segunda-feira, 18 de abril de 2016

ESTUDOS NO LIVRO DE PROVÉRBIOS — ESTUDO 007 - NOSSA NECESSIDADE PELA SABEDORIA VERDADEIRA



Nesse estudo iremos abordar o Livro de Provérbios, mas iremos fazer isso de maneira diferente do que apenas apresentar uma exposição, versículo por versículo. Nossa intenção é apresentar os grandes temas que encontramos no livro e dar andamento no mesmo a partir daí.

ESTUDO 007

CONTINUAÇÃO

Em duas passagens de Provérbios somos informados que o verdadeiro conhecimento de Deus é:

1. Dado através da revelação:

Provérbios 2:6

Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento.

2. É alimentado por aquilo que pode ser chamado a prática da presença de Deus, conforme se recomenda em

Provérbios 3:6
Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas.

Isso nos faz lembrar o alvo da própria Nova Aliança — Todos me conhecerão, conforme

Hebreus 8:11 —

E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior.

E em Provérbios lemos —

Provérbios 3:32

Porque o SENHOR abomina o perverso, mas aos retos trata com intimidade.

Isso quer dizer que os retos fazem parte do círculo íntimo do próprio Deus. Essa comunhão “em todos os teus caminhos” dá a entender, além da reverência e da obediência, a confiança; e é digno de nota que Provérbios, apesar de sua ênfase no bom senso, exalta a fé acima da sagacidade —

Provérbios 3:5—7

5 Confia no SENHOR de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento.

6 Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas.

7 Não sejas sábio aos teus próprios olhos; teme ao SENHOR e aparta-te do mal.

Por outro lado, o planejamento, por mais apropriado que seja, está sujeito aos ditames da própria soberania de Deus:

Provérbios 19:21

Muitos propósitos há no coração do homem, mas o desígnio do SENHOR permanecerá.

B. Deus e o Homem

Uma verdade que temos que aprender é que a vitória não depende nem das nossas forças e nem da nossa esperteza. A vitória depende do Senhor:

Provérbios 21:31

O cavalo prepara-se para o dia da batalha, mas a vitória vem do SENHOR.

Por outro lado a cautela excessiva pode nos ser fatal, mas os que confiam no Senhor podem sempre descansar seguros:

Provérbios 29:25

Quem teme ao homem arma ciladas, mas o que confia no SENHOR está seguro.

Nos dias do profeta Isaías os reis de Judá em vez de confiarem no Senhor estavam procurando fazer acordos militares com os assírios e os egípcios contra os babilônios. Desse modo um dos sábios que ajudaram a escrever o Livro dos Provérbios diz que seu propósito é fortalecer a fé e não a autoconfiança —

Provérbios 22:19

Para que a tua confiança esteja no SENHOR, quero dar-te hoje a instrução, a ti mesmo.

Mas a fé a qual nos referimos não deve ser confundida como mero assentimento mental como acontece, por exemplo, com os demônios —

Tiago 2:19

Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios creem e tremem.

Os demônios creem no sentido de assentimento intelectual. Tal crença não se manifesta em forma da fé verdadeira que é capaz de transformar nossas vidas. Em provérbios a fé mencionada está sempre baseada em um sólido relacionamento estabelecido com Deus, exatamente como o relacionamento mencionado na aliança feita entre Deus e o povo de Israel no passado.

A aliança com Deus no passado é mencionada uma única vez no Livro de Provérbios e, mesmo assim, no contexto muito peculiar que envolve a mulher adúltera —

Provérbios 2:16—17

16 Para te livrar da mulher adúltera, da estrangeira, que lisonjeia com palavras,

17 a qual deixa o amigo da sua mocidade e se esquece da aliança do seu Deus. 

Não está claro se a Aliança mencionada aqui se refere à Aliança de Deus com o povo de Israel. Parece mais uma referência à aliança que a mulher citada nos versículos, teria feito algum dia, diante do seu deus — talvez numa cerimônia de casamento. Independentemente de qual aliança está sendo referida aqui, a menção da mesma apenas torna o pecado dela ainda mais nojento e abominável.

Esse tipo de vínculo pessoal com Deus é destacado também nas palavras do rei Agur que encontramos em —

Provérbios 30:7—9

7  Duas coisas te peço; não mas negues, antes que eu morra:

8  afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário;

9  para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus.

Ver Também

Deuteronômio 8:11—20

11 Guarda-te não te esqueças do SENHOR, teu Deus, não cumprindo os seus mandamentos, os seus juízos e os seus estatutos, que hoje te ordeno;

12 para não suceder que, depois de teres comido e estiveres farto, depois de haveres edificado boas casas e morado nelas;

13 depois de se multiplicarem os teus gados e os teus rebanhos, e se aumentar a tua prata e o teu ouro, e ser abundante tudo quanto tens,

14 se eleve o teu coração, e te esqueças do SENHOR, teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão,

15 que te conduziu por aquele grande e terrível deserto de serpentes abrasadoras, de escorpiões e de secura, em que não havia água; e te fez sair água da pederneira;

16 que no deserto te sustentou com maná, que teus pais não conheciam; para te humilhar, e para te provar, e, afinal, te fazer bem.

17 Não digas, pois, no teu coração: A minha força e o poder do meu braço me adquiriram estas riquezas.

18 Antes, te lembrarás do SENHOR, teu Deus, porque é ele o que te dá força para adquirires riquezas; para confirmar a sua aliança, que, sob juramento, prometeu a teus pais, como hoje se vê.

19 Se te esqueceres do SENHOR, teu Deus, e andares após outros deuses, e os servires, e os adorares, protesto, hoje, contra vós outros que perecereis.

