segunda-feira, 25 de abril de 2016

PARÁBOLAS DE JESUS - SERMÃO 037C - MATEUS 18:12—14 E LUCAS 15:4—7 — A PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA — PARTE 003



Esse artigo é parte da série "Parábolas de Jesus" e é muito recomendável que o leitor procure conhecer todos os aspectos das verdades contidas nessa série, com aplicações para os nossos dias. No final do artigo você encontrará links para os outros artigos dessa série.

A Parábola da Ovelha perdida

A EXPLICAÇÃO DA PARÁBOLA

A. Opções de Interpretação

A Igreja Primitiva, em sua maior parte, sempre interpretou essa parábola como fazendo referência à encarnação de Jesus Cristo para salvar a humanidade perdida. Nesse contexto as outras noventa e nove ovelhas representam os anjos que foram deixados no céu. A maioria dos intérpretes modernos prefere entender a parábola como sendo a obra salvadora de Deus ou de Cristo. Eles enfatizam tanto a busca como o regozijo provocado pelo fato do pastor ter encontrado a ovelha. Alguns poucos intérpretes, todavia, colocam essa parábola na mesma categoria de outras que nos falam de pessoas que estão procurando pelo reino de Deus, como a parábola do tesouro escondido e a pérola de grande valor.

1. Decidindo por uma Interpretação

A relação entre Lucas 15:1—3 com Lucas 5:29—32 pode ser reconhecida com facilidade —

Lucas 5:29—32

29 Então, lhe ofereceu Levi um grande banquete em sua casa; e numerosos 
publicanos e outros estavam com eles à mesa.

30 Os fariseus e seus escribas murmuravam contra os discípulos de Jesus, perguntando: Por que comeis e bebeis com os publicanos e pecadores?

31 Respondeu-lhes Jesus: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes.

32 Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento.

Lucas 15:1—3

1 Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir.

2 E murmuravam os fariseus e os escribas, dizendo: Este recebe pecadores e come com eles.

3 Então, lhes propôs Jesus esta parábola.

Como as narrativas de Mateus e Lucas são bastante diferentes os estudiosos entendem que, como acontece com vários outros ensinamentos de Jesus, trata-se dum mesmo motivo utilizado em contextos diferentes conforme defende I. Howard Marshall em seu comentário exegético no texto grego de Lucas.[1] As duas narrativas — de Mateus e de Lucas — nos falam do esforço de Deus e de Sua atitude para salvar os perdidos. Muitos autores concluem o seguinte: Mateus se relaciona com a primeira parte da parábola — a busca — enquanto Lucas com a última — a alegria.

Da mesma forma como um pastor não descansa tranquilo ao perder uma ovelha, assim também acontece com Deus que não deseja que ninguém se perca —

1 Timóteo 2:3—4

3  Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador,

4  o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.

Concluindo podemos dizer que temos duas formas distintas da mesma parábola, com a de Lucas sendo mais precisa quanto às circunstâncias e as pessoas envolvidas. Desse modo não precisamos e nem devemos priorizar uma apresentação contra a outra.

2. Um pastor abandonaria as outras noventa e nove ovelhas? Qual a relevância desse fato para a compreensão da parábola?

Chega a ser quase inacreditável que muitos comentaristas acreditam que o ato do pastor abandonar as outras noventa e nove ovelhas é uma prova que a parábola é: 1) Absurda; 2) Que a misericórdia de Deus é um mistério; 3) Que o pastor é um irresponsável; 4) Que o pastor é o exemplo típico de alguém que assume riscos. Todavia, devemos deixar bem claro que tais interpretações violam os contextos culturais e literários envolvidos na parábola. O cuidado por uma ovelha não representa o descaso ou descuido pelas outras. Apesar do texto não fazer referência a isso, não temos como não imaginar que o pastor tenha deixado as noventa e nove dentro de algum cercado ou sob os cuidados de algum outro pastor[2]. De qualquer maneira um rebanho desse tamanho teria, certamente, mais do que um pastor apenas. Se o pastor tivesse abandonado as outras noventa e nove no deserto, então a narrativa de Lucas não faria sentido, pois depois de encontrar a ovelha perdida o pastor não retorna para as outras noventa e nove e sim para sua casa. Não teria o pastor retornado para o rebanho depois de ter encontrado a extraviada? O que o pastor fez com a ovelha perdida quando convidou seus vizinhos para se alegrarem com ele? Perguntas, perguntas. Mas o fato é que uma das muitas características da parábola é que as mesmas são marcadas por foco e  brevidade e não se preocupam com detalhes desnecessários. Quem se preocupa com esses detalhes somos nós. A parábola da Ovelha Perdida não se ocupa com nenhum detalhe representado pelas perguntas acima. O foco da parábola está na busca e na resultante alegria após ter encontrado a perdida. Nada mais é importante. Tornar as questões secundárias em questões relevantes, geralmente, produz resultados desastrosos para a interpretação. Toda tentativa de se produzir qualquer interpretação que tenha como base elementos que não estejam no texto, na maioria das vezes, se mostrará errada. Com isso em mente, podemos afirmar que qualquer foco centrado nas noventa e nove está fora do propósito original da parábola. Dizemos isso por dois motivos: 1) É apenas natural que os ouvintes/leitores da parábola tivessem a expectativa que o pastor devia deixar as noventa e nove e buscar a perdida; 2) A ideia que o pastor, simplesmente, abandonou as outras noventa e nove no deserto não encontra analogia semelhante nas duas próximas parábolas que seguem na narrativa de Lucas — a parábola da dracma perdida e a parábola dos dois filhos perdidos. Qualquer interpretação baseada nas noventa e nove, não deve ser levada a sério.

CONTINUA...


OUTRAS PARÁBOLAS DE JESUS PODEM SER ENCONTRADAS NOS LINKS ABAIXO:

001 – O Sal

002 – Os Dois Fundamentos

003 – O Semeador

004 – O Joio e o Trigo =

005 – O Credor Incompassivo

006 — O Grão de Mostarda e o Fermento

007 — Os Meninos Brincando na Praça

008 — A Semente Germinando Secretamente

009 e 010 — O Tesouro Escondido e a Pérola de Grande Valor

011 — A Eterna Fornalha de Fogo

012 — A Parábola dos Trabalhadores na Vinha

013 — A Parábola dos Dois Irmãos

014 — A Parábola dos Lavradores Maus — Parte 1

014A — A Parábola dos Lavradores Maus — Parte 2

015 — A Parábola das Bodas —

016 — A Parábola da Figueira

017 — A Parábola do Servo Vigilante

018 — A Parábola do Ladrão

019 — A Parábola do Servo Fiel e Prudente

020 — A Parábola das Dez Virgens

021 — A Parábola dos Talentos

022 — A Parábola das Ovelhas e dos Cabritos

023 — A Parábola dos Dois Devedores

024 — A Parábola dos Pássaros e da Raposa

025 — A Parábola do Discípulo que Desejava Sepultar Seu Pai

026 — A Parábola da Mão no Arado

027 — A Parábola do Bom Samaritano — Completo

027A — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 1

027B — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 2 — Os Ladrões e o Sacerdote

027C — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 3 — O Levita

027D — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 4 — O Samaritano

027E — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 5 — O Socorro

027F — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 6 — O transporte até a hospedaria

027G — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 7 — O pagamento final

027H — A Parábola do Bom Samaritano — Parte 8 — O diálogo final entre Jesus e o doutor da Lei

028 — A Parábola do Rico Tolo —

029 — A Parábola do Amigo Importuno —

030 — A Parábola Acerca de Pilatos e da Torre de Siloé

031 — A Parábola da Figueira Estéril

032 — A Parábola Acerca dos Primeiros Lugares

033 — A Parábola do Grande Banquete

034 — A Parábola do Construtor da Torre e do Grande Guerreiro

035 — Introdução a Lucas 15 — Parábolas Acerca da Condição Perdida da Raça Humana — Parte 001

036 — Introdução a Lucas 15 — Parábolas Acerca da Condição Perdida da Raça Humana — Parte 002

037A — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 001

037B — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 002

037C — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 003

037D — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 004 — A Influência do Antigo Testamento

037E — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 005 — Características Cristológicas da Parábola da Ovelha Perdida

037F — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 006 — A importância das pessoas perdidas.
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2016/11/parabolas-de-jesus-mateus-181214-e.html

037H — Parábolas de Jesus — Mateus 18:12—14 e Lucas 15:4—7 — A Parábola da Ovelha Perdida — Parte 008 — Conclusão.

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.          




[1] Marshall, I. Howard. The Gospel of Luke em The New International Greek Testament Commentary. Eerdmans Publishing House
[2] Jeremias, J. As Parábolas de Jesus na Nova Coleção Bíblica. Editora Paulus, São Paulo, 2004

Nenhum comentário:

Postar um comentário