QUESTÕES METODOLÓGICAS — PARTE 006 — PAULO E SEUS INTÉRPRETES — PARTE 002

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 008 — QUESTÕES METODOLÓGICAS — PARTE 007 — PAULO E SEUS INTÉRPRETES — PARTE 003 — FINAL

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 009 — O TEMA CENTRAL E SUA ESTRUTURA BÁSICA — PARTE 001 — CRISTO, AS PRIMÍCIAS — PARTE 001

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 010 — O TEMA CENTRAL E SUA ESTRUTURA BÁSICA — PARTE 002 — CRISTO É AS PRIMÍCIAS E OS CRENTES SÃO A COLHEITA PLENA — PARTE 002

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 011 — O TEMA CENTRAL E SUA ESTRUTURA BÁSICA — PARTE 003 — CRISTO É O PRIMOGÊNITO DENTRE OS MORTOS — PARTE 003

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 012 — O TEMA CENTRAL E SUA ESTRUTURA BÁSICA — PARTE 004 — A RESSURREIÇÃO DE CRISTO E A RESSURREIÇÃO DOS CRENTES SÃO EPISÓDIOS DE UM ÚNICO EVENTO

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO DENTRE OS MORTOS NA TEOLOGIA DE PAULO – PARTE 013 — A RESSURREIÇÃO DE CRISTO E A RESSURREIÇÃO PASSADA DOS CRENTES — PARTE 001


Que Deus Abençoe a Todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.


[1] Weiss, Johannes. Der erste Korintberbrief. Vandenhoeck & Ruprecht, Göttingen, 1925.

Nenhum comentário:

Postar um comentário