20 Como as nações que o SENHOR destruiu de diante de vós, assim perecereis; porquanto não quisestes obedecer à voz do SENHOR, vosso Deus.

A essência da aliança, como manifestada pelo rei Agur está no relacionamento íntimo com Deus. E o relacionamento desponta de modo todo especial, na forma como o pai se relaciona com o filho em —

Provérbios 3:12

Porque o SENHOR repreende a quem ama, assim como o pai, ao filho a quem quer bem.

Então que possamos aprender bem essa lição: Deus nos ama, independentemente de qualquer outra coisa que possa ser levada em conta.

Por fim, queremos tratar de uma questão muito importante: É possível que o próprio rei Salomão e os outros compiladores do Livro dos Provérbios tivessem a intenção de não vincular os mesmos diretamente com a Aliança feita entre Deus e o povo de Israel, porque desejavam criar uma espécie de livro que pudesse ser válido para todas as pessoas e não apenas para os chamados “filhos da aliança”? De fato não é difícil perceber que o “homem” mencionado em Provérbios não é visto, preferencialmente como um israelita, como podemos notar que é a tendência clara em outras partes das Escrituras do Antigo Testamento. É óbvio que em muitos versículos nós podemos encontrar referências às instituições do Israel Antigo. Entre essas referências podemos citar a oração e os sacrifícios. Mesmo assim a ênfase desses últimos — os sacrifícios — é a mesma que encontramos nos profetas, —

Provérbios 21:3

Exercitar justiça e juízo é mais aceitável ao SENHOR do que sacrifício.

Ver essa verdade ilustrada em

Isaías 1:10—17

10 Ouvi a palavra do SENHOR, vós, príncipes de Sodoma; prestai ouvidos à lei do nosso Deus, vós, povo de Gomorra.

11 De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios? —diz o SENHOR. Estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais cevados e não me agrado do sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes.

12 Quando vindes para comparecer perante mim, quem vos requereu o só pisardes os meus átrios?

13 Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e também as Festas da Lua Nova, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniquidade associada ao ajuntamento solene.

14 As vossas Festas da Lua Nova e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece; já me são pesadas; estou cansado de as sofrer.

15 Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue.

16 Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal.

17 Aprendei a fazer o bem; atendei à justiça, repreendei ao opressor; defendei o direito do órfão, pleiteai a causa das viúvas.

Por outro lado, temos também a colocação de que somente aqueles que amam a perversidade podem desprezar a Lei —

Provérbios 28:4

Os que desamparam a lei louvam o perverso, mas os que guardam a lei se indignam contra ele.

E ainda, temos a descrição do que acontece com um povo que não tem a Lei para servir de direção em —

Provérbios 29:18

Não havendo profecia, o povo se corrompe; mas o que guarda a lei, esse é feliz.

Assim, o Livro de Provérbios, do meio de uma grande quantidade de ditados, nos apresenta a religião apenas como algo implícito nos mesmos. Isso nos impede de vestir o Livro dos Provérbios com uma estola sacerdotal ou, até mesmo, com o manto de um profeta, cuja intenção é conduzir qualquer pessoa que seja para, digamos, uma igreja.

Por outro lado, é sua figura centrada na sabedoria que nos chama a todos para nos falar de modo franco, de algum aspecto da nossa vida diária, inclusive da nossa vida no lar. A função do Livro de Provérbios é vestir a vida piedosa com as roupas do trabalho cotidiano. Por isso, o mesmo menciona o comércio e a sociedade como ambientes nos quais devemos nos comportar, de modo tal que o nome de Deus seja glorificado e não blasfemado, como acontece em nossos dias.

Romanos 2:24

Pois, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa.

Se nós pudéssemos analisar quais influências edificam o caráter de uma pessoa, até que ela atinja a maturidade, logo perceberíamos que, as que chamamos de naturais superam, em muito, o número daquelas que podemos chamar de sobrenaturais. Mas mesmo que isso seja verdadeiro, o Livro de Provérbios nos garante que isso não diminui a eficácia da graça de Deus, porque as duras realidades que temos que enfrentar diariamente são o método estabelecido pelo próprio Deus, para moldar e formar nosso caráter. Nesse sentido então, não existe nenhuma alternativa para a graça soberana de Deus em nossas vidas. Nós temos que passar por tudo aquilo que o Senhor, na sua graça, tem preparado como forma de moldar nosso caráter. Em Provérbios, tudo procede da graça de Deus —

Provérbios 20:12

O ouvido que ouve e o olho que vê, o SENHOR os fez, tanto um como o outro. 

Ainda assim, apesar de todas as pessoas estarem de uma forma ou de outra — alguns como crentes e outros como incrédulos — matriculados na escola de Deus, são poucos os que aprendem ali a verdadeira sabedoria, uma vez que o conhecimento que Deus deseja transmitir é o conhecimento dEle mesmo e os incrédulos não têm, nenhum interesse nisso, de nenhuma forma que seja. O conhecimento íntimo de Deus é o prêmio final de nossas vidas.

Somente através da mais completa submissão à autoridade e majestade de Deus e de Sua Palavra — o que o Livro dos Provérbios chama de: Temor do Senhor — é que podemos começar e continuar nossa tão necessária educação de verdade.

É através de uma busca diligente pela sabedoria, como alguém que procura por tesouros ocultos que encontraremos nosso prêmio final, que é uma intimidade mais profunda e intensa com o próprio Deus, na pessoa de Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. O próprio Senhor é o princípio como o fim de todo o processo que estamos chamando de “adquirir a sabedoria”. O alvo de todo ser humano deve ser —

Provérbios 2:5

Então entenderás o temor do SENHOR, e acharás o conhecimento
de Deus.

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis
PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.       

Nenhum comentário:

Postar um comentário