quinta-feira, 28 de abril de 2016

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 010 — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 005



Essa série pretende disponibilizar as informações mais importantes acerca de cada um dos 27 livros que compõem o Novo Testamento. Desde que lançamos nossa série de Introdução ao Antigo Testamento, muitos leitores têm nos questionando acerca de algum material semelhante com respeito ao Novo Testamento. Então, aproveitando que iniciamos uma série de estudos acerca dos manuscritos do Novo Testamento — tecnicamente chamada de “baixa crítica” — estamos usando essa oportunidade para lançar uma série que trate também do texto do Novo Testamento em si, e da interpretação geral do mesmo — “alta crítica”.

I. O EVANGELHO DE MATEUS

F. O Propósito, os Destinatários e o Lugar de Origem

1. O propósito — Quanto ao propósito do Evangelho de Mateus, nós precisamos destacar que em nenhum lugar do Evangelho nós encontramos uma afirmação inequívoca acerca do seu propósito. Caso o leitor já tenha ouvido que o propósito desse Evangelho é do tipo A ou do Tipo B e etc., precisa ser lembrado que essas afirmações são produzidas por meio da comparação de como Mateus e os outros evangelhos sinóticos tratam temas semelhantes. Os temas que encontramos em Mateus são diversos, complexos e, muitas vezes, contestados sem grandes dificuldades. Por esses motivos todas as tentativas de determinar o propósito do livro estão fadadas ao fracasso.
Isto posto, existem certas características bem marcantes em Mateus, quando comparado como os outros dois sinóticos, que devemos alistar para o conhecimento de todos:
1. Mateus não tem nenhuma preocupação em explicar usos e costumes, preceitos e termos judaicos. Exemplos disso podem ser encontrados nas seguintes passagens:

Mateus 15:2 — ver Marcos 7:1—13

Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? Pois não lavam as mãos, quando comem.

Mateus 23:5

Praticam, porém, todas as suas obras com o fim de serem vistos dos homens; pois alargam os seus filactérios e alongam as suas franjas.

Mateus 23:24

Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo!

Mateus 23:27

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia!

Mateus 5:22 na Almeida Revista e Corrigida — ARC

Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão será réu de juízo, e qualquer que chamar a seu irmão de raca será réu do Sinédrio; e qualquer que lhe chamar de louco será réu do fogo do inferno.

Mateus 27:6

E os principais sacerdotes, tomando as moedas, disseram: Não é lícito deitá-las no cofre das ofertas, porque é preço de sangue.

2. Mateus tem a tendência de adotar formulações argumentativas tipicamente rabínicas em vez de adotar formas mais diretas como encontramos no Evangelho de Marcos.

Mateus 19:3

Vieram a ele alguns fariseus e o experimentavam, perguntando: É lícito ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo?

Marcos 10:2

E, aproximando-se alguns fariseus, o experimentaram, perguntando-lhe: É lícito ao marido repudiar sua mulher?

Mateus 19:9

Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério e o que casar com a repudiada comete adultério.

Marcos 10:11

E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela.

3. Mateus também apresenta uma série de afirmações que parecem apoiar a ideia da permanência e continuidade da Lei de Moisés.

Mateus 5:19

Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.

Mateus 23:3

Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem.

4. Mateus favorece as palavras de Jesus que circunscrevem suas atividades ao povo de Israel, mas não sempre.

Mateus 10:5—6

5 A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos;

6 mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel;

Mateus 15:24 — esse verso está ausente na narrativa de Marcos

Mas Jesus respondeu: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.

5. Mateus prefere usar a expressão Reino dos Céus — 30 vezes — contra Reino de Deus — apenas 4 vezes. A expressão Reino de Deus nunca aparece nos Evangelhos de Marcos e Lucas.

6. Mateus também está carregado de citações do Antigo Testamento quando coparado com os outros sinóticos.

Essas características de Mateus têm levado muitos ao conceito que Mateus escreveu seu evangelho, prioritariamente, para os judeus. Mas cremos que tal convicção se sustenta apenas se fizermos uma enorme violência aos contextos onde os textos mencionados acima aparecem, isso para não falar no contexto maior do próprio Evangelhos de Mateus que tem seu ponto central na afirmação de —

Mateus 21:43

Portanto, vos digo que o reino de Deus vos será tirado — dos judeus — e será entregue a um povo — os gentios — que lhe produza os respectivos frutos.

E cujo final é completamente universalista em seu tom —

Mateus 28:19—20

19 Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;

20 ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.

Muitos outros intérpretes de Mateus preferem ver esse Evangelho como tendo o propósito específico de apresentar uma defesa da pessoa e da obra de Jesus Cristo. Certamente s narrativas da infância de Jesus tinham esse propósito contra as falsas acusações da parte de judeus despeitados. O mesmo pode ser dito acerca de certos aspectos da narrativa da ressurreição de Jesus que podem ser encontrados apenas em Mateus. Mas esses são pequenos aspectos dentro do quadro maior representado pelo Evangelho.

Para concluir podemos adotar dois comedimentos sugeridos por D. A. Carson em seu comentário acerca do Evangelho de Mateus. Ele diz:

1. Não é sábio especificar com muita precisão um motivação e propósito , pois aumenta a probabilidade de erro e de direção quando deixamos de lado evidências concretas para adotar suposições.

2. Não é sábio especificar apenas um propósito; o reducionismo não faz justiça à diversidade de temas em Mateus.[1]

CONTINUA...

OUTROS ESTUDOS ACERCA DA INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — PARTE 001 — INTRODUÇÃO GERAL AOS EVANGELHOS — ESTUDO 001

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — PARTE 002 — A FORMA LITARÁRIA DOS EVANGELHOS

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — PARTE 003 — MOTIVOS PORQUE OS EVANGELHOS FORAM ESCRITOS

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — PARTE 004 — O LUGAR OCUPADO PELOS QUATRO EVANGELHOS NO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — PARTE 005 —  A MELHOR FORMA DE ABORDAR OS QUATRO EVANGELHOS

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 006 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 001

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 007 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 002

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 008 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 003

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 009 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 004

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 010 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 005

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 011 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 006

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 012 – INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 007

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 013 — INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 008

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 014 — INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 009

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO — ESTUDO 015 — INTRODUÇÃO AOS EVANGELHOS — INTRODUÇÃO AO EVANGELHO DE MATEUS — PARTE 010
http://ograndedialogo.blogspot.com.br/2017/02/introducao-ao-novo-testamento-estudo.html

Que Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no Facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.



[1] Carson, D. A. O Comentário de Mateus. Shedd Publicações, São Paulo, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